SRZD


20/05/2014 16h26

Vigilantes em greve dizem ser ameaçados por sindicato de empresas
Redação SRZD

O Sindicato dos Vigilantes do Município do Rio de Janeiro (SINDVIGRIO) divulgou, nesta terça-feira, uma nota em repúdio ao texto do Sindicato das Empresas de Segurança e Vigilância (SINDESP), que afirma que, no próximo pagamento, todos os vigilantes receberão reajuste e os grevistas serão descontados. Segundo o vice-presidente do SINDVIGRIO, Antônio Carlos de Oliveira, a nota do SINDESP é uma ameaça aos trabalhadores.

- Saiba as funções da Polícia Civil que funcionarão com a paralisação desta quarta

Vigilantes em greve fazem passeata. Foto: SRZD

"A nota fere os princípios mais sensíveis da nossa Constituição a começar pelo direito de greve e os direitos do trabalho e sindicais", disse.

De acordo com o SINDVIGRIO, o reajuste de 8% anunciado pelo SINDESP foi aceito apenas pelos sindicatos de vigilantes de Niterói, Petrópolis e Duque de Caxias. O sindicato do Município do Rio afirma que o reajuste está sendo imposto aos trabalhadores, já que o índice não foi assinado.

"As empresas que contratam serviços de segurança devem estar atentas quando negociarem os reajustes dos contratos, pois sendo localizadas no município do Rio de Janeiro, ou de qualquer outra cidade que tenha greve dos vigilantes, não devem aceitar Convenções Coletivas de outros municípios", afirmou Antônio Carlos.

Segundo o diretor da Federação dos Vigilantes do Estado do RJ, Humberto Rocha, os sindicatos em greve estudam medidas judiciais para impedir que o SINDESP publique outras notas. "Os Sindicatos em greve cumpriram todas as exigências da Lei de Greve 7.783/89 e qualquer desconto feito antes da assinatura de convenção ou decisão da Justiça do Trabalho é um ato injusto e não razoável aos trabalhadores que se encontram na luta por conquistas e reivindicações que consideram justas", disse.

O Ministério Público do Trabalho convocou o SINDESP e os Sindicatos dos Vigilantes em greve para audiência no dia 22 de maio, 5ª feira, às 15 horas, na sede do MPT no Centro do Rio.

Leia também: 

- Polícia Militar afirma que não existe nenhuma ameaça real de greve

- Polícia Civil do Rio decide aderir à greve de quarta



Comentários
  • Avatar
    06/06/2014 14:56:25Alisson FelipeAnônimo

    Danielle Boechat pensa comigo .. O que seria dos bancos brasileiros se não fosse os nosso vigilantes ? sem eles o banco não é nada como esta acontecendo hoje ... entao toma vergonha nessa cara e para de falar bobeira.

  • Avatar
    29/05/2014 22:22:17Anderson SouzaAnônimo

    Vc é uma palhaça, ridícula, ali existe chefes de família, que querem ter condições de sustentar dignamente suas famílias com suor do seu trabalho, operações financeiras pode ser feitas pela internet e caixa eletrônico, nojo de ser humano.

  • Avatar
    26/05/2014 20:40:05Danielle BoechatAnônimo

    estou sendo muito prejudicada com isso,e assim como eu muitos estou no prejuízo. Se eles não querem trabalhar o correto é fazer o que eles querem se o salario para eles não está bom eles tem que fazer por onde ganhar mais estudar mais um pouco e trocar de profissão fazer algo por eles mesmo. bem o correto é colocar todos na rua para que possam encontrar o emprego dos sonhos e contratar quem quer trabalhar. e olha que a fila do desemprego continua enorme. gente tem que ser feito alguma coisa nem que seja colocar a policia nas portas as agencias matrizes para que possa funcionar pelo menos 30% das agencias. Autoridades façam alguma coisa isso já virou uma enorme Palhaçada e os governadores não estão nem aí. nós não precisamos deles temos policia, exercito etc.....

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.