SRZD


30/09/2013 17h34

Audáxia bate Estudiantes e se consagra Campeão da Liga Prata
Rafael Lemme

hhhj

Nesse 29 de setembro de 2013, duas equipes novatas na Copa Campus entraram para decidir o título da Liga Prata. Os "argentinos" do Audáxia, vindo de uma campanha quase perfeita, com apenas um empate e várias goleadas, chegando a impressionantes 62 gols na fase de grupos e os guerreiros do Estudiantes, que lutaram bravamente para realizar a segunda melhor campanha da competição e mais duas vitórias apertadas no mata-mata, enfrentando contusões, expulsões e times muito duros até chegar à final.

Os dois times entraram com força máxima: Nesc, Gustavo, Henrique, Simaan, Antoniazzi, Rapha e Daniel Dias pelo Audáxia e João, Raian, Vitor, Mário, Roni, Vitor Abreu e Hosken.

O Audáxia começou tomando a iniciativa do jogo, mostrando porque era o favorito no confronto e, já aos 15 segundos, assustou em chute forte de Antoniazzi. O time manteve a forte marcação no campo do adversário nos primeiros minutos, valendo-se do seu preparo físico. Esse sufoco obrigou o goleiro João a fazer importantes defesas em mais dois chutes de Antoniazzi e outros três de Simaan, Henrique e Daniel Dias e em 4 minutos um dos mais antigos ditados do futebol entrou em ação: "quem não faz leva". O artilheiro e craque do time Vitor Abreu fez grande jogada individual pela direita e cruzou rasteiro para encontrar Hosken fechando na 2ª trave com o trabalho apenas de empurrar para as redes e abrir o placar, animando os historiadores do Estudiantes.

jjjkkk

O gol não assustou o Audáxia, que manteve seu ritmo de jogo e levou apenas 4 minutos para empatar, com Daniel Dias desviando quase em cima da linha chute de Rapha, 1 a 1. Era o empate não só do Audáxia, mas também de Daniel na artilharia da competição.

O Estudiantes, porém, parecia muito bem preparado para essa difícil final e foi o primeiro a criar uma boa oportunidade após o gol de Daniel, em chute forte de Roni após a sobra fora da área, obrigando a primeira defesa do goleiro Nesc. Aos 12, resposta do Audáxia em mais uma jogada entre Rapha e Daniel Dias e mais uma boa defesa do goleiro João.

Nesse momento, a marcação pressão e o sufoco impostos pelo Audáxia no início já não eram tão grandes e o jogo tornou-se muito equilibrado e truncado, com algumas faltas e alguns chutes de longe de Raian, Roni e Vitor Abreu pelo Estudiantes e Antoniazzi e Molinari pelo Audáxia. No toque de bola o Audáxia sentia dificuldades de entrar na zaga comandada pelo capitão Raian, que esteve muito seguro durante todo o jogo, ao lado de Vítor. A defesa do Audáxia, liderada por Gustavo, também mostrou a consistência da melhor defesa do campeonato com impressionantes 8 gols sofridos apenas, média inferior a 1 por partida, e dificultava as ações do adversário. Pelo lado do Estudiantes, poucas trocas foram realizadas durante o primeiro tempo e a tônica era a movimentação de Mário, Roni e Vitor Abreu, que começou a aparecer mais para o jogo e a incomodar o Audáxia, que mudou algumas peças importantes e começou a ter em Molinari o elemento mais participativo e centralizador do jogo.

nnnm

Com isso, apenas aos 21 minutos ouviu-se vibração da torcida que enchia a arquibancada atrás do gol de Nesc. Após jogada pela esquerda, João saiu para abafar o lance e foi obrigado a tocar com a mão fora da área. Falta para o Audáxia e cartão amarelo para o arqueiro de história, que teve que ser substituído por 2 minutos por Freitas, que já entrou numa fogueira. O time "argentino" aproveitou o momento de fragilidade do adversário para virar o jogo na cobrança da falta, com Vini rolando para Simaan, dentro da área, mandar para o fundo das redes: 2 a 1.

nnnmj

Mais uma vez o Estudiantes mostrou a luta, a garra e a força de vontade que o levaram até essa decisão, mantendo os nervos controlados e o jogo equilibrado até o final do primeiro tempo. Ainda teve tempo para Vitor Abreu obrigar Nesc a fazer uma boa defesa após falta cometida em Mário, que fazia grande jogada individual. Fim dos primeiros 25 minutos e grande expectativa para o retorno dos times, que prometiam encerrar com chave de ouro a Liga Prata de 2013.

Com as mesmas formações do primeiro tempo, o jogo recomeçou equilibrado, com Antoniazzi batendo falta cruzada que Vini quase conseguiu completar para as redes, ainda com menos de 1 minuto. Aliás, o camisa 4 do Audáxia, se não marcou gols e deu assistências como de costume, foi o mesmo jogador efetivo e de grande fôlego de toda a competição, ajudando muito a marcação no meio e chegando com perigo ao ataque, abusando do seu chute forte de fora da área. Nos dois minutos seguintes, Roni e Hosken arriscaram dois chutes sem muito perigo ao gol de Nesc, mas mostraram que o Estudiantes seguia vivo no jogo e buscava levar a decisão para os pênaltis.

Porém, apesar do equilíbrio, foi o Audáxia que criou mais nos minutos seguintes, pelos pés de Vini e Rapha. Aos 4, eles tabelaram pela esquerda e chegaram com perigo, exigindo grande intervenção de João. Em seguida arriscaram dois chutes para o gol, incomodando o goleiro de história. Até que aos 6', Rapha, que participou muito bem do jogo, como já havia feito durante todo o campeonato, dominou a bola com categoria e arriscou para o gol. João fez grande defesa e salvou o Estudiantes, mas nada pôde fazer no rebote, quando Simaan completou para o gol, 3 a 1.

O gol sofrido foi um duro golpe para as intenções do Estudiantes, mas eles mantiveram a vontade de sempre, não deixando o Audáxia, que era mais perigoso, tomar conta do jogo. A vontade de vencer era tão grande que o time começou a abusar das faltas e em mais uma cometida por Mário, Daniel Dias levantou na área e Simaan, sempre perigoso em suas subidas ao ataque, exigiu mais uma grande intervenção do goleiro João. Aos 12 minutos, o Estudiantes, que não chegava desde o início da segunda etapa, incomodou em tabela entre Raian e Vitor Abreu. Porém parece que o lance acordou o artilheiro Daniel Dias, que queria se isolar na artilharia do campeonato. Aos 13' e aos 14', o camisa 22 do Audáxia perdeu duas chances, com duas boas intervenções do goleiro João, uma cara a cara e outra após jogada individual do atacante.

hhhj

Lá atrás, Raian e Gustavo continuavam firmes e seguros, mas aos 16 minutos, depois de saída errada da zaga do Estudiantes, Molinari levou perigo duas vezes ao gol adversário, quase ampliando o placar. Sem se entregar, o Estudiantes voltou a chegar com perigo aos 19', em tabela entre Vitor Abreu e Lucas, com o primeiro batendo cruzado rente à trave do goleiro Nesc. O jogo encaminhava-se para o fim, mas, apesar da superioridade do Audáxia, o Estudiantes mantinha-se vivo no jogo, buscando o gol que poria fogo na partida e brigando muito por cada bola. Um dos principais guerreiros nessa luta era Mário, que exagerou na vontade e aos 20 minutos chegou à marca de 5 faltas individuais, sendo excluído do jogo e deixando o time pendurado também com 5 faltas. E foi assim que o Audáxia criou suas últimas oportunidades no jogo. Aos 21 minutos, Rodrigo fez falta em Daniel Dias e ele próprio pegou a bola para bater o shoot out. Porém, o artilheiro da liga prata 2013 carregou demais a bola e permitiu grande defesa de João. No rebote, o Estudiantes armou o contra ataque, puxado por Vitor Abreu, que em tabela com Raian fechou em alta velocidade e quase conseguiu completar para o gol. O lance animou o time, que chegou mais uma vez já aos 24' em escanteio batido por Vitor para Raian mandar para fora. Foi o último suspiro do Estudiantes, que ainda viu Molinari quase ampliar e deu mais uma chance de shoot out, em falta de Roni em Daniel Dias, que outra vez carregou a bola para grande defesa de João, mas não importava mais, porque soou o apito final do jogo, decretando o título do Audáxia e a artilharia compartilhada entre Daniel Dias e Vitor Abreu, dois dos protagonistas dessa Liga Prata 2013.

CONFIRA AS FOTOS DA PARTIDA

hhhjjj