SRZD



Hélio Ricardo Rainho/Carnaval

Hélio Ricardo Rainho/Carnaval

CARNAVAL. Profissional de Comunicação e Marketing, Hélio Rainho veio do teatro, sendo ator e diretor profissional. Autor da biografia do jogador Mauro Galvão e de várias peças teatrais. Nascido na Praça XI, chegou à Portela como jovem compositor nos anos 80 e passou a pesquisar escolas de samba e Carnaval. Idealizador do projeto "Quem És Tu, Passista?", um manifesto pela preservação do segmento, é padrinho dos passistas do Império Serrano e comentarista dos desfiles na Sapucaí. Twitter/Instagram: @hrainho.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



16/11/2013 09h49

Carnavalescos ou Comissão de Carnaval?
Hélio Ricardo Rainho

Fotos: Reprodução de Internet

A figura do carnavalesco, dentro dos desfiles de escola de samba, tem sua origem histórica no carnaval de 1935, quando Antonio Caetano criou para a pioneiríssima Portela uma alegoria que ilustrava o enredo "O Samba Dominando o Mundo". O carro exibia uma baiana repousando sobre um globo terrestre giratório. O grupo que realizou o trabalho com o carnavalesco Antônio Caetano tinha ainda Candinho, Juca, Lino Manoel dos Reis e Arlindo Costa, referidos no texto de pesquisa como "a afinada equipe de barracão" (fonte: site Portela Web - www.portelaweb.com.br)

O que vemos nessa informação é que, desde a sua origem, o carnavalesco já trabalhava com uma equipe criativa. Ou seja, não obstante ser o idealizador/mentor de um projeto, tinha outros assessores ou cooperadores a ajudá-lo no exercício de sua função. E isso perdurou durante anos e anos, passando pela fase de afirmação propriamente dita do carnavalesco como profissional a partir de Fernando Pamplona e Arlindo Rodrigues, à consagração de artistas autorais como Joãosinho Trinta e Fernando Pinto, passando pela era dos carnavalescos midiaticamente consagrados como Max Lopes, Rosa Magalhães, Alexandre Louzada, Renato Lage e, numa época mais recente, Paulo Barros. Todos com equipes e grupos de trabalho, porém assinando individualmente suas obras como autores.

Viajando 78 anos da origem histórica das alegorias, vemos, neste milênio, algumas escolas trabalhando com um conceito recente; assim por dizer, "novo". Em lugar de carnavalescos, trabalham com grupos não-autorais, no sentido de não assinarem seus nomes numa criação conjunta, mas apresentando-se como as chamadas "comissões de carnaval". No que me recordo, foi a Beija-Flor quem cunhou esse modelo (como as outras escolas adoram seguir o "modelo Beija-Flor", achando que pra ganhar carnaval da escola de Nilópolis é preciso ser seu clone!!!). Com a morte de Joãosinho Trinta, que era a identidade da escola, a Beija-Flor preferiu apostar em um modelo misto de criadores do que associar seu nome a um novo conceito estético - o que muito provavelmente aconteceria se outro carnavalesco trouxesse seu trabalho autoral para a escola.

Como não analiso desfiles necessariamente por títulos conquistados (considero outros fatores mais relevantes, porque "cabeça de jurado é terra que ninguém pisa"), atrevo-me a opinar e a dizer que, no decorrer dos anos, a maior parte das vezes em que se ouviu falar em "comissão de carnaval" foi um arremedo de discurso para justificar a não contratação de um profissional qualificado, competente e capaz de centralizar as decisões em torno de um projeto criativo. Se a Beija-Flor estruturou-se para isso a princípio (e, em minha franca opinião, seu trabalho plástico vem demonstrando visível queda de qualidade ano após ano, mesmo em seu mais recente campeonato), as "copiadoras" parecem usar dessa estratégia muito mais como tapa-buraco do que propriamente como recurso.

Acabamos de descobrir que a Vila Isabel, valorosa campeã atual, perdeu seu carnavalesco faltando quatro meses para o desfile e que, convicta de seu trabalho, dará sustentação a seu enredo por meio de uma "comissão de carnaval". A Vila fica sem Cid Carvalho, um carnavalesco solo oriundo de uma comissão de carnaval da Beija-Flor. Ele saiu e deixou um projeto pronto na Vila. A ser executado, agora, por sua comissão. Ou pela comissão que acaba de ser criada, que pode não ser necessariamente a equipe com que ele contava. Pelo que lemos, trata-se de uma estrutura interna de profissionais da escola. Alguém vai continuar o trabalho de outrem.

Em particular, penso que a dimensão requerida pelo atual modelo espetacular das escolas de samba envolve, sim, cada vez mais necessidade de gente criando, pensando, arte-finalizando. Uma comissão é importante? Sim, é. Mas como apoio. Precisa de muita gente, sim. Mas, talvez exatamente por isso, precisa de uma cabeça única e pensante, uma mente criativa que considere todas as nuances, os desdobramentos, concentrando e mantendo a linha de desenvolvimento e a coerência plástica, executando um trabalho com linearidade artística.

Pensando sobre a questão, tomo por referência quatro carnavalescos de uma "safra" mais recente do sambódromo. O requinte exacerbado com que Paulo Menezes apresenta seu estilo barroco e suas linhas de enredos, como fez no "Império do Divino" e na Porto da Pedra falando de Maria Clara Machado (sem considerar, é claro, os martírios que passou numa Portela abandonada no barracão pelo ex-presidente) ; a plasticidade extraordinária e o acabamento indefectível de Alex de Souza (a meu ver, o carnavalesco que mais evolui no cenário atual, de um perfeccionismo e um bom gosto incríveis, um esteta!), a grandeza e a técnica com que Jayme Cesário concebe seus projetos (o fracasso temático do enredo forçado sobre o iogurte, uma imposição, teve desse artista um trabalho plástico louvável, irrepreensível); o belíssimo trabalho de Cahê Rodrigues que "despertou" a Imperatriz num dos desfiles mais emocionantes deste ano. Trabalhos com marca autoral, concebidos de ponta a ponta, nitidamente por mentes que acompanharam, como diretores artísticos (e tem que ser artista, não adianta ser diretor de outra coisa pra exercer tal função) toda a execução.

Sou reticente. Não vejo nessas "comissões de carnaval" a mesma produtividade e o mesmo cuidado estético de um investimento num carnavalesco responsável por uma linha de trabalho. Lá atrás, no distante dezembro de 87, o carnavalesco Fernando Pinto morreu em um trágico acidente de automóvel dois meses antes da Mocidade Independente levar para a avenida seu enredo "Beijim, Beijim, Bye Bye Brazil" em 88. O projeto praticamente pronto, tendo um peso de assinatura com aquele quilate de Fernando. Ainda assim, a escola teve grande dificuldade de executar o que faltava com a sua...comissão de carnaval.

Não é fácil. Um carnavalesco é uma pessoa, não é um grupo de idealizadores diluídos em uma comissão, penso eu, sem nenhum demérito e com todo respeito aos resignados profissionais que assim atuam. O trabalho é conjunto, mas alguém precisa ter a linearidade e a coerência na cabeça. É o diretor geral do espetáculo. Onde tem muita opinião, tem muita divagação. Já vimos casos recentes de parcerias: Alex de Souza e Paulo Barros, Marcia Lávia e Renato Lage, Cahê Rodrigues e Mário Monteiro, por exemplo. Mas sempre de carnavalescos autorais, combinando singularidades. Plasticamente, tem assinatura. Me corrijam se eu estiver errado ou se isso é em mim um sentimento peculiar, mas o princípio da comissão de carnaval me sugere ou pretensão demasiada ("a gente aqui sabe fazer, não precisa de carnavalesco") ou contenção de despesas maquiada com um discurso de auto-suficiência.

Em outras situações, é a solução recorrente para uma perda de carnavalesco inesperada. O caso recente da Vila Isabel. Que me soa bastante preocupante. Penso que o carnavalesco que deixou a escola não tem exatamente um peso autoral, o que possibilitaria aos seus "sucessores" ter uma linha de trabalho pautada para uma linearidade. Ainda que tivesse, voltaria àquele exemplo do "autoralíssimo" Fernando Pinto, quando nem a linha de trabalho foi suficiente para evitar desníveis na execução com a ausência do idealizador inicial de todo o projeto.

Carnaval se faz no barracão e se mostra na avenida. Claro. O trabalho final é o que importa. E toda regra tem a sua exceção. O que eu acredito é que, numa lógica de competitividade tão acirrada como se transformou o desfile das escolas de samba, apostar na exceção é uma linha muito tênue entre a ousadia e o risco. Um trabalho bem planejado precisa ter começo, meio e fim. Nesse caso, não acho que várias cabeças possam pensar melhor do que uma.

Facebook Hélio Ricardo Rainho
Twitter @hrainho


Veja mais sobre:Carnaval 2014

Comentários
  • Avatar
    09/06/2014 20:29:03CarnafutMembro SRZD desde 20/04/2009

    Ã? óbvio que nenhum carnavalesco trabalha sozinho e além do mais tem vários assistentes e só ver nesse carnaval 2015 a Unidos da Tijuca, que ao invés de trazer um único carnavalesco preferiu a Comissão de Carnaval, com os ex-assistentes do Paulo Barros, que já atuaram em comissões de carnaval no grupo de acesso e até tem uma certa noção de como se desenvolver em comissão.

  • Avatar
    24/11/2013 10:25:46Duquesa Dholores: a nobreza da favela em pessoa!Membro SRZD desde 18/10/2010

    Além dessa impostura mercenária dita carnavalesca destruir o carnaval com essa modalidade piniqueira de fazer "desfile", que transformou a avenida num otdor raparigueiro, temos que aguentar esse povinho tendencioso vomitar suas verborrogias. A piniqueira é inatingível. Não erra nunca. Ã? modelo a ser seguido... sei! Se tudo isso for verdade, pare o mundo do samba que eu quero descer! Ninguém pode apontar qualquer defeito, por menor que seje, e é bosta pra tudo que é lado. Já conhecemos as Brancas de Neve e o produto intestinal que sai da mente delas. Quanto a sugestão do médico Tedy sobre Hipoglós, obrigadinha pela receita. Já que o senhor me receitou, com certeza serviu e serve como remédio pra sua excelência e o seu arregalado terceiro olhinho. Abracinho ao senhor Almir, baluarte desse espaço e a todos os lúcidos bambas. E aos bambos... VTNC! pra não perder o costume, né?!

  • Avatar
    21/11/2013 17:54:52Andre MachadoMembro SRZD desde 22/12/2012

    HÃ?LIO RICARDO RAINHO...SEMPRE MUITO BOM EM SEUS COMENTÁRIOS (LÃ?GICOS E PERTINENTES)...COMENTARISTAS E CRÍTICOS COMO VC ESTÃ?O EM FALTA NO CARNAVAL..O QUE VEMOS E OUVIMOS NAS TRANSMISSÃ?ES (PARA NÃ?O AGREDIR O EGO DE DIRETORES, COMPONENTES E AMANTES DE ESCOLA DE SAMBA), SÃ? OCASIONA A FALTA DE OUSADIA E DE MUDANÃ?AS NA PLASTICA DOS DESFILES, RESULTADO: TUDO ESTA LINDO E PERFEITO!...CRITICAS AS VEZES Ã? COMO REMÃ?DIO AMARGO...DESCE RUIM, POREM Ã? NECESSÁRIO PARA NOSSA MELHORA!!.....SHOW! AINDA NÃ?O TIVE O PRAZER DE TE CONHECER... MAS DESDE JA VAI AQUI O MEU RESPEITO!ANDRÃ? MACHADO (CARNAVALESCO DA PEROLA NEGRA DE SP)

  • Avatar
    21/11/2013 16:16:52TedyMembro SRZD desde 12/04/2012

    Caro Verde Rosa Ft, ... Não há nenhum problema em aceitar as opiniões alheias, desde que elas não venham acompanhadas de coisas inventadas, como no caso dessa coluna. Eu também estou cada vez debatendo e escrevendo menos por aqui, mas por motivos diferentes. ... Esse site vive de publicar matérias atrasadas, só pra ter uma ideia as Fantasias do Salgueiro apareceram no Carnavalesco, e só apareceram nesse site 02 semanas depois (e ainda dão como se fosse notícia nova). ... E com essas â??mudançasâ? na Vila Isabel, lá no Carnavalesco os colunistas fizeram colunas inteligentes falando da falta de respeito com os profissionais de Carnaval, em referência ao Cid Carvalho que não recebeu pelo seu trabalho. ... Já aqui nesse site, o colunista aproveita a ocasião para inventar fatos que não tem nada a ver com o assunto, que é a Vila Isabel e o Cid Carvalho. ... Pois dá muito mais audiência alfinetar a Beija-Flor, que não tem nada a ver com o assunto, do que falar da verdadeira pauta em questão; que é a falta de respeito que tiveram com o profissional Cid Carvalho. .... Também me espanta, depois de você reclamar das â??colocações infantis e desnecessáriasâ?, no final do seu comentário mandar um abraço pra â??maravilhosa Duquesaâ? (você tem liberdade pra mandar abraço pra quem você quiser), mas é no mínimo irônico você reclamar de â??comentários infantis e desnecessáriosâ?, e depois chamar de â??maravilhosaâ? uma pessoa que só trata uma escola por â??besta-feraâ?, â??piniqueiraâ?, ou outros â??adjetivosâ? super â??simpáticosâ?. ... O colunista pode não gostar do trabalho da Beija-Flor (cada um tem seu gosto), ele pode até não gostar da Comissão de Carnaval, agora inventar coisas e achar que as pessoas vão â??engolirâ? isso, aí isso aí não, porque os leitores não são bobos.

  • Avatar
    21/11/2013 10:42:12Almir da Silva LimaMembro SRZD desde 11/10/2011

    VerdeRosaFT, prezadíssimo parceiro, aquele abraço, extensivo â?? no caso um beijo - à Duquesa Dholores Arruda conforme ela gosta de dizer a nobreza da favela em pessoa. Pra não me alongar mais nos cumprimentos, é o seguinte. Independente de eu concordar ou não com a forma com a qual os dois gabaritados parceiros de mundo do samba debatem. Não deixem de fazê-lo. Ambos representam aqui, com propriedade, significativa parcela de adeptos & adeptas da gloriosa Estação Primeira de Mangueira, da Academia do Samba e da afilhada niteroiense da Majestade do Samba. Vivemos numa democracia representativa. Não é a democracia de meus sonhos, mas isto é outra História. Haja vista, é a ausência do salutar debate de ideias por parte de pessoas que amam o mundo do samba e suas agremiações, que querem as pessoas do meio que, não por mera coincidência, são aquelas pessoas não adeptas de suas agremiações, mas sim pentecostais. Tais pessoas que aqui se tornaram claramente identificáveis, não dignificam as agremiações e as comunidades pelas quais posam de adeptos e de adeptas. Simbolicamente falando, no passado, enquanto pessoas de cor da pele preta ou negras escravizadas e trazidas à força, não se opunham à opressão escravista. Agora, no sistema capitalista tais pessoas, independentemente da cor da pele, consideram a sociedade capitalista, dividida em classes sociais e imiscuída a diversas outras formas de opressão e hipocrisia, historicamente â??inexorávelâ?. Observem, por fim, não se tratam de mera coincidência, que muitos e muitas destas pessoas pentecostais sejam adeptos e adeptas de agremiações notadamente de comunidades onde quem domina são contraventores penais do jogo do bicho e de outras práticas criminosas. Não, raro, sejam dominadas por família outrora proletária, mas, que através destas práticas criminosas e capitalistas, se constituíram em aburguesadas oligarquias milionárias. Almir de Macaé.

  • Avatar
    21/11/2013 10:09:20Marcio FelippeMembro SRZD desde 13/12/2011

    Então tá combinado: ninguém pode falar nada da Beija-Flor nunca, tá bom assim? Mesmo que ela venha com um porta jóias de caixote de feira com a Cláudia Raia saindo de dentro, a gente tem que dizer: "OOOOOOOHHHH! Que lindoooo!", senão o pessoal fica com depressão e vem pro site dizer que é bullying. Nunca vi troço mais besta. Mas, enfim, na "terra dos pseudônimos", quamndo elogiam é puxa-saquice, quando falam mal é perseguição. Gente frustrada. Aposto que nenhum deles nunca foi a Nilópolis, tão aí fazendo fumaça virar fogo mas sequer conhecem a quadra da escola. Devem pensar que Olinda é apenas uma cidade de Pernambuco...kkkkkkkk...fracos!!!

  • Avatar
    21/11/2013 07:59:34MANGALARGAMembro SRZD desde 12/07/2011

    Eu acho uma hipocrisia desses blogueiros (TODOS e quando digo TODOS, são TODOS), esse MIMIMI de que o carnaval virou um negócio. Ora, a mídia a qual eles representam é o que? Esse respeitos site vive do que? De vento? De confete? Claro que não tudo é um negócio, como uma grande cadeia alimentar, as escolas alimentas as notícias, que por sua vez alimentam a mídia, que alimentam a si próprios, que consomem o samba e por aí vai. Ã? graças a essa "roda" que se consome que nossas vidas giram. Assim sendo, a roda precisa girar mais rápido de vez em quando, pois a concorrência e a briga pelos patrocínios é feroz. Mas o que eu eu quero dizer com isso? Ora!! Sites vivem de acessos, cliques, então o que geram esses cliques? Ã? falar da história do Porto do Valongo ou falar que a comissão da Beija está decadente??? Você tem apenas uma chance pra acertar a resposta. Quero dizer aqui que também não me entusiasma falar de Cavalo muito menos de Boni e comunicação, mas aí é um problema de enredo e não de qualidade plástica, pois o que foi aquele Dragão na comissão de frente o carro de palhas e aquela sequencia de cores na abertura da Beija em 2013?? Um primor!!!! Mas enfim, acho que objetivo foi atingido: 89 likes e 37 comentários até agora. Um ótimo negócio falar da Beija não??? Fica a dica para os outros blogueiros!

  • Avatar
    21/11/2013 03:45:53VerdeRosaFTMembro SRZD desde 08/04/2012

    Alguns comentários deste tópico servem de exemplo para um dos motivos que estou cada vez menos escrevendo e debatendo por aqui... Muitas colocações infantis e desnecessárias, muita coisa sendo distorcida só para se defender ou justificar, muita falta de respeito, muita gente que não aceita opiniões diferentes ou críticas sobre sua escola... enfim. Abraços para a maravilhosa Duquesa, para meu caro Almir e para o grande Hélio, que discordo, respeitosamente, sobre algumas coisas apresentadas em seu texto. Esse último, sem novidade, muito bem escrito por seu autor. VerdeRosaFT olé

  • Avatar
    21/11/2013 01:08:38TedyMembro SRZD desde 12/04/2012

    Pois é Rogério, você falou muito bem! ... Ã? como eu disse, o colunista Hélio Rainho em questão na ânsia de falar da Beija-Flor, ainda inventou a "pérola" que a Comissão de Carnaval começou depois que o Joãosinho morreu. .... Quando todo mundo sabe que na verdade; quando a Comissão de Carnaval começou o Joãosinho, estava vivo fazendo Carnaval na Viradouro, e depois disso chegou a viver muitos anos ainda, graças a Deus! ... Uma curiosidade: Chegando em muitas situações o Joãosinho a concorrer com a Comissão de Carnaval da Beija-Flor, como em 2003 quando ele estava na Grande Rio, e a Grande Rio foi a terceira colocada, e a Beija-Flor foi a Campeã! ... Quando o colunista não sabe o que escrever, é quer menosprezar o trabalho dos outros, ele precisa inventar coisas. Mas, o colunista tanto sabe que esta errado (só não tem coragem de reconhecer isso), que a única alternativa foi mandar beijinhos, como se aqui fosse alguma Barraca de beijos de Quermesse!... kkkkkkk ... Sobre, esse Marcio Felipe, só vamos rir de tal criatura tal medíocre!... kkkkkkkk

  • Avatar
    20/11/2013 23:42:14RogérioMembro SRZD desde 26/05/2009

    Eu tenho que rir mesmo kkkk, tens uns que vem aqui para defender o colunista das criticas dos leitores kkkkkk, vou dizer, essa matéria sensacionalista só veio para enaltecer o Cahê e menosprezar a equipe da Beija-flor, ficou claro quando ele sita a beija-flor como decadente e a imperatriz como emergente, mas na verdade a imperatriz fez um carnaval fraco só ficou nas campeãs porque a borboletinha da Mangueira enroscou na torre senão o filme seria outro no sábado, e esse colunista como tantos outros torcedores anti-beija-flor acreditam que fazendo pressão contra a agremiação de Nilópolis iram conseguir derrubar a potência que é a azul e branca. Quem ele pensa que engana mandando beijinhos para os profissionais de Nilópolis, é muita cara de pau!Deve estar precisando de foco.

  • Avatar
    20/11/2013 20:33:07Marcio FelippeMembro SRZD desde 13/12/2011

    Pois é minha gente, sempre que o site pipoca é por causa das mesmas pessoas. Os mesmos mortos de fome que só existem (se é que existem) falando mal do trabalho dos outros. Uma raça de leitor analfa que nunca leu um livro, herdou a internet e não entende o que esta escrito nas matérias do site. Aí distorce tudo, acusa levianamente... Que ridículo!!! Parabéns, Helio Rainho! O senhor tem nome, identidade. Pior é uma meia dúzia de petebas burras com nome de ursinho de pelucia, escondidos atras duma foto de Sao jorge pra ver se levam uma lança no rego de vez em quando. Quem é essa gente?!?!!! "The walking dead", mortos-vivos sem identidade e sem cara pra bater. Passa por cima escrevendo bonito e esquece a dor de cotovelo dos despeitados, das almas pobres do carnaval, meu chapa! Nota dez pra você!

  • Avatar
    20/11/2013 18:36:19TedyMembro SRZD desde 12/04/2012

    (Continuando) ....Bom, Sr. colunista Helio Rainho, uma coisa é você querer desmerecer o trabalho da Comissão de Carnaval; um coisa é você querer, outra é beeeeem diferente, é isso ser â??verdadeâ?............ (Risos) ... O colunista Hélio Rainho quer falar de â??queda de qualidadeâ?, pra Vice Campeã do Carnaval, que ficou a apenas três décimos (0,3), da Campeã. .... Ã? pra rir mesmo! ... kkkkkkkkkk

  • Avatar
    20/11/2013 18:35:39TedyMembro SRZD desde 12/04/2012

    O comentarista Hélio Rainho, apenas veio com um blá, blá sem sentido, apenas pra tapar o óbvio. E no final mandou beijo pras algumas pessoas da Beija-Flor! .... Ou seja, criou-se um novo estilo de fazer colunas, o estilo â??Coluna Barraca do Beijoâ?... kkkkkkk ... Isso só confirma o que os leitores já notaram a implicância do colunista com a Escola de Nilópolis. E como bem disse o colega Erick de Andrade, essa implicância não vem de hoje. ... Me lembro dele já alfinetando o Enredo do â??Mangalarga Marchadorâ?, até aí nada demais, pois falar de Cavalo é um Enredo ousado, e teria críticas mesmo. Mas, o que me marcou foi a falta de argumentos do Colunista, argumentos bem vazios. ... Já pra se referir ao Enredo da Alemanha da Tijuca, ele se desmanchou em elogios, como se a Alemanha fosse um país vizinho ali na esquina, como se fosse só atravessar a fronteira. ... kkkkkk .... Sr. Colunista Hélio Rainho, uma coisa é você não gostar do trabalho da Comissão de Carnaval da Beija-Flor, (é um direito seu de opinião), agora daí a falar em â??queda de qualidadeâ?, e tentar negar o Sucesso do trabalho da Comissão, aí essa parte do seu texto ficou ridícula! .... A pessoa pode até não gostar de uma artista, mas daí a querer dizer que ele não tem Sucesso, fica ridículo, fica querer negar o óbvio! .... Sr. colunista Hélio Rainho, você diz que a Beija-Flor vem tendo â??visível queda de qualidadeâ?.... Bom, se o que você chama de â??visível queda de qualidadeâ? é ser Vice-Campeã ficando apenas a três décimos (0,3) da Campeã. Se ficar a 0,3 três décimos do título, é â??queda da qualidadeâ? então tem 10 (dez) escolas do Grupo Especial que queriam muito ter essa â??queda de qualidadeâ?! (Kkkkkk) . .... Com exceção é claro, da Vila, pois é a atual Campeã.

  • Avatar
    20/11/2013 18:35:12TedyMembro SRZD desde 12/04/2012

    Impressionante, é que pra Duquesa Dholores Arruda, um Desfile de Escola de Samba, se resume a quesitos plásticos. ..kkkkk .. Ou seja, pra ela só existe apenas os quesitos: Enredo, Alegorias, e Fantasias. ... Pra ela, só existe esses três quesitos num Desfile de Escola de Samba, é a única coisa que ela só sabe repetir. ... Como se não existissem 10 (dez) quesitos, numa disputa do Desfile de Escola de Samba. ... A única coisa que ela sabe citar são três quesitos. ... kkkkkkk ... E as vezes citar um palavrão, achando que vai despertar emoção apenas com palavrões, como se todo mundo já não conhecesse os palavrões de có! ...kkkkkkk ... Duquesa, esse estilo de comentário seu, já cansou, já deu né! .... A Duquesa, fiquei sabendo do problema no seu olho, tá melhorzinha? .... Qualquer coisa, dizem que HIPOGLÃ?S é bom pra esse tipo de problema... kkkkkkkkkkkkk

  • Avatar
    20/11/2013 18:24:59RogérioMembro SRZD desde 26/05/2009

    Eu acho muito bacana a imagem do Carnavalesco a frente de uma escola, mas seria mesmo preciso? Eu acho que a Beija-flor já provou que não é preciso, não acho que a escola vem apresentando visível queda de qualidade em seu trabalho, acho que o que tem prejudicado a escola são os enredos que seus mandantes nos forçam a engolir, o time que a beija-flor montou é de primeira e acho muito justo não ser apenas de um profissional a assinatura do trabalho, eu acredito que a imagem do carnavalesco tende a sumir ano após ano com a aposentadoria dos que estão aí Rosa, Max, Renato, e digo mais Alex, Cahê, etc, não são bons o bastante para chegar ao nível de um J30 ou uma Rosa, por isso eles tendem a sumir e dar lugar a verdadeiras equipes ou comissão de carnaval!

Comentar