SRZD


29/01/2011 06h13

Exemplo de grandes mulheres do samba conduz todo o amor pelo carnaval
Alberto João

Foto: Barbara Alejandra/DivulgaçãoInovar é preciso. Na noite de sexta-feira, o auditório da Finep, na Zona Sul do Rio, foi palco do encontro de cinco mulheres fundamentais para o desenvolvimento dessa atividade cultural, característica do Rio de Janeiro, que são nossas escolas de samba. Lucinha Nobre, atual porta-bandeira da Portela, Selminha Sorriso, da Beija-Flor, Soninha, que marcou época na Mocidade, e Maria Helena, figura que se confunde com o nome da Imperatriz, participaram do seminário "Porta-bandeira: dança, charme e sedução", iniciativa do "Inova Que eu Gosto - Bloco dos amigos da FINEP". No meio de tantos momentos emocionantes vividos nessa noite, o destaque foi a homenagem para Dodô, lendária porta-bandeira da Portela, que aos 91 anos, divertiu todos os presentes com suas histórias e seu amor pelo carnaval.

Aliás, o amor foi o grande significado de todo o evento. Passando por momentos ardentes de paixão, raiva (ela está relacionada ao amor extremo), carinho, devoção e respeito, o público presente pode comprovar o que é ser um verdadeiro sambista, aquele que não se contenta e muitas vezes nem quer o dinheiro pago pelo seu trabalho em uma agremiação, faz pelo prazer, sentimento que agrega e confunde sua família com o próprio samba, briga até o fim pela sua escola e quando para e pensa em tudo que fez, o único jeito é chorar, mas não de tristeza. Sambista não é triste. É emoção.

Na abertura do seminário, o jornalista Fábio Fabato, uma das principais cabeças pensantes do jornalismo de carnaval, apresentou um vídeo sobre Tia Dodô. Emocionando, Luis Carlos Magalhães, colunista do SRZD-Carnavalesco, resumiu em poucas palavras o que todos que estavam naquela sala sentiam no momento. - A verdadeira emoção do carnaval é a emoção de desfilar. Eu duvido que alguém aponte uma pessoa mais animada que Dodô na Avenida - disse.

Aplaudida de pé, Dodô contou seu começou no carnaval e como foi apresentada para Paulo da Portela, através de sua amiga Dora, que já faleceu. Foi um show de humor de primeira linha. A dama portelense ainda conserva o jeito do "eu falo mesmo", que faz uma falta enorme em toda sociedade brasileira e, principalmente, no carnaval, onde o mundo da aparência e do falso clamour esconde dramas e sobretudo falhas de caráter, momentos que beiram o bizarro, falta de criatividade e de quem vive em um tal "profissionalismo", que vira amador de tão deficiente que é.

- Antes, as pessoas só apareciam nas escolas quando eram convidadas por alguém. Hoje, elas (porta-bandeiras) se oferecem e dançam de graça. Eu tinha que trabalhar para ter minha fantasia - frisou Dodô, que ainda comentou a dança. - A porta-bandeira tem que se apresentar com a mão nas "cadeiras" (cintura). Não é para dar adeus. Ela só deve tirar a mão quando o mestre-sala pedir.

Nos inúmeros momentos marcantes da noite, Soninha explicou sua relação com o carnaval. - A dança me ensinou a quebrar barreiras. O samba foi o grande amor da minha vida. Quando estou com ele, não tem para ninguém. Maria Helena aproveitou para aumentar ainda mais toda carga de paixão e amor. - Comi o pão que o diabo amassou para chegar onde cheguei. Nunca fui santa e falo mesmo - disse a ex-porta-bandeira da Imperatriz, que ainda comentou como fez o filho, Chiquinho, ser mestre-sala e desabafou quando citou sua saída do posto de porta-bandeira da escola de Ramos.

No hall das melhores, Selminha Sorriso mostrou que não possui somente um dos sorrisos mais lindos de todo o carnaval. Ela é coração e amiga. Quem estava presente na Finep pode comprovar tudo isso com um lindo abraço entre Lucinha Nobre e Selminha. Sem forçar nenhuma barra, as duas choraram em diversos momentos. Ciente do seu posto no mundo do carnaval, Selminha desabafou: - Ser sambista não é sinônimo de pobre coitado. O samba me deu dignidade e mudou a história da minha vida. Lucinha foi além: - O carnaval é um orgulho. Conheci o amor na Mocidade, o respeito na Unidos da Tijuca e a emoção na Portela.

Quem não compareceu no seminário perdeu um grande espetáculo. Sem carros alegóricos, fantasias, bateria e etc, mas com o fundamental que é o amor pelo carnaval e pelas escolas de samba. Um prato cheio para quem não acredita que é possível inovar e não perder a essência. A receita é só ouvir Dodô, Selminha Sorriso, Soninha, Lucinha Nobre e Maria Helena. Suas histórias são narradas com o sofrimento e luta. A recompensa não vem somente com dinheiro e aplausos. É preciso muito mais. Acreditar que o carnaval e o samba podem mudar o rumo de um país, que juntos se faz uma verdadeira revolução sem armas, apenas com o amor pela folia.


Comentários
  • Avatar
    01/02/2011 17:15:45Mauro 2 TMembro SRZD desde 28/05/2010

    _ Excelente seminário, a verdadeira nobreza da passarela esteve ali em parte representada... gostaria que todas as "damas" ali citadas contassem suas histórias, como fez a Vilma Nascimento, "o Cisne' em entrevista a Squel Georgia porta Bandeira da Grande Rio, em seu Blog Chamado "Bandeiras da Memória', vale a pena conferir , a história é emocionante, rica em ilustrações de um bom gosto de quem realmente vive da nobre arte ao representar com amor seu pavilhão.

  • Avatar
    01/02/2011 17:07:57Mauro 2 TMembro SRZD desde 28/05/2010

    Fabuloso este seminário, deveriamos postar a história de cada uma dessas damas neste blog, como fez a porta bandeira da Grande Rio Squel Georgia ao contar em entrevista com a Vilma Nascimento a história da vida do "cisne da avenida". Seu Blog chama-se "Bandeiras da Memória", vale a pena conferir é de arrepiar, emocionante demais.

  • Avatar
    30/01/2011 00:43:36Sayonara Barbosa PontesMembro SRZD desde 08/04/2009

    A demora valeu muito a pena, realmente este seminário deveria ter ocorrido para milhares de pessoas. Parabéns a FINEP e ao Fábio por terem esta brilhante iniciativa de homenagear as portas-bandeiras. O tempo foi pequeno para ouvirmos falar e conhecer um pouco mais daquelas que tanto nos emocionam com sua arte:dança da porta-bandeira. O passado e o presente, juntos para trazer muita emoção a todos que esteiveram presentes. Palavras são poucas e não conseguem expressar o significado do que foi aquelas horas. Somente as lágrimas e nossos aplausos podem traduzir o que foi compartilhar a sabedoria, vivência e digindade daquelas que são as verdadeiras rainhas da avenida. Obrigado por poder estar presente neste momento inesquecível para todos nós.

  • Avatar
    29/01/2011 19:16:36SávioMembro SRZD desde 11/01/2011

    Excelente iniciativa, trazendo essa mulheres fantásticas algumas que já honrarm os pavilhões de sua escolas como o caso de Dona Dodo, lenda viva do Carnaval carioca, Maria Helena, fabulosa porta-banderia, que sempre defendeu com galhardia o pavilhão da Imperatriz e hoje aquelas que nos dão o prazer de vê-las bailando divinamente como a Lucinha Nobre e a Selminha, mas acho que ficou faltando uma que poderia ter sido lembrada, pois foi e ainda é uma lenda viva entre as portas-bandeira a grande Wilma Nascimento o cisne da passarela.

  • Avatar
    29/01/2011 17:00:15Marlon SalgueiroMembro SRZD desde 15/01/2011

    Carlito BF, só pra deixar esclarecido a vc e outros participantes que talvez não saibam, Neide, Juju Maravilha e Dóris já são falecidas, mas escreveram o seu nome no mundo do samba e no carnaval. Além do mais, foram premiadíssimas com o Estandarte de Ouro e outros prêmios.

  • Avatar
    29/01/2011 16:09:08Lucas RenatoMembro SRZD desde 19/01/2011

    Adorei a matéria e gostei mais ainda da parte em que fala que a Lucinha Nobre diz: Conheci o amor na Mocidade, o respeito na Unidos da Tijuca e a emoção na Portela.

  • Avatar
    29/01/2011 11:35:37Show10Membro SRZD desde 16/09/2010

    Show de Bola esta homenagem.

  • Avatar
    29/01/2011 11:33:40Luis Carlos Magalhães de Souza RibeiroMembro SRZD desde 26/06/2009

    FABATATAÃ?O (tá vendo ? Você foi promovido!) Parabens rapá, eu sei que v. sofreu (emos) com a "poderosa" , mas foi mesmo uma grande noite. O vídeo que vocês produziram foi um furacão naquelas almas ali. Deu o "clima" para que tudo aquilo acontecesse da forma como aconteceu. Acho que todos nós, pelo menos ontem, vencemos uma batalha nessa guerra contra toda essa perfumaria do carnaval. Sinto ter que ter saído antes. Tinha um compromisso com o Carlos Monte e o Pero Ernesto no Bola Preta às 10;30. Quando eu iria supor que iriamos passar das 11 hs na Finep? Esse texto aí em baixo é do Alberto João. Separei p.q. ele é muito didático para representar tudo aquilo que aconteceu ali ontem. Pena que não coubessem 5000 pessoas naquele auditório. O Alberto ama o carnaval, mas tem uma visão jornalística. Quanto mais fatos, eventos...melhor. Nele convivem o folião e o profissional. Acho que ontem ele foi capturado, arrebatado, pela emoção. Fiquei feliz por isto. Por erle e por todos nós. CADA UM TEM O DIREITO DE TER SEU CARNAVAL. ALI ESTAVA O NOSSO. Parabéns a você e a toda sua turma aí. "A dama portelense ainda conserva o jeito do "eu falo mesmo", que faz uma falta enorme em toda sociedade brasileira e, principalmente, no carnaval, onde o mundo da aparência e do falso clamour esconde dramas e sobretudo falhas de caráter, momentos que beiram o bizarro, falta de criatividade e de quem vive em um tal "profissionalismo", que vira amador de tão deficiente que é" "Quem não compareceu no seminário perdeu um grande espetáculo. Sem carros alegóricos, fantasias, bateria e etc, mas com o fundamental que é o amor pelo carnaval e pelas escolas de samba. Um prato cheio para quem não acredita que é possível inovar e não perder a essência. A receita é só ouvir Dodô, Selminha Sorriso, Soninha, Lucinha Nobre e Maria Helena. Suas histórias são narradas com o sofrimento e luta. A recompensa não vem somen

  • Avatar
    29/01/2011 11:00:08Marlon SalgueiroMembro SRZD desde 15/01/2011

    O evento foi maravilhoso. Estive lá, encontrei amigos e conheci pessoas novas.Apoio esse tipo de iniciativa sempre. Foi pura emoção realmente. A Dodô será eterna, deu um show de lição de vida e amor pela bandeira da escola. Mas não devemos esquecer outros nomes que tem que fazer parte dessa galeria - a eterna Vilma, Neide e Mocinha , Rita , Juju Maravilha e Dóris.

  • Avatar
    29/01/2011 09:43:50Fabiano de Vila-ForteMembro SRZD desde 15/10/2009

    Parabéns! Ã?tima matéria. Elas são as verdadeiras joias do nosso carnaval. Saudações Portelenses!!

  • Avatar
    29/01/2011 08:36:54marcoMembro SRZD desde 03/08/2010

    Sem comentários...ELAS SÃ?O A PRÃ?PRIA HISTÃ?RIA DO CARNAVAL;

Comentar