SRZD


24/08/2011 12h39

Alunos da UFF em Niterói criam site para alertar sobre assaltos
Roberta Trajano

Alunos da Universidade Federal Fluminense (UFF) reclamam de constantes assaltos nos arredores da faculdade, em Niterói, Região Metropolitana do Rio. Para chamar a atenção das autoridades, um grupo de universitários criou o site crimes em Niterói para relatar as ocorrências.

Na última sexta-feira, um grupo de oito estudantes foi assaltado na saída do campus de Comunicação na rua Lara Vilela por dois bandidos que estavam de moto, um deles portava uma arma. A reação de seis alunos foi correr para se esconder. Outros dois, que ficaram na mira da arma, tiveram a bolsa, dinheiro e celulares roubados.

Leonardo Nascimento e Aline Bonatto prestaram queixa na 12º BPM (Niterói). Em entrevista ao SRZD, ele contou que os policiais na delegacia não demonstraram surpresa. Segundo o estudante, a situação é corriqueira na região e a rua tem uma iluminação precária.

A universitária Mariana Coutinho, que estava junto com o grupo, disse que, além dos alunos, professores e funcionários também já sofreram assaltos. Já houve até roubo de carro. "A insegurança é grande, alguns alunos não querem mais voltar à faculdade. Estamos com medo. Gostaríamos que isso fosse divulgado, porque nas ruas não há policiamento. Estudo a noite, precisamos de segurança no trajeto da faculdade. Há alguns meses um menino chegou a ser morto a tiros na praça da Cantareira. Isso não pode continuar assim", disse ela.

De acordo com a superintendente de Comunicação Social da UFF, Rosane Pires Fernandes, um folder sobre segurança chegou a ser criado para orientar os alunos. Ela informou que desde o ano passado a universidade tem uma parceria com o 12º BPM para coibir as ações dos criminosos. Segundo Rosane, policiais fazem ronda, mas o efetivo diminuiu bastante. "O coronel França disse que tinha mil soldados e atualmente ele tem 700 PMs para cobrir toda a região, inclusive Maricá. O reitor chegou a fazer um ofício solicitando ao governo que aumente o efetivo", informou ela.

Dentro do campus há uma empresa terceirizada responsável pela segurança. Rosane disse que eles têm ligação direta com a polícia. "A universidade faz o que pode para assessorar os alunos. Mas fora dos muros, não temos como controlar o que é da esfera municipal", esclareceu a funcionária da instituição.

Orientações do folder:

- Não reagir;
- Tentar recolher o máximo de informações para repassar à PM;
- Observar o tipo físico, vestimenta e se portava arma;
- Que direção o criminoso tomou na fuga;
- Se a ocorrência envolver veículo, anotar o número da placa.


Veja mais sobre:CrimeAssaltoUFF

Comentários
  • Avatar
    17/03/2012 09:07:37Leonardo SantosAnônimo

    Recomeçou o período letivo,recomeçaram os assaltos! 5 (CINCO) assaltos em uma semana!

  • Avatar
    12/12/2011 00:24:41Marcos AbraãoAnônimo

    Grande parte dos problemas de segurança dentro dos campi são estimulados por gente que trabalha e estuda no local. Uma parte da academia abomina qualquer espécie de controle de acesso, aliás, na UFF por exemplo, em alguns setores o termo 'vigilância' e 'controle' é quase um xingamento. Há forte ideologização e estes setores querem distância - por motivos conhecidos - da polícia nos campi. Chegam ao absurdo de propor que o policiamento deve ser feito por funcionário, ora, se nem guarda municipal é respeitado por bandido imagine funcionário?! Tudo é uma estratégia para terem uma 'repressão seletiva', ou seja, alguns crimes como o tráfico de drogas e contravenções como o uso aberto de drogas seriam liberados. Em outras palavras, apenas crimes corporativos seriam perdoados, por isso querem funcionários 'tomando conta' dos ambientes internos.

  • Avatar
    26/08/2011 10:19:06Paulo LopesAnônimo

    CONTINUAÃ?Ã?O : ...acesso ) e dos PMs , assaltam exatamente nos locais acima citados , longe da visão principalmente dos PMs . O site do Jornal "O FLUMINENSE" do dia 04/04/2011 relata a manchete : Bandejão da UFF no Gragoatá é invadido por criminosos armados ( por Karina Fernandes ) . Um pai aflito : minha filha tem 18 anos ( foi assaltada no Mergulhão no ano passado ) e cursa o 3°. período de História no Campus Gragoatá , das 14h às 18h na 2ª. feira e das 18 às 22h de 3ª. a 6ª.feira . Quando posso eu a acompanho , mas quem faz a universidade é ela ! Moramos em Jacarepaguá e em geral ela chega por volta da meia noite . Faltam "apenas" 993 dias para findar o curso ! DENUNCIE !!! Grato Rio de Janeiro 07 de abril de 2.011 Paulo Lopes

  • Avatar
    26/08/2011 10:11:17Paulo LopesAnônimo

    SOCORRO !!! Os alunos da UFF são assaltados recorrentemente nos dois lados da Baía da Guanabara. Vários alunos não completarâo seus cursos : alguns desistirão por medo constante e outros provavelmente perderão a vida ! Quando minha filha foi assaltada liguei para 190 e pedi o telefone do 13º. BPM , responsável pela área da Praça XV . Solicitei ao S-5 policiamento redobrado na área , o que ocorreu por algum tempo . Enviei o e-mail abaixo para a jornalista Lúcia Hippolito , âncora da Rádio CBN , enquanto comentava o assalto no bandejão do Campus Gragoatá . Bandejão da UFF no Gragoatá é invadido por criminosos armados | Jornal O Fluminenseâ? To: [email protected] Subject: Bandejão da UFF no Gragoatá é invadido por criminosos armados | Jornal O Fluminense Date: Thu, 7 Apr 2011 10:22:02 Lucia , A UFF em Niterói está desguarnecida : assaltos aos alunos e arrombamentos nos carros estacionados dentro do Campus . Os alunos são assaltados , também , no trajeto de ida/volta do campus até as barcas em Niterói , perto da Praça Araribóia e no Mergulhão da Praça XV junto do Terminal Rodoviário , perto do Tribunal de Justiça no Rio entre 21h e 23h . Quando os alunos perdem a barca das 22h (às vezes alguns professores encerram as aulas às 21h45) ficam esperando a barca das 22h30 ( que por ser grande em geral não enche ) , chegando às 23h na Praça XV . Após às 20h as Barcas S.A. colocam as barcas velhas que demoram cerca de 30 minutos no percurso e em geral têm problemas de manutenção , atrasando a conexão com os ônibus no Rio . Há a necessidade de maior frequência com as barcas menores , mais modernas e mais rápidas . São vários casos de assaltos na semana , nos dois lados da baía ! A PM , em geral , coloca uma viatura bem na saída das barcas na Praça XV , vísivel , mas no local errado . Os bandidos em virtude do grande fluxo de pessoas , seguranças das barcas ( esses não podem sair do acesso

  • Avatar
    25/08/2011 12:48:19paulo cezar magalhaes de almeidaAnônimo

    Somente a presença constante da PM pode evitar os assaltos. Não adianta rientações de "folder' pois jovens sem experiência nada podem fazer contra bandidos armados e sem nenhum escrúpulo em roupar e se preciso, matar. Ã? lamentável o abandono de estudantes que tanto estudaram para entrar na UFF e agora estão dispostos a sair, Só o policiamento ostensivo resolve. O fluminense de 25/02/2011 "UFF: policiamento vai ser reforçado na volta às aulas Instituição firmou parceria com a Polícia Militar para garantir segurança dos alunos e funcionários. Viaturas farão rondas no entorno dos campi e do Hospital Universitário" Cadê?

  • Avatar
    24/08/2011 13:46:38Ana Leticia de Moraes RibeiroMembro SRZD desde 24/01/2012

    Desculpa, mas falar é fácil... na hora, o reflexo é sair correndo! Eu fui quase assaltada... só não fui porque corri e o bandido estava desarmado. Agora, sobre o folder de segurança, nem os guardas dos institutos estão devidamente aparelhados. Na cartilha, fala que portariam um rádio para acionar a polícia em caso de assalto nos Institutos e no entorno. E aí, cadê? E ninguém ficou sabendo dessas orientações, pelo menos no Instituto de Arte e Comunicação Social, não.

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.