SRZD


03/03/2013 11h06

Soham Jñana conta como chegou a descobertas polêmicas sobre Jesus
Gustavo Ribeiro

Foto: Divulgação

O entrevistado especial do SRZD neste domingo é o filósofo português que bateu de frente com os dogmas do Cristianismo e tornou-se alvo de críticas da Igreja Católica por fazer afirmações polêmicas sobre a vida de Jesus Cristo. Soham Jñana, hoje aos 53 anos, nasceu em Portugal, estudou na França e cruzou 22 países ao longo da vida, onde já reuniu mais de 150 revelações sobre a vida de um dos homens mais importantes da história da humanidade. Confira abaixo a entrevista:

De que fontes de pesquisa você fez uso para criar a série "Jesus, a trilogia - a semente, a árvore e o fruto"?

Um pouco mais de trezentos livros e uma centena de textos, artigos e palestras, sendo que todos esses livros e textos estão referenciados no site da obra no link "Bibliografia". Ainda assim diria que todos esses livros nada mais contribuíram senão para cerca de 30% da informação recolhida (depois de devidamente selecionada e verificada). A maioria da informação resulta do questionamento da Bíblia e, através desse questionamento, de uma releitura dessa mesma Bíblia, livre de paradigmas doutrinais ou de fé.

Qual é a relação estabelecida entre a semente, a árvore e o fruto? O que significam?

A Semente relata, em dois volumes ("De Eva a Maria" e "O contexto social e espiritual"), a verdadeira história da origem do judaísmo até o contexto social e espiritual da época de Jesus. A Árvore relata, em dois volumes ("Da concepção ao batismo" e "Do deserto à cruz"), a vida e morte do Jesus histórico. Digo bem histórico e não o da fé, já que esse nada ou muito pouco tem de histórico e real. O Fruto relata, em três volumes ("De uma cruz à outra", "Da Era do Filho à Era do Espírito Santo" e "O tempo daquele que volta"), tudo o que ocorreu depois da morte de Jesus até aos nossos dias, quanto à sua autêntica mensagem espiritual aparentemente desaparecida nas áreas da história e do tempo até seu recente ressurgimento, e como o cristianismo usurpou a vida e mensagem desse homem para alimentar uma religião que nada tem a ver com ele ou sua mensagem, mas sim com a doutrina e o pensamento de Paulo.

A obra é dividida por temas ou momentos da vida de Jesus?

É dividida pelo natural decorrer do tempo histórico em torno do tema principal que é a vida, morte e mensagem do Jesus histórico.

De que trata o livro "Da concepção ao batismo" e que principais descobertas ele apresenta?

Foto: DivulgaçãoComo seu nome o indica, este livro trata da concepção, nascimento, infância, juventude e adultidade de Jesus até seu batismo por João. Tudo o que nos chegou até hoje sobre esta face oculta da vida de Jesus são mitos e relatos geralmente tendenciosos e repletos de incoerências, contradições e discrepâncias, quase todas inconciliáveis.

Os relatos que faço sobre esse período da vida de Jesus referem algumas personagens e ocorrências históricas que, de certa forma, não deixaram, mesmo que indiretamente, de influenciar o enredo da própria vida de Jesus e do povo do qual ele fazia parte. Pois, não podemos falar da vida do Jesus histórico como se tivesse ocorrido numa redoma de vidro alheia à realidade envolvente.

Revelo quem foi o pai biológico de Jesus e qual foi sua vida neste período em que Jesus foi criado por José, o que ocorreu com Maria e Jesus depois da morte de José e quem foi o pai de seus irmãos.

Explico e demonstro quem foram os professores de Jesus e em que medida eles influenciaram a sua mensagem espiritual. Explico por que Jesus, com apenas 21 anos de idade, teve que assumir a responsabilidade de sua família (mãe, quatro irmãos e duas irmãs). Creio também que todo o leitor vibrará com o relato do Chamado Divino de Jesus e também o de João. Também nessa parte da obra dou a conhecer, com base no que a própria Bíblia nos permite perceber, como tudo começou entre Jesus e Maria Madalena.

Com que provas ou indícios você teve contato ao afirmar que Maria foi fecundada por um homem e que Jesus foi casado, ao contrário do que prega a Bíblia?

Não vejo a Bíblia como sendo um livro que prega seja o que for, vejo-a como um livro para interrogar. Quem faz desse livro uma leitura literal ou submetida a paradigmas de fé é que faz desse livro um livro de pregação.

A maioria das provas está na própria Bíblia, provas confirmadas e amparadas pelos relatos dos acontecimentos históricos da época, por sua vez comprovados por achados arqueológicos e ainda pela tradição tanto dos antigos judeus que chegou até nós como pelos relatos dos próprios pais da igreja católica.

Os indícios de quem poderia ser o pai constam da tradição dos antigos judeus, tradição essa que agregou alguns erros, mas os quais podem ser desfeitos quando esses elementos são cruzados com anais da história da época e recentes achados arqueológicos, sendo então o que daí resulta confrontado com os textos dos próprios evangelhos, particularmente o de João que, seguindo esse método de reconstituição, acaba por, ele também, confirmar essa afiliação.

É difícil de explicar mais além em poucas linhas algo que necessitou do apuramento e cruzamento de inúmeras ocorrências históricas devidamente comprovadas para se chegar a um resultado preciso. O leitor que percorrer o conjunto de fatos relatados no livro "Da concepção ao batismo" se deparará com todos esses elementos que soltos e isoladamente nada dizem, mas que juntos desenham uma realidade que dificilmente pode ser negada.

Que outras constatações você pôde observar diferentes do que é apresentado na Bíblia?

Elas são inúmeras, creio que mais de 150 revelações inéditas, mais ainda assim não diria que diferentes do que apresentado na Bíblia, mas sim nos apresentando um novo olhar sobre elementos de prova que sempre estiveram diante de nossos olhos e que nossos paradigmas de leitura e de aproximação aos seus textos nos impediam de ver.

Foto: Reprodução de Internet

Afirmar que Jesus pertencia à classe média alta praticamente desfaz a mensagem católica de que o Messias nasceu em uma manjedoura para se colocar no lugar dos desvalidos. O seu objetivo é derrubar as teses da Igreja Católica?

Se o relato da verdade derrubar alguma mentira é algo que me transcende, meu objetivo não é derrubar nada nem ninguém, apenas permitir que a verdade seja reposta acerca de um homem que morreu crucificado no ano 36 EC, com 39 anos de idade, em consequência de um falso testemunho proferido por alguém que continua, até hoje, acima de toda a suspeita e tem se beneficiado de seu crime. Crime que teria sido perfeito não fosse, ainda que tardiamente, ter sido desmascarado como o faz esta série no volume "Do deserto à cruz" e "De uma cruz à outra".

Você é ou já foi adepto de alguma religião? Tem algum tipo de crença no Divino?

Não sou - nem nunca fui - membro ou crente de qualquer religião, dogma, credo, crença ou fé.

Não tenho nenhum tipo de crença no Divino, só mesmo certezas no Divino adquiridas por demonstração e vivência.

Já recebeu críticas por parte de grupos religiosos devido aos temas abordados em seus livros?

Já me trataram de filho de chocadeira e de anticristo, não sei se isso serve como crítica. Não ligo a opiniões e juízos não fundamentados em fatos arrazoados, cada um é livre de não pensar e julgar ou de pensar e não julgar.

Que tipo de público você acha que consegue atingir em maior escala - o religioso ou o ateu?

Os livres-pensadores e os buscadores sinceros da verdade.

Até quando dura sua passagem pelo Brasil? Em que outros países tem livros publicados?

Até 2014, ou seja, o tempo de lançar no Brasil os sete livros da obra, o que deverá ocorrer conforme o calendário apresentado para cada livro no site da obra. No estrangeiro apenas prefaciei "O Livro de Henoch" que foi editado em Portugal quando ainda realizava minhas pesquisas para esta obra, que perduraram por sete anos.

Ainda existem revelações a serem feitas sobre Jesus Cristo em um próximo livro?

Sim, nos livros "Do deserto à cruz", "De uma Cruz à outra", "Da Era do Filho à Era do Espirito Santo" e "O tempo daquele que volta".


Veja mais sobre:Igreja Católica

Comentários
  • Avatar
    03/05/2013 10:02:18PAPA BOCAGE 24Anônimo

    Ã? época do tal jesus, mais de uma centena iguais a ele perambulavam pela Palestina e adjacências com as mesmas falácias.........

  • Avatar
    29/04/2013 21:30:47JPAnônimo

    Mais um revelador. São centenas deles! Cada com sua "verdade". Vai vender livros, gerar polemicas, etc. Sem credibilidade!

  • Avatar
    19/03/2013 08:22:32MESAQUE BOTELHO JUNIORAnônimo

    Eu acho que as respostas foram colocadas em perguntas erradas. Ele tem dificuldade de responder as perguntas...

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.