SRZD


05/10/2010 22h40

Inea apresenta projetos para despoluição de rios que tornam Baía de Guanabara um 'valão'
Luana Freitas

A enorme quantidade de lixo produzido pela população acaba tendo seu destino desviado, muitas vezes, para rios e manguezais do estado. O biólogo Mário Moscatelli constata mensalmente, há 15 anos, a poluição dos rios ao sobrevoar o estado pelo projeto "Olho Verde". Segundo ele, a Baía de Guanabara está se tornando um "imenso valão", devido a grande sujeira e resíduos que desembocam nela.

Moscatelli afirma que a situação é grave e precisa de maior atenção por parte das autoridades. Até mesmo a população pode ser prejudicada com a poluição dos rios,  já que está exposta à contaminação de doenças graves, como hepatite, câncer de fígado e infecções intestinais. O biólogo afirma que se nada for feito, a Baía pode se tornar um "grande penico". Os rios que se encontram em situação precária, segundo a observação constante de Moscatelli, são: Jacaré, Farias Irajá, São João de Meriti, Sarapuí-Iguaçu e Guaxindiba.

O SRZD publicou uma reportagem sobre o assunto no dia 31 de agosto (Clique e relembre), e reforçou posteriormente, no dia 23 de setembro (Clique e relembre). E para buscar respostas sobre o fato, procuramos o Instituto Estadual do Ambiente (INEA) para saber sobre projetos para recuperar e restabelecer a condição das águas poluídas do estado do Rio. 

Segundo o instituto, diversas medidas estão sendo tomadas para o tratamento desses rios, inclusive projetos serão colocados em prática ainda este ano.

"Na baixada fluminense, o Projeto Iguaçu trabalha no desassoreamento dos rios Iguaçu, Sarapuí e Botas. Foram retirados desses rios e alguns afluentes 3 milhões de m³ de lixo e sedimentos, 22 mil pneus, num total de 70km de rios dragados. O Projeto Iguaçu também investe na recuperação das áreas marginais e instalação de parques de orla, plantio de vegetação ciliar, reflorestamento de áreas de nascentes, preservação de áreas para amortecimento de cheias (áreas-pulmão), renaturalização de cursos d'água, desobstrução e substituição de pontes e travessias, realocação de moradias, além de outras medidas complementares relacionadas ao disciplinamento do uso do solo, coleta de lixo, etc".

Sobre os rios Botas e São joão de Meriti, o INEA declarou que há ecobarreiras que impedem a chegada do lixo flutuante até a Baía de Guanabara. Segundo informou o instituto, o próximo a receber uma ecobareira será o rio Sarapuí.

Sobre esse sistema, o biólogo afirma que não é suficiente para reter a grande quantidade de resíduos presente nos rios. Em seus sobrevoos, ele constatou que a ecobarreira do rio São João de Meriti, por exemplo, se rompe com frequência, devido ao excesso de lixo e por ser frágil para suportá-lo.

"Destaco que o atual modelo de ecobarreira é melhor do que nada, mas não resolve ainda muito pouco do problema do aporte de resíduos em direção à Baía de Guanabara".

O biólogo ainda comentou sobre o não funcionamento da estação de tratamento de São Gonçalo, que não cumpre sua função desde a inauguração, mesmo depois do pesado investimento de 1 bilhão de dólares no programa de recuperação da Baía de Guanabara.

Sobre os demais rios poluídos, o INEA declarou que está tomando providências para a recuperação dos mesmos.

"O Instituto Estadual do Ambiente está realizando intervenções emergenciais no Rio Guaxindiba por conta da chuva de abril. Existem projetos de intervenção nos rios Imboaçu e Alcântara, em São Gonçalo".

Mario Moscatelli lamenta a condição dos rios e da Baía de Guanabara, que acaba por minar a imagem do Rio de Janeiro, especialmente quando se pensa nos grandes eventos esportivos que a cidade receberá, e conclui o relato de sua vasta experiência na observação dos rios do estado com um desabafo.

"A atual administração e as próximas duas terão de trabalhar muito para reverter o processo de degradação acumulado nos últimos trinta anos por administrações públicas no mínimo incompetentes ancoradas na mais profunda certeza da impunidade".

 



Comentários
  • Avatar
    13/03/2014 11:11:41ROBERTOAnônimo

    Olá amigos, moro no município de São Gonçalo RJ., bairro Paraíso, e quando chove a minha Rua(Travessa Graça) e adjacências ficam completamente alagada por conta de um rio ou valão, depende do ponto de vista de cada um, e temos um órgão chamado INEA do governo Estadual que não sei ainda qual o serviço prestado a população. Pois deveria fazer um levantamento dos problemas com relação as enchentes no municípios e bairros, porém, não vemos nada mudar durante anos. Cadê o pessoal? Será que estão trabalhando? Caso sim, me informe.

  • Avatar
    26/09/2011 15:29:56Pedro AddisonAnônimo

    Boa tarde Inea apresenta projetos para despoluição de rios que tornam Baía de Guanabara um 'valão'. Diariamente são despejados cerca de 10 ton. de lixo na Baía de Guanabara provenientes de diversos alimentadores, principalmente pelos seus rios tributários, conforme amplamente divulgado pela imprensa. Embora o Governo Estadual esteja atuando em torno da Baía ( Psam), quer pela ativação de estações de tratamento de esgoto e nas instalações de mais ecobarreiras, a Baía precisa contar com o serviço de retirada do lixo flutuante de suas águas, como se fosse uma "Comlurb aguática", com o emprego de embarcações projetas para esta atividade específica e de preferência construída no Rio de Janeiro ( emprego de mão-de-obra local) com grande capacidade de recolhimento de resíduos sólidos flutuantes. Curiosamente durante a semana dos Jogos Mundiais Militares (JMM) foi realizado o serviço de retirada de lixo flutuante e manutenção da limpeza das raias das provas de vela desta competição com bastante sucesso. Este serviço foi realizado em apoio aos organizadores dos JMM pela embarcação "ACQUA" das empresas ADDServices ( www.addservices.com.br) e Brissoneau, com capacidade de recolhimento de lixo flutuante de até 11.000 kg de forma automática, o que corresponde a vinte e duas vezes a capacidade de embarcação similar. Infelizmente a imprensa nada comentou sobre o sucesso deste seviço realizado, por ocasião dos JMM. A Escola Naval elabrou carta de agradecimento pelo serviço prestado o que contribuiu para o sucesso das competições a velas dos Jogos. Esta embarcação com certeza poderia recolher os lixos que ficam acumulados nas ecobarreiras ou são retirados via processo artesanal. Estou a disposição para qq informações. Att Pedro Addison

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.