SRZD


14/02/2014 20h31

Fábio Raposo era usuário de drogas e chegou a ficar internado, dizem amigos
Guilherme Nigro

Nem mesmo as diversas tatuagens de Fábio Raposo, 22 anos, um dos acusados de lançar o rojão que atingiu Santiago Andrade, ficarão tão marcadas na vida dele quanto a morte do cinegrafista. Talvez não haja mais como "justificar o injustificável" para o tatuador. Jovem, classe média, pais divorciados, envolvimento com drogas: sociologicamente, é o retrato daqueles que se sentem menosprezados pelo Estado e encontram nas manifestações a oportunidade de se fazer visto, por meio de vandalismo e violência.

Fábio mais novo (dir.) e atualmente (esq.). Foto: Divulgação

Quando criança, Fábio participava de atividades comuns para qualquer menino da idade dele. Brincava no play do prédio, no qual mora até os dias de hoje no bairro Méier, Zona Norte do Rio. Mesmo local escolhido por ele para fazer pichações contra a atuação da polícia e a favor do movimento black bloc. Segundo vizinhos, "as frases 'fuck de police' e 'black bloc' foram escritas pelo tatuador durante o período mais divulgado dos protestos".

Na adolescência, o estudo não era prioridade e a relação familiar estremecia. O jovem envolveu-se com drogas, chegando a ser internado em uma clínica de reabilitação. "Antes de ir para internação, ele fumava baseado de maconha como um fumante de cigarro", confessou um amigo do tatuador. No entanto, por motivos desconhecidos, Fábinho, como era conhecido, não permaneceu na clínica por muito tempo. "Acho que não ficou nem um mês (internado)", completou o colega dele.

Histórico violento em protestos e amizade com estagiário

Filho de pais separados, Fábio chegou a se mudar para a casa da mãe no Recreio, na Zona Oeste, onde morou com o padrasto e uma irmã. O jovem, porém, não ficou lá por muito tempo e voltou para o apartamento do Méier, onde vive sozinho. Segundo moradores do prédio, a participação dele no grupo black bloc pôde ser comprovada quando a polícia foi na residência. "(Os policiais) Entraram lá e pegaram diversos objetos que o incriminam, como máscaras de gás e cassetetes", afirmaram. Um outro amigo chegou a ir para as manifestações, juntamente com Fábio, onde o tatuador já demonstrava atitudes descontroladas. "No protesto, o Fábio ia com casacos bastante grossos, a fim de se proteger das balas de borracha, e atirava pedras nos policiais", relatou.

Amigos e familiares do jovem não conseguem acreditar na atual situação do jovem. Uma pessoa que conviveu com o tatuador durante muitos anos comentou a sensação de vê-lo preso no Complexo de Bangu. "Todos que fizeram parte da vida do Fábio estão mal com isso (prisão). Falei com a irmã dele, que está arrasada". Mesmo assim, o suspeito de ter participado da morte de Santiago Andrade conta com uma ajuda quase fraternal, vinda de muito perto. O estagiário Marcelo Mattoso, cuja família possui um escritório de advocacia e que acompanha o advogado Jonas Tadeu, e Fábio possuem uma amizade de longa data, de acordo com pessoas em comum aos dois. "Marcelo e Fábio praticamente cresceram juntos", revelaram.

Apesar dos erros cometidos, o tatuador conta com o apoio de algumas pessoas que o conheceram. "Ele praticamente jogou tudo no lixo, contudo vamos continuar torcendo", finalizou um dos amigos do manifestante.

*Os amigos, vizinhos e colegas de Fábio Raposo não quiseram se identificar.

Saiba mais:

- Suspeitos de morte de cinegrafista são indiciados

- Após protesto, Caio ligou para amigo e contou: 'Acho que matei alguém'

- Vídeo: familiares e colegas de trabalho se despedem de Santiago Andrade



Comentários
  • Avatar
    19/02/2014 22:38:37GabrielAnônimo

    Caro redarguente, a nós cronistas cabe somente o direito de informar. Seu texto é escrito de maneira tendenciosa e pouco ética ao reportar fatos inverossímeis corroborativamente esclarecidos, o que é uma lástima, visto que o estilo textual inadmite intenções para além da informação, logo o sensacionalismo é vetado. A culpabilidade dos indiciados é indiscutível e como sensato escritor (piscadela) devia restringir-se de julgamentos. Abraço e paz.

  • Avatar
    14/02/2014 21:23:36VERDUGOAnônimo

    Amigo FRATERNO mas ASSASSINO, esperamos que PEGUE PELO MENOS 50 ANOS de CADEIA, para o BEM da SOCIEDADE.

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.