SRZD


10/11/2011 19h48

'Preferi que a sociedade se expressasse', diz Cabral sobre os royalties
Laura Machado

Em tom amistoso, o governador Sérgio Cabral agradeceu a participação de todos os setores da sociedade na passeata "Contra a injustiça - Em defesa do Rio", realizada no centro da cidade nesta quinta. Ele ainda ressaltou a confiança no veto da presidente Dilma Rousseff sobre a medida que legitima a redistribuição dos royalties do petróleo.

Foto: Laura Machado - SRZD

"Quando era candidata, a presidenta Dilma se comprometeu a não tornar essa medida válida, assim como fez o ex-presidente Lula. Ela deve vetar a proposta porque é democrática", ressaltou Cabral, que estimou o público do evento em 150 mil pessoas.

Durante a coletiva, o governador homenageou os três senadores que representam o Rio de Janeiro em Brasília. Francisco Dornelles, Marcelo Crivella e Lindberg Farias foram celebrados por Cabral pela atuação em defesa do Estado.

Cabral disse ainda que o Rio de Janeiro consegue sobreviver sem o dinheiro dos royalties. Porém, citou o exemplo de um suposto prejuízo nas contas do Estado. Segundo ele, dos R$ 8 bilhões destinados ao pagamento de aposentados e pensionistas, R$ 5 bilhões provêm da receita dos recursos oriundos da exploração do petróleo.

Indagado sobre a ausência de um discurso oficial próprio, o governador resumiu: "Preferi que a sociedade se expressasse. Da mesma forma como o presidente da Câmara dos Vereadores tem o plenário para discursar, a passeata foi o meio da população ter voz. É melhor ter um discurso da atriz Fernanda Montenegro do que a palavra de um político, já que ela representa a luta de outras classes".



Comentários
  • Avatar
    12/11/2011 01:36:04CarnafutMembro SRZD desde 20/04/2009

    Governador cad~e as obras que tú prometeu, só saiu sabe-se como o Arco e esse fiapo da Linha 4. o resto cadê?

  • Avatar
    11/11/2011 23:09:16AneAnônimo

    hahahahaha!!! Sérgio canalha Cabral não discursou com medo das vais! Ele é tão mimado, inseguro e mané que seu ego não pode superar a contrariedade de ser vaiado pelo público! não vejo a hora desse perseguidor de trabalhadores sumir do Rio de Janeiro!

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.