SRZD



Marcio Coelho

Marcio Coelho

LÍNGUA PORTUGUESA. Consultor lexicográfico da Academia Brasileira de Letras· Cursou Letras Português/Latim e Português/Literaturas. É corretor das redações do Vestibular da Cesgranrio e das provas discursivas da UFRJ. Palestrante sobre Novo Acordo Ortográfico, na Bienal do Livro do RJ. Escreveu dois capítulos na "Gramática Escolar da Língua Portuguesa, do Professor Evanildo Bechara: interpretação de textos e grafia das palavras" e também capítulos sobre questões de concursos públicos no livro "Língua Afiada" (no Jornal Extra), do Professor Sérgio Nogueira. Ministrou curso de capacitação, no Ministério Público Federal. Lecionou nos cursos e colégios Miguel Couto, Bahiense, Martins, Princesa Isabel, Escola Naval etc. Foi professor da rede estadual de ensino. Elaborou prova de Língua Portuguesa para o concurso do magistério da Rede Pública Municipal (1° e 2° graus).

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



15/01/2015 16h19

Vale a Pena Ver de Novo
Marcio Coelho

 

Qual o valor morfológico da palavra SE nas frases?

1-    Passaram-SE os dias, e não falamos nada. (..........)

2-    O rapaz tornou-SE herói naquela guerra. (..........)

3-    Ele e ela abraçaram-SE efusivamente. (..........)

4-    Não sei SE voltarei mais tarde. (..........)

5-    Vendem-SE sapatos e camisas. (..........)

6-    Os amigos deram-SE as mãos. (..........)

7-    SE chover pela manhã, irei ao banco. (..........)

8-    As amigas riram-se da situação. (..........)

9-    A aluna queixou-SE dos colegas. (..........)

10-  Promete-SE uma vida melhor a todos. (..........)

11-  Diga-me SE você virá amanhã. (..........)

12-  Fazem-SE livros para que os leiamos. (..........)

13-  O rapaz lembrou-SE do problema. (..........)

14-  Ninguém SE arrependerá da situação. (..........)

15-  Revela-SE o caráter a todo momento. (..........)

16-  O soldado feriu-SE na batalha. (..........)

17-  Vetou-SE a volta do candidato. (..........)

18-  SE houver boa vontade, haverá paz. (..........)

19-  Esqueceram-SE as recomendações dadas. (..........)

20-  Os alunos esqueceram-SE das recomendações. (..........)

21-  Come-SE bem neste restaurante. (..........)

22-  Conserta-SE cadeira em domicílio. (..........)

23-  Nunca SE  está triste com a reunião. (..........)

24-  Distribuir-SE-ão os prêmios com todos. (..........)

25-  O rapaz e a moça beijavam-SE felizes. (..........)

26-  SE estudares direito, terás sucesso. (..........)

27-  A aluna foi-SE embora do colégio. (..........)

28-  Veja SE entendeu o recado do diretor. (..........)

29-  Promete-SE uma vida melhor por aqui. (..........)

30-  SE você mentir, perderá tudo que tem. (.........)

31-  Encontraram-SE várias minas de ouro. (..........)

32-  O rapaz lembrou-SE do seu problema. (..........)

33-  Viaja-SE muito por este belo país. (..........)

34-  Não SE vai à glória sem sacrifícios. (..........)

35-  SE ele não responder, irei procurá-lo. (..........)

36-  A menina gosta de pentear- SE sempre. (..........)

37-  Deixou-SE apanhar na armadilha. (..........)

38-  Levantou-SE uma voz contra os aumentos. (..........)

39-  Fazia meses que não SE viam. (..........)

40-  Fazia meses que não SE viam pássaros. (..........)

Gabaritos dos exercícios.

°Partícula apassivadora: 5-10-12-15-17-19-22-24-29-31-38-40

°Pronome reflexivo: 16-36-37

°Pronome recíproco: 3-6-25-39

°Conjunção subordinativa integrante: 4-11-28

°Conjunção subordinativa condicional: 7-18-26-30-35

° Palavra de realce ou expletiva: 1-8-27

°Parte integrante do verbo: 2-9-13-14-20-32

°Índice de indeterminação do sujeito: 21-23-33-34



11/12/2014 12h56

Os valores sintáticos da palavra SE
Marcio Coelho

Funções sintáticas do pronome reflexivo se:

 

1)      Objeto direto

° Pedro feriu-se.

O verbo, nessa frase, é transitivo direto: Quem fere, fere alguém.

O sujeito Pedro feriu a si mesmo, ou seja, ele praticou e sofreu a ação ao mesmo tempo.

O pronome se, portanto, é objeto direto.

 

2)      Objeto indireto

° Joana deu-se um presente.

O verbo, nessa frase, é transitivo direto e indireto: Quem dá, dá alguma coisa a alguém.

O sujeito Joana deu um presente (objeto direto) a si mesma (objeto indireto).

O pronome se, portanto, é objeto indireto.

 

3)      Sujeito do infinitivo

° O aluno deixou-se ficar na sala.

A expressão "O aluno" é o sujeito do verbo deixar: O aluno deixou.

O pronome reflexivo se é o sujeito do verbo ficar; equivale à frase: (Ele mesmo) ficou na sala.

O pronome se, portanto, é sujeito do infinitivo "ficar".

 

Funções sintáticas do pronome recíproco se:

1)      Objeto direto

° As alunas abraçaram-se

O verbo, nessa frase, é transitivo direto: Quem abraça, abraça alguém.

O sujeito "As alunas" abraçaram-se entre si, isto é, uma abraçou a outra.

O pronome se, portanto, é objeto direto.

 

2)      Objeto indireto

° Os políticos deram-se as mãos.

O verbo, nessa frase, é transitivo direto e indireto: Quem dá, dá alguma coisa a alguém.

O sujeito "Os políticos" deram as mãos (objeto direto) entre si, isto é, um deu a mão ao outro.

O pronome se, portanto, é objeto indireto.

 

Funções sintáticas do substantivo se

1)      Sujeito

° Este está sobrando no texto.

A expressão Este sê exerce a função sintática de sujeito da locução verbal está sobrando.

O que está sobrando?

Este sê.

 

2)      Objeto direto

° O aluno encontrou um no texto.

A expressão um sê exerce a função sintática de objeto direto do verbo encontrar: Quem encontra, encontra alguma coisa.

O aluno encontrou o quê?

Um sê.

 

3)      Objeto indireto

° O professor gostou deste no texto.

A expressão deste sê exerce a função sintática de objeto indireto do verbo gostar: Quem gosta, gosta de algo.

O professor gostou de quê?

Deste sê.

 

4)      Complemento nominal

° O estudo do sê é fácil.

A expressão do sê exerce a função sintática de complemento nominal (por ser paciente) do substantivo estudo.

 

5)      Adjunto adnominal

° O valor do sê é variado.

A expressão do sê exerce a função sintática de adjunto adnominal (por ser agente) do substantivo valor.



18/11/2014 13h18

Valores morfológicos da palavra SE

Valores morfológicos da palavra SE

 

1 - Pronome reflexivo

Quando a palavra se indicar que o sujeito praticou uma ação, e a ação recaiu nele próprio.

Ex.: Pedro feriu-se.

(O Pedro feriu a si mesmo.)

 

2 - Pronome recíproco

Quando a palavra se indicar que as pessoas praticaram a mesma ação, uma na outra.

Ex.: Eles deram-se as mãos.

(Um deu a mão ao outro.)

 

3 - Palavra de realce ou expletiva

Quando a palavra se puder ser retirada, e não alterar o sentido da frase.

Ex.: A menina foi-se embora

("A menina foi embora" - Não houve alteração no sentido da frase.)

 

4 - Partícula apassivadora

Quando puder substituir o verbo da frase pelo verbo ser mais particípio.

Ex.: Vendem-se casas.

(Casas são vendidas. - A frase faz sentido.)

 

5 - Índice de indeterminação do sujeito

Quando não puder substituir o verbo da frase pelo verbo ser mais particípio.

Ex.: Gosta-se de praia.

(De praia é gostado. - A frase não faz sentido.)

6 - Substantivo

Normalmente a palavra se vem precedida de um determinante (artigo, pronome, numeral).

Ex.: O estudo do é fácil.

(do = contração da preposição de mais o artigo definido o)

 

7 - Conjunção subordinativa condicional

Quando a palavra se introduzir uma oração que tenha ideia de condição.

Ex.: Se chover, / sairei.

(Só sairei nesta condição: "caso chova".)

 

8 - Conjunção subordinativa integrante

Quando a palavra se introduzir uma oração que possa ser substituída pelo vocábulo isto.

Ex.: Não sei / se voltarei.

(Não sei isto.)

 

9 - Parte integrante do verbo

Existem três maneiras para identificá-la:

a)      Quando o verbo não puder ser conjugado sem o pronome.

Ex.: Ela queixou-se de você.

(Não existe o verbo "queixar". Só existe queixar-se.)

 

b)      Quando o pronome entrar e alterar o sentido do verbo.

Ex.: Ela referiu-se ao texto.

(O verbo "referir-se" significa aludir.)

Compare-se: "Ela referiu o texto".

(O verbo "referir" significa narrar.)

 

c)      Quando o pronome entrar e alterar a regência do verbo.

Ex.: Ele esqueceu-se do recado.

(O verbo "esquecer-se" é transitivo indireto.)

 Compare-se:  "Ele esqueceu o recado".

(O verbo "esquecer" é transitivo direto.)


1 Comentários | Clique aqui para comentar

30/10/2014 12h34

Orientações sobre interpretação de texto
Marcio Coelho

Interpretação de Texto - como fazer?

Todo mundo sabe interpretar textos, principalmente, você. Desde que se acorda, vivemos interpretando tudo o que ouvimos e vemos.

Mas, na hora de uma prova de língua portuguesa... Que insegurança!
Por quê?

Porque não se costuma prestar a atenção aos detalhes do texto.
Algumas observações para a análise de um texto:

1. Ler duas vezes o texto: a primeira, para tomar contato com o assunto; a segunda, para observar como o texto foi desenvolvido.

2. Observar que um parágrafo em relação ao outro pode indicar uma continuação, ou uma conclusão, ou, ainda, uma falsa oposição.

3. Levar em consideração o que o texto diz, ou o que está querendo dizer é importantíssimo.

4. Se um enunciado mencionar "tema" ou "ideia principal", deve-se examinar a introdução e/ou a conclusão do texto.

5. Se um enunciado mencionar "argumentação", deve-se preocupar com o desenvolvimento do texto.

6. Tomar cuidado com os vocábulos relatores (os que remetem a outros vocábulos do texto: pronomes relativos, demonstrativos, pessoais etc.).

7. Sublinhar, nos enunciados, palavras como: erro, incorreto, não, inadequado etc.

8. Prestar atenção aos enunciados das questões para entender direito a intenção do que está sendo pedido.

9. Sublinhar, em cada parágrafo, (se for prosa), ou em cada estrofe (se for poema), a ideia mais importante contida neles.

10. Prestar atenção aos detalhes do texto, aos detalhes dos enunciados e aos detalhes das opções.

 

Agora, vamos analisar um texto?
Assinale a opção que mantém o mesmo sentido do trecho sublinhado a seguir.

"Uma das grandes dificuldades operacionais encontradas em planos de estabilização é o conflito entre perdedores e ganhadores. És vezes reais outras fictícios, estes conflitos geram confrontos e polêmicas que, com frequência, podem pressionar os formuladores da política de estabilização a tomar decisões erradas e, com isso, comprometer o sucesso das estratégias antiinflacionárias."
(Texto extraído do jornal FOLHA DE SÉO PAULO)


a) Os formuladores da política de estabilização podem tomar decisões erradas se os conflitos, gerados por confrontos e polêmicas, os pressionarem; o sucesso das estratégias antiinflacionárias fica, com isto, comprometido.

b) Estes conflitos, reais ou fictícios, geram confrontos e polêmicas que, frequentemente, podem pressionar os formuladores da política de estabilização a tomar decisões erradas, sem, com isso, comprometer o sucesso das estratégias antiinflacionárias.

c) O sucesso das estratégias antiinflacionárias pode ficar comprometido se, pressionados por conflitos, reais e fictícios, os formuladores da política de estabilização gerarem confrontos e polêmicas ao tomarem decisões erradas.

d) Os conflitos, às vezes reais, outras fictícios, que podem pressionar os formuladores da política de estabilização a confrontos e polêmicas, comprometem o sucesso das estratégias antiinflacionárias, se as decisões tomadas forem erradas.

e) O sucesso das estratégias antiinflacionárias pode ficar comprometido se os formuladores da política de estabilização, pressionados por confrontos e polêmicas decorrentes de conflitos, tomarem decisões erradas.


Orientação para resolver a questão.
O que o segmento sublinhado do texto nos diz é:

1. Os conflitos geram confrontos e polêmicas.
2. Os confrontos e polêmicas, gerados pelos conflitos, com frequência, podem pressionar os formuladores da política de estabilização a tomar decisões erradas.
3. As decisões erradas dos formuladores podem comprometer o sucesso das estratégias antiinflacionárias.


Portanto, a resposta correta está na opção E.


Resposta do teste anterior:
1) Foi rápida a minha (estada) naquele hotel.
2) Passou (despercebido) do professor porque a turma falava muito.
3) Fiz (cessão) dos meus direitos.
4) Assisti a uma (sessão) de cinema.
5) Comprei a roupa naquela (seção).


3 Comentários | Clique aqui para comentar

07/10/2014 08h42

Dúvidas de Português e teste de conhecimentos
Marcio Coelho*

Questão de Interpretação
Seu Paulo era um marido exemplar, carinhoso, incapaz de matar uma mosca. Um dia, Maria precisou ir ao mercado e pediu ao bom marido:
-Paulo, meu amor, não tire os olhos do Juquinha, enquanto vou ao mercado, certo.
-Oh, Maria, você sabe que eu não mato uma mosca.
Acha que teria a coragem de tirar os olhos do meu próprio filho?

Resposta do teste de conhecimento da semana passada:
1) - Por que faltaste à aula?

2) - Porque adoeci.

3) - Adoeceste por quê?

4) - Não sei por que adoeceste.

5) - Não sei por quê, mas gosto de você.

6) - Sei o por que choras.

7) - Sei o porquê do choro.

8) - Opto por que venhas logo.

9) - Estudou porque fosse promovido

10) - Sei por que motivo adoeci.


Dúvidas de Português

Por que / Porquê / Porque / Por quê
Porquê: quando pode ser substituído pelas palavras "motivo", "razão".
- Trata-se de um substantivo.
- Antes dele, pode aparecer um artigo (o porquê), um pronome (este porquê) ou um numeral (dois porquês) .
A moça faltou ao encontro; não sei o porquê.


Porque: quando pode ser substituído por "a fim de que" ou "pois".
O aluno estudou porque fosse aprovado. (= a fim de que)
Espere, porque já volto. (=pois)

Por que: emprega-se em quatro casos:
- Quando não está em fim de frase nem sozinho, e, depois dele, pode acrescentar a palavra "razão".
Por que você estudou tanto?
- Quando pode ser substituído pelas expressões "por qual", ?por quais".
Sei por que caminho eles seguiram.
- Quando pode ser substituído pela expressão "pelo qual" e variantes.
Conheço o emprego por que tu lutas.
- Quando um verbo exige a preposição "por", e a oração inicia por uma conjunção.
Voto por que faças a prova. (Quem vota, vota por algo)

Por quê: quando está sozinho ou em fim de frase e, depois dele, pode acrescentar a palavra "razão".
Não sei por quê, mas gosto de estudar idiomas.
A aluna estuda tanto por quê?
- Amanhã, faltarei ao trabalho.
- Por quê?

Teste de conhecimento
Sublinhe as formas adequadas:
1) Foi rápida a minha (estadia/estada) naquele hotel.
2) Passou (despercebido/desapercebido) do professor porque a turma falava muito. 3) Fiz (ceção/cessão) dos meus direitos.
4) Assisti a uma (sessão/seção) de cinema.
5) Comprei a roupa naquela (sessão/seção).


1 Comentários | Clique aqui para comentar

29/09/2014 08h43

Dúvidas de Português e teste de conhecimento
Marcio Coelho*

Questão de interpretação

Aula de catecismo.
- Qual dos alunos sabe onde está Deus? - perguntou o professor.
- No banheiro de casa! - respondeu Juquinha, levantando o dedo.
- No banheiro de sua casa, Juquinha???
- É sim, professor! Todos os dias, a mamãe bate à porta do banheiro e pergunta:
- Meu Deus, você ainda está aí?

Resposta do teste de conhecimentos da semana passada:

As formas corretas são:

1. Privilégio; 4.Exceção;

2. Empecilho; 5. Obsessão.

3. Hortênsia;


Dúvidas de Português

Há tempo / A tempo / Em tempo

- Há tempo significa "faz tempo".
O livro foi escrito há tempo.

- A tempo e Em tempo são empregados com o sentido de "na hora certa", "no momento oportuno".
A mãe chegou a tempo ou em tempo de salvar o filho.

É uma hora / A uma hora

- É uma hora é empregado com o sentido de "hora determinada".
Sairei daqui, à uma hora.
A vírgula indica que a expressão corresponde às 13 horas em ponto.

- A uma hora é usado com sentido de "hora indeterminada".
Sairei daqui a uma hora.
A falta de pontuação indica que se trata de espaço de tempo, sendo: Daqui a uma hora, sairei.

Más / Mais / Mas

- Más é o plural de "má".
Aquelas moças são más. (perversas)

- Mais indica "intensidade", "aumento", "superioridade".
Esta aluna é mais estudiosa do que você.

- Mas é uma conjunção que exprime "oposição", "ressalva".
O meu amigo é rico, mas não paga as suas dívidas.

- Na correlação "não só... mas também", o vocábulo "mas" indica adição.
Ela não só estuda mas também trabalha. (Ela faz as duas coisas).

Por / Pôr

- Por (sem acento) é uma preposição.
Não ponha a mão no fogo por ninguém.

- Pôr (com acento) é verbo.
A senhora vai pôr a mesa?
Observe-se que o verbo pôr leva acento gráfico, mas os seus derivados não são acentuados: depor, compor, propor, repor etc.


Pôde / Pode

- Pôde (com pronúncia do "o" fechado) é o verbo "poder" no pretérito perfeito do indicativo.
Ontem, ele pôde sair de casa.

- Pode (com a pronúncia do "o" aberto) é o verbo "poder" no presente do indicativo.
Hoje, ele pode sair de casa.

Teste seu conhecimento:

Empregue porquê, por que, porque, por quê nas seguintes frases:

1) .......... faltaste à aula?

2) .......... adoeci.

3) Adoeceste ..........?

4) Não sei .......... adoeceste?

5) Não sei .........., mas gosto de você.

6) Sei o ........... choras.

7) Sei o .......... do choro.

8) Opto .......... venhas logo.

9) Estudou .......... fosse promovido.

10) Sei .......... motivo adoeci.

 

- Veja mais aqui sobre dúvidas de língua portuguesa

 


2 Comentários | Clique aqui para comentar

19/09/2014 14h37

Dúvidas de português e teste de conhecimento
Marcio Coelho*

Conversavam o carcereiro e o assassino de alta periculosidade:
Carcereiro: - "E agora, o que vai fazer?"
Assassino: - "Matar o tempo".

Resposta do teste de conhecimentos da semana passada:
- Vi o país aonde tu vais.
- Vi o país donde ou de onde tu vens.
- Vi o país onde tu moras.

Dúvidas de Português

Aonde/ Donde/ De onde/ Onde

Aonde é empregado com verbos e nomes que exigem preposição a.
Significa "a algum lugar".
Você vai aonde? (Quem vai, vai a algum lugar.)
A sua ida será aonde? (A ida a algum lugar.)

Donde ou De onde são empregados com verbos e nomes que exigem preposição de. Significam "de algum lugar".
Você veio donde (ou de onde)? (Quem vem, vem de algum lugar.)
A sua chegada será donde (ou de onde)? (A chegada de algum lugar.)

Onde é empregado com verbos e nomes que exigem preposição em.
Significa "em algum lugar".

Você mora onde? (Quem mora, mora em algum lugar.)
Você entrou onde? (Quem entra, entra em algum lugar.)
A entrega é onde? (A entrega é em algum lugar.)

Porventura / Por ventura

Porventura é usado com o sentido de "por acaso".
Avise-me se porventura sair.

Por ventura é empregado com o significado de "por sorte".
Por ventura minha, encontrei todos os amigos.

De repente / Por isso

De repente e por isso são sempre grafados separadamente.
De repente, ela saiu gritando da sala.
A moça estudou muito, por isso obteve êxito na profissão.

É/OH

É é uma interjeição empregada antes de um vocativo para indicar "apelo", "chamamento".
É Maria, volta logo!

Oh é uma interjeição usada para exprimir alegria, surpresa, repulsa, lástima, admiração etc.

Oh! que lindo está o dia!

(Observe-se que, neste caso, a pontuação aparece imediatamente após a interjeição.)

Si/ Consigo / Ti / Contigo/ Você

Si e Consigo são sempre reflexivos; referem-se ao próprio sujeito.
O egoísta só pensa em si.
Ela levou ilusões consigo.

Ti, Contigo e Você são empregados quando se referem a outra pessoa.
Ela gosta de ti (ou de você).
O rapaz quer falar contigo (ou com você).

Teste seu conhecimento:

Sublinhe os vocábulos grafados corretamente:
1. A) Previlégio   B) Privilégio
2. A) Empecilho  B) Impecilho
3. A) Hortência   B) Hortênsia
4. A) Exceção     B) Excessão
5. A) Obsessão   B) Obcessão


2 Comentários | Clique aqui para comentar

09/09/2014 08h11

Dúvidas de português: resposta à leitora
Marcio Coelho*

A leitora Leidiane pede que explique a diferença entre "dia-a-dia" (com hífen) e "dia a dia" (sem hífen).

- Clique aqui e veja o comentário da leitora e outras dúvidas de português

Prezada Leidiane,
A expressão "dia-a-dia" (com hífen) é empregada com o sentido de "o viver cotidiano", "a atividade ou a rotina diária". Trata-se de um substantivo composto. Normalmente aparece precedido de um artigo.
-Como é atarefado o "dia-a-dia" de um aluno.
Quanto à expressão "dia a dia" (sem hífen), emprega-se na acepção de "com o correr dos dias"; tendo, pois, valor adverbial.

-"Dia a dia" eu me sentia mais forte.
Mas uma boa notícia para você, Leidiane: de acordo com o novo Acordo Ortográfico, não precisa mais se preocupar porque o hífen, a partir de 2016, desaparecerá da expressão " dia a dia".

Resposta do teste da semana passada:
Acertou quem empregou o vocábulo "conquanto", na frase:
"Conquanto não estudasse, consegui a promoção no exame".

Expressões que causam confusão:
-Conquanto: equivale a "embora", "se bem que", "ainda que".
Sou rico, não tenho filhos, conquanto seja casado.
Conquanto não fizesse sol, fomos à praia.
-Conquanto é empregado com o sentido de "com que quantidade".
-Com quanto dinheiro você viajou?
- Com quanto livro saíste da biblioteca!

-Contanto (que) apresenta o valor de "se", "caso".
-Contanto que ele estude, passará.
-Contanto que chegues cedo, tudo bem.

-Com tanto é usado com o sentido de "com muito".
- O secretário saiu do escritório com tanto livro.
-O rapaz saiu da delegacia com tanto ódio.

-Porquanto é empregado com o valor de "porque", "visto que".
-Espere, porquanto já volto.
-Morreu porquanto adoeceu.

-Por quanto apresenta o sentido de "por qual preço".
-Compraste o livro por quanto?
-Por quanto você quer vender o apartamento?

-Portanto equivale a "logo", "por conseguinte", "por consequência".
-Seu carro está velho, portanto não saia com ele.
-Estudei muito, portanto aprendi a matéria.

-Por tanto apresenta o sentido de "por tal preço", " por tantas vezes".
-Comprei este carro por tanto.
-Por tanto reclamar, acabou sendo ouvido.

-Enquanto é empregado com o sentido de "quando", "mal", "no tempo em que", "ao passo que".
-Enquanto eu estudava, minha mãe trabalhava.
-Paulo enriqueceu, enquanto o irmão caiu na miséria.
-Em quanto apresenta o valor de "em que medida".
-Em quanto tempo fazes o trabalho?
-Em quantos dias você me entrega as chaves de casa?

Teste o seu conhecimento:
Em qual frase, deve-se empregar se não, em duas palavras?

a) Não faz outra coisa ...... passear pela cidade.
b) O Sol não é ...... um pequeno astro movendo-se no cosmo.
c) Resolver tal problema não compete ao policial, ...... ao juiz.
d) Alguns desastres, ...... todos, ocorrem nesta região.
e) A moça não tem um ...... de que se possa falar.

(Envie-nos abaixo a sua resposta por meio de comentários. Na próxima semana, abordaremos esse assunto.)

- Veja aqui outras dúvidas de emprego certo de vocábulos

 


1 Comentários | Clique aqui para comentar

29/08/2014 13h33

Dúvidas de português: emprego certo de vocábulos
Marcio Coelho*

Na língua portuguesa, como na vida, nem tudo que parece é.
Existem palavras que apresentam semelhança de natureza diversa: na pronúncia (por exemplo, coser e cozer) ou na escrita (por exemplo, impio e ímpio).

Teste o seu conhecimento:
Qual dos itens abaixo preenche adequadamente a lacuna da seguinte frase:
"........ não estudasse, consegui a promoção no exame"?
(a) Porquanto; (d) Conquanto;
(b) Contanto; (e) Enquanto.
(c) Portanto;

(Envie-nos abaixo a sua resposta por meio de comentários. Na próxima semana, abordaremos esse assunto.)


O emprego certo de certos vocábulos:

Afim / A fim de
Afim é o que "tem afinidade", "parentesco" ou "semelhança com".
- Chegou o seu afim. (o seu parente, o seu semelhante)
-Paulo e Joaquim são colegas afins.

A fim de significa "com a finalidade de", "com o objetivo de".
-Os alunos estudaram a fim de passar.
-As moças saíram a fim de visitar a cidade.


Obs.: Como gíria, emprega-se ?a fim de" com o sentido de "estar interessado em", "querer namorar".
-O rapaz está a fim de todas as moças da festa.
-Meus pais estão a fim de passear pelo bairro.


Abaixo-assinado / Abaixo assinado
Abaixo-assinado (com hífen) é o documento.
-Entregue-me o abaixo-assinado da turma.
-Os eleitores fizeram dois abaixo-assinados contra o político.

Abaixo assinado (sem hífen) é a pessoa que assina o documento.
-Nós, os abaixo assinados, vimos solicitar providências para esse caso.
-Os abaixo assinados solicitam a sua presença no festival.


A domicílio / Em domicílio
A domicílio completa o sentido de verbo ou de nome que exigem preposição A.
-Levam-se presentes a domicílio. (Levar algo a um lugar.)
-A sua ida a domicílio está proibida. (Ida a um lugar.)

Em domicílio completa o sentido de verbo ou de nome que pedem preposição EM.
-Atende-se a pacientes em domicílio. (Atender em casa.)
-A loja faz entregas em domicílio. (Faz entregas em casa.)


Enfim/ Em fim
Enfim apresenta o sentido de "finalmente".
-A mãe viu enfim o rosto do filho.
-Enfim conseguimos chegar cedo ao teatro.

Em fim equivale a "em final".
-Isso sempre ocorre em fim de campeonato.
-O idoso está em fim de carreira.


Em cima (de)/ Encima
Em cima (de) equivale a "na parte superior".
-No meu colégio, a secretaria fica em cima.
-Coloquei o relógio em cima da televisão.

Encima é o verbo encimar que significa "estar em cima de", "elevar".
-Ari foi ao espelho que encima o armário.
-Dom Pedro foi encimado ao trono com o título de imperador.

- Clique aqui e veja a resposta do professor à dúvida da leitora Leidiane, que comentou abaixo

- Veja aqui outras dúvidas da língua portuguesa

 

Curta a página do SRZD no Facebook:


3 Comentários | Clique aqui para comentar

22/08/2014 12h38

Dúvidas de português: emprego certo de vocábulos
Marcio Coelho*

Todo mundo tem conhecimento de Língua Portuguesa, no entanto, de vez em quando, vem aquela dúvida cruel: é assim...? ou é assado?
A partir de observações, desenvolvemos uma didática simples, objetiva, voltada às necessidades de cada pessoa.

O emprego certo de certos vocábulos

Por hora/ Por ora

Por hora: duração, divisão do tempo
- Quanto você cobra por hora?
- Paulo vende dois carros por hora.

Por ora: por agora, por enquanto
- Por ora, é o que posso relatar.
- Por ora, é só.

Haver/ A ver

Haver: possuir, existir, obter.
- Estas pessoas houveram de tudo e hoje nada mais possuem.
- Para ele, só há, no mundo, a mãe.
- Não conseguiram haver as informações que queriam.

A ver: ter relação com, ter vistas
- Isso não tem a ver com você.
- Ele chegou a ver a bela paisagem.

Tampouco / Tão pouco

Tampouco: significa "também não", "nem".
- Ele não estuda tampouco trabalha.

Tão pouco: emprega-se com o sentido de "muito pouco".
- Ele estuda tão pouco, por isso tem pouca cultura

Ao Invés de/ Em vez de

Ao invés de: ao contrário de (quando houver ideias antônimas)
- Ao invés de o aluno entrar na sala, saía dela.

Em vez de: um lugar de
- Em vez de o rapaz comprar um carro, comprou dois.

Em princípio/ A princípio

Em princípio: no geral
- Em principío, concordo com você.

A princípio: no início
- A princípio, lecionava Inglês, agora, leciono Francês.

Ao Encontro DE/ De encontro A

Ao encontro de: ideia de aproximação, concordância
- As minhas ideias vão ao encontro das suas, por isso nos damos bem.
(Se nós nos damos bem, existe uma concordância)

De encontro a: ideia de discordância, afastamento, choque
- As minhas ideias vão de encontro às suas, por isso não nos damos bem.
(Se nós não nos damos bem, existe uma discordância)


7 Comentários | Clique aqui para comentar