SRZD


13/10/2008 21h28

Milan Kundera delatou um estudante à polícia comunista?
Redação SRZD

O famoso escritor Milan Kundera denunciou em 1950 um estudante à polícia comunista tchecoeslovaca, o que provocou a condenação de 22 anos de prisão para o jovem, de acordo com a revista Respekt em sua edição desta segunda-feira (13).

A publicação explica que Kundera foi a pessoa que informou à polícia que Miroslav Dvoracek havia mantido contatos com os serviços de inteligência ocidentais.

Como conseqüência da declaração, o jovem foi preso e condenado à pena de morte, até que se cumpriu 22 anos de prisão e trabalhos forçados. Dvoracek, que atualmente vive na Suécia, acreditava que  uma jovem namorada da época  tivesse sido a responsável por sua prisão. 

Kundera, que nasceu na República Tcheca (então Tchecoslováquia) em 1929, se afiliou, no fim da Segunda Guerra Mundial, ao Partido Comunista, e foi expulso em 1948. Apesar da militância, o escritor foi sempre um crítico mordaz do socialismo.

Sua principal obra, A Insustentável Leveza do Ser, se converteu em uma importante referência sobre a dissidência na Europa Oriental durante a Guerra Fria. Desde 1975, reside na França, país de onde adquiriu sua nacionalidade.


Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.