SRZD


17/12/2010 21h17

Paciente 'livre' do HIV por células-tronco não significa cura, diz especialista
Hélio Almeida

A cura do portador do vírus HIV usando células-tronco, retiradas da medula óssea de um doador que era imune ao vírus por causa de uma mutação genética, ainda não está confirmada, declara, em entrevista ao SRZD, o biólogo Radovan Borojevic, pioneiro em terapia celular no país e que trabalha há mais de 30 anos com este tipo de procedimento.

Borojevic, diretor técnico-científico da Excellion, único laboratório brasileiro autorizado pela Anvisa a manipular células-tronco adultas, disse que o anúncio realizado por pesquisadores da Universidade de Medicina de Berlim não muda em nada, por enquanto, o tratamento do vírus da AIDS e não cria um tratamento, como foi divulgado esta semana, mas contribui para novas pesquisas.

"Isso representa uma informação para futuras pesquisas. O que aconteceu foi uma curiosidade, mas não é uma cura. Eles fizeram uma terapia em um paciente para tratar uma leucemia, e teve por isso que submeter a uma cirurgia de células-troco de um doador compatível, obviamente".

O especialista disse que o doador tinha uma modificação genética que impedia a entrada do HIV nessas celulas, que foram para o paciente Timothy Ray Brown, de 44 anos. Radovan Borojevic, que já atuou como professor do Instituto de Biomédica da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), disse que houve um conjunto de fatores a favor do paciente.

"Para entrar dentro dessa célula, ele precisa de outras células para entrar, e era na via que o vírus entrava. As celulas que foram introduzidas tinham essas características, de impedir a penetração de vírus nas células (nos leucócitos)".

Mais de três anos depois do procedimento, não foram detectados sinais do vírus no corpo do paciente. O biólogo fala que esse dado é importante e os cientistas podem atacar. Esse procedimento, diz ele, pode ser reproduzido, mas em um outro contexto.

"Ele nos mostra que até agora não é conhecido que a eliminação do organismo desse receptor possa gerar uma cura. Isso terá que ser trabalhado, mas o tratamento é extremamente agressivo, pois ele passou por diversos problemas depois da terapia".


Veja mais sobre:Aids

Comentários
  • Avatar
    18/12/2010 06:26:50Samba cariocaMembro SRZD desde 18/07/2009

    Ã? ele diz não por que ganham bilhões com o faturamento dos remédios!!!! e o medo de morrer?? assim como o homem que inventou o carro que tinha água como combustivel.

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.