SRZD


04/10/2008 16h45

Duque de Caxias precisa do Marrentão para subir
Redação SRZD

Depois de contrariar as expectativas de todos ao eliminar times como Paulista e Guaratinguetá-SP e chegar ao octogonal final, o Duque de Caxias se vê em plenas condições de subir para a Série B logo no seu ano de estréia em competições nacionais. Para isso, precisará, mais do que nunca, contar com o grande aliado do time durante todo o campeonato: o estádio Romário de Souza Faria, que foi liberado pelo Corpo de Bombeiros, mas não será o palco de estréia do Tricolor na fase final, já não houve tempo hábil para o repasse dos documentos para a CBF.

 

O "Marrentão", como é conhecido, é palco sete das nove vitórias do clube na competição, e o Duque ainda não foi derrotado em Xerém. O estádio é alvo de duras críticas dos adversários por ser muito pequeno, ter um gramado ruim e a torcida ficar praticamente dentro de campo. Fora de casa, o desempenho tricolor é preocupante, e a equipe só venceu Boavista, em Saquarema, e o Mixto-MT, o time mais fraco enfrentado pelo Tricolor em toda a Série C.

 

Numa chave formada com tanto equilíbrio e com times de campanhas tão parecidas, o fator casa pode ser um diferencial, mas não será tudo. Apesar de 21 pontos serem disputados no Rio de Janeiro, o quarto colocado de 2007, o ABC-RN, subiu com 23. Portanto, para a torcida comemorar um histórico acesso, a conta é lógica, mas tem de ser lembrada: é fazer a diferença ao lado da torcida e conquistar pontos fora, para, finalmente, o Rio de Janeiro ter um representante na Série B.

 

Estádio

 

Nome: Romário de Souza Faria, o ''Marrentão'' (Complexo Esportivo Parque Tamoio)

 

Capacidade: 10 mil pessoas

 

O Estádio Romário de Souza Faria, conhecido como Marrentão, em alusão ao atacante que dá nome ao local, pertence à prefeitura de Duque de Caxias, e é considerado por muitos o grande motivo da classificação do Duque ao octogonal.

 

Longe de ter a estrutura ideal, o Marrentão é acanhado e a torcida, separada do campo de jogo por um simples alambrado, pressiona os adversários durante toda a partida. O campo ruim favorece os jogadores do Tricolor, que já estão acostumados ao local. É certeza de mais reclamações dos adversários, principalmente se saírem de Xerém derrotados.

 

Campanha

 

18 jogos; 9 vitórias, 2 empates e 6 derrotas

 

27 gols pró e 24 gols contra

 

Em casa: 7 vitórias e 2 empates/ 20 gols pró e 9 gols contra

 

Fora de casa: 2 vitórias, 1 empate e 6 derrotas / 7 gols pró e 15 gols contra

 

Destaque: Edivaldo

 

O nome pode até parecer óbvio, por ser o jogador mais experiente do elenco, mas Edivaldo foi mais do que decisivo na campanha do Duque de Caxias na Série C, principalmente na reta final. Após passar a primeira fase toda em branco, o atacante de 34 anos já marcou 10 gols em 11 jogos e, ao lado de Dudu, que tem sete, é a grande esperança do Tricolor para subir de divisão.

 

Time base

 

Borges; Douglas Silva, Tinoco, Tica, Cléber e Alan; Leandro, Renatinho e Geovani; Dudu e Edivaldo. Técnico: Marcelo Buarque.

 


Veja mais sobre:Judas Priest

Comentários
  • Avatar
    29/04/2009 02:00:25diego benicioMembro SRZD desde 18/03/2014

    Vocês tem certeza que o marrentao ainda é de propriedade da prefeitura de caxias?

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.