SRZD


24/06/2014 22h06

Leia a sinopse da Beija-Flor para o Carnaval 2015
Redação SRZD

A Beija-Flor lançou na noite desta terça-feira, a sinopse de "Um Griô Conta a História: Um Olhar Sobre a África e o Despontar da Guiné Equatorial. Caminhemos Sobre a Trilha de Nossa Felicidade". Tema a ser desenvolvido pela comissão de Carnaval da azul e branco para o desfile de 2015, o enredo falará das várias Áfricas que habitam o Brasil, fazendo uma conexão direta com a Guiné Equatorial, região que detém o maior PIB do continente e maor produtora de petróleo  africana. A escola de Nilópolis será a terceira a desfilar na segunda-feira de Carnaval.

Laíla, coordenador da comissão falou aos compositores antes da divulgação da sinopse e frisou que composições que tenham menção a orixás e ao candomblé serão cortadas.

"A Beija-Flor  é considerada a escola da macumba e nós vamos por outro caminho", disse Laíla. 

Clique aqui e saiba tudo sobre o Carnaval 2015.

Leia a sinopse na íntegra.

Enredo: "Um Griô Conta a História: Um Olhar Sobre a África e o Despontar da Guiné Equatorial. Caminhemos Sobre a Trilha de Nossa Felicidade"

INTRODUÉÉO

Para conseguirmos entender o que fomos e o que somos, é necessário que se conheça a herança da África no Brasil e a África que ficou do outro A história da África - ou melhor, das várias Áfricas, faz parte da história do Brasil. É importante para nós, brasileiros, porque ajuda a explicar e entender a nossa história. Mas é importante também, por seu valor próprio, e porque nos faz melhor compreender o grande continente de onde proveio quase metade de nossos antepassados.

A importância e a magnitude da África é algo tão impressionante, que por mais que se fale de África com frequência, o tema é tão rico, que parece não se esgotar nunca; permanece despertando a curiosidade e o interesse de pessoas comuns e estudiosos.

No passado, as tribos regionais, com suas tradições e costumes, despertaram o interesse de distintos povos europeus, que em busca de especiarias, terminaram por fomentar o tráfico de escravos.

Hoje, ao revisitar o sofrido continente africano, nossa proposta principal é mostrar que é possível sim ter esperança de que um povo massacrado, cansado e desiludido, seja capaz de renascer, aos poucos, com sonhos vigorosos, planos precisos e metas concretas; projetando uma nova África, ou uma nova perspectiva para a África, calcada no progresso propiciado pelo "ouro negro" e nos ideais de unidade, paz e justiça, reafirmados tal qual um mantra.

Caminhemos sobre a trilha de nossa felicidade, porque neste carnaval, os caminhos da África nos conduzem à Guiné Equatorial.

Laíla, Fran Sérgio, Ubiratan Silva, Victor Santos, André Cezari, Bianca Behrends e Claudio Russo - Departamento de Carnaval e Comissão de Carnaval

SINOPSE

A conversa que ora inicia, poderia muito bem versar sobre religião e a fé em nossos ancestrais ou, quem sabe, sobre liberdade e este verde sem fim; alguns poderiam dizer que é o passado que se revela do outro lado do Mar Tenebroso, ou por que não a África animista por natureza em sua história de exploração, luta e dor. Esta conversa é tudo isso e um pouco mais, diálogo entre um pequeno filho da Guiné Equatorial e um Griô, um ancião, senhor do passado, mais um daqueles sábios que guardam, de pai para filho, a história viva do continente africano, e mais precisamente, de A criança, olhos fixos no velho homem, não deixa passar um detalhe
sequer, e o contador de histórias, em um tom tranquilo, porém com a voz firme, devaneia... Declama... Recita... o livro aberto da memória:

Foi num tempo primitivo, no albor de toda raça, sob um verde inimaginável, que nossa gente surgiu. Foi muito antes deles chegarem, os brancos, em seus grandes barcos, guiados pela mais voraz ambição, sedentos de ouro e de gente, nossa gente!

Antes era tudo verde, toda vida, tambores e tribos...

A natureza pulsava em cada elemento; as raízes das árvores entrelaçavam-se com a nossa raiz, e crescíamos , vivíamos e cultuávamos a liberdade, cada um com sua fé. Os ritos refletiam a força e a ligação do povo com a natureza, e a Ceiba, árvore sagrada da vida, testemunhou cada momento do florescer de nossa história.

Mas um dia, esta paz sucumbiu... Eles chegaram rasgando o Mar Tenebroso, e com as marés trouxeram a cobiça, sua força e seus costumes tão diferentes das nossas tradições; eles sangraram os corações de nossos ancestrais!

Falavam outra língua, buscavam riquezas... Escravizaram homens, mulheres, crianças... Em nome do Rei de Portugal.

A jóia da Coroa era a Casa da Guiné...

E do litoral, nossas mães observaram, onda após onda, seus filhos vendidos... Quantos reis comerciados, escravos por um trocado, objetos da opressão, no mercado de gente, mercadoria humana.

Mas a grandeza de nossa terra atrai outras bandeiras da maldade, e a engenharia da ambição ergue a sua companhia, leva o continente negro, através de nossa cultura, por um oceano de mágoas. Os filhos da África constroem a evolução da humanidade; o sangue negro foi a argamassa do edifício da escravidão.

Papéis assinados, destinos trocados, nossa terra por um tratado:

"Habla Espanhol"!

A raça negra, que transpiramos em cada poro, resiste, enfrenta a dor, não se entrega jamais, e a cada grilhão, nos tornamos mais fortes; a cada opressão, a cultura se manifesta.

Nada é mais degradante do que a ausência da liberdade!

Nada é mais libertador do que a força de um povo!

Menino, nós temos sangue dos Bengas! Somos herança do reino

Bubi! Corremos nas terras Fang!

Temos influência de Oyó!

A África é a Mãe da Humanidade!

Filho, o suor negro construiu a civilização moderna. Enquanto a empresa da escravidão possibilitou o acúmulo de riquezas, nosso mar de gente sangrou os mares. Ah! Quantos Zumbis, quantos Mandelas surgiram aqui no Golfo da Guiné? Nossa gente ensinou ao mundo o perfeito significado da palavra liberdade...

Senhor! (Fala a criança): E agora que eles foram embora?

O Grió aponta para o Mar e diz:

O que você vê?

O Oceano!

E depois?

O horizonte!

A África hoje enxerga o horizonte da reconstrução, respeitando a história daqueles que resistiram, observando a luta de quem um dia venceu a dor; símbolos de um continente desapropriado de grande parte de sua gente, mas acima de tudo, um continente guerreiro.

A nova face da África se lança rumo ao progresso; respeita a natureza, mas se engrandece com as riquezas que afloram deste chão.

Nova face em meio a grande floresta e a imensidão do mar em que se encontra a Guiné Equatorial; o país que emerge da Costa da Guiné, terra intimamente ligada à história do Brasil, vivendo o presente, como nação amiga e ansiando um futuro de unidade, paz e justiça.

Meu filho, orgulhe-se desta raça, de sua dignidade e sua contribuição para a humanidade! Lute, pois lutar sempre foi nossa verdade, para que assim, "caminhemos sobre a trilha de nossa felicidade".

JUSTIFICATIVA

África: a paisagem que mais parece uma miragem. Aquela imensidão verde, deslumbrante, intocada, hipnotizante. A força da selva e a importância de Ceiba, a Árvore da Vida.

As frondosas raízes das árvores se confundem, se misturam, se mesclam com as origens de nossos ancestrais, e com todo o legado por eles deixado.

Com a tez escura como o ébano, nativos e guerreiros de tribos primitivas, guardiões dos costumes e dos ritos tradicionais, preservam as informações, as práticas, as estórias e os costumes, que são registrados através da oralidade, na memória e nos corações dos homens. Totens, máscaras, carrancas, esculturas, peças de marfim e técnicas específicas, como a taiba, são alguns dos símbolos diversos que cruzaram o oceano a propagar uma cultura magnânima.

Diferentes povos demonstraram interesse em explorar, colonizar e extrair as riquezas da terra, destacando-se as investidas europeias, onde marcaram presença portugueses, holandeses, franceses, espanhóis e ingleses; sendo o Golfo da Guiné, o berço da herança cultural deixada pelos medievais reinos tribais dos Benga, dos Bubi e pelos clãs Fang.

Ao explorar o Golfo da Guiné, Portugal, na busca pelo caminho das Índias, coloca a Formosa Bioko nos mapas europeus. D. João II de Portugal, proclamado Senhor da Guiné, junto com os portugueses, inicia a colonização das ilhas de Bioko, Ano Bom e Corisco, convertendo-nas em postos destinados ao tráfico de escravos.

Na travessia do Mar Tenebroso, enjaulados em sombrios navios, e acorrentados à grilhões e às lembranças da terra natal, negros serviçais, humilhados, desacreditados e açoitados, terminam por se dispersar pelo mundo. São braços fortes, construtores, massacrados pelos opressores; pobres sofredores à mercê da sorte e da vontade de seus mercadores.

Um ode à liberdade anuncia o grito de independência: rompam-se as algemas! Abaixo a dominação! De braços dados, revela-se uma nação fraterna, ávida por união. Paralelamente à uma África antiga, primitiva, rústica, observa-se o despertar de uma nova face da África. Nascida na história recente, revela-se expoente a Guiné Equatorial.

Dotada de rica biodiversidade, com belezas naturais estonteantes e riquezas minerais abundantes, fauna e flora revelam as diferentes nuances da Guiné que saltam aos nossos olhos, refletidas em cores e estampas, tecidos e sabores, no ritmo, no gingado e nos penteados, que imprimem à essa gente uma negritude de traços tão marcantes.

Na iminência de completar meio século, a Guiné Equatorial é uma região de solo fértil. A terra, generosa, produz gêneros agrícolas diversos: cana-de-açúcar, café, cacau, banana, abacaxi, abóbora, milho, mandioca e algodão, são apenas alguns dos produtos que engrandecem a agricultura e brotam desse chão!

A extração de madeira, a existência de diamantes, e a descoberta do "ouro negro", com o conseguinte fomento do petróleo, ocorrem com demonstrações de respeito ao meio ambiente.

Empenhados em promover o encontro das bandeiras de duas nações fraternas, num majestoso festejo popular, onde a língua portuguesa é apenas mais um elemento de afinidade, objetivamos consagrar o enlace cultural entre o Brasil e a Guiné Equatorial, brindando os ideais de unidade, paz e justiça.

Abordando as distintas influências, sem discriminação, cantemos liberdade! E "Caminhemos sobre a trilha de nossa imensa felicidade".

SETORIZAÉÉO INICIAL - CARNAVAL 2015

SETOR 01 - ABERTURA
A Árvore da Vida e a Floresta Equatorial Africana

SETOR 02
África - O Berço Negro do Mundo - Tradições e Realeza

SETOR 03
Rota para as Índias - O Caminho das Especiarias - A Descoberta de um Novo Território

SETOR 04
As Investidas Européias em Terras da Guiné

SETOR 05
A Cultura de um Povo Atravessa o Mar Tenebroso - Navio Negreiro

SETOR 06
Guiné Equatorial - A Ascensão de uma Nação

SETOR 07
O Enlace Cultural Entre o Brasil e a Guiné Equatorial



Comentários
  • Avatar
    10/07/2014 12:34:36Almir da Silva LimaMembro SRZD desde 11/10/2011

    Assim como a Deusa da Passarela será posta à prova na tentativa de voltar honrosamente nas campeãs, a imerecida campeã Unidos da Tijuca em 2015 terá que provar não ter perdido favoritismo devido às perdas do carnavalesco e do casal de coreógrafos, ambos vitoriosos. Ã? notória a estratégica pretendida pelo presidente tijucano e presidente do Conselho Fiscal & membro de fato do dominante Conselho Superior da LIESA na tentativa do bicampeonato. A exemplo de 2013 quando apresentou um enredo patrocinado pelo governo de um rico país europeu (Desceu num raio, é trovoada! O deus Thor pede passagem pra mostrar nessa avenida a Alemanha encantada), a Unidos da Tijuca está apostado suas fichas na eficiência de seu novo Departamento de Carnaval através do enredo 2015 (Um conto marcado no tempo â?? o olhar suíço de Clovis Bornay). Pra ter-se ideia, em 2013 a Unidos da Tijuca disputou o título até o fim acabando na 3ª colocação a 0,5 pontos da campeã, sendo que no sofrível quesito Enredo apresentado o suspeito quadro de julgadores/julgadoras da LIESA deu notas 10 unânimes. Em resumo, diferentemente de 2013 quando a disputa pelo título ocorreu entre a 3ª colocada Unidos da Tijuca, a vice-campeã Deusa da Passarela e a campeã agremiação de Noel, em 2015 estima-se que a disputa ocorrerá com a vice-campeã Academia do Samba e a 3ª colocada Majestade do Samba. Por sinal, merecedoras do título em 2014. Não, a Unidos da Tijuca que apresentou o sofrível enredo (Acelera, Tijuca). Por sua vez, tanto a Tricolor Caxiense que contratou o vitorioso casal de coreógrafos quanto a agremiação da estrela-guia de Padre Miguel do igualmente vitorioso carnavalesco, a exemplo da Deusa da Passarela vão disputar uma honrosa vaga entre as campeãs. Saudações carnavalescas, Almir de Macaé.

  • Avatar
    08/07/2014 09:43:45DANIELMembro SRZD desde 21/07/2009

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK, o analfabetismo funcional é um transtorno ambulante! _ E depois, essa obcessão de querer encontrar falhas em tudo que a Deusa da Passarela apresenta, já está ficando MANJADA. Babam de molhar, rasguem notas de R$100,00, porque essa SINOPSE ficou simplesmente perfeita e a da Imperatriz também. Leia-se tema: "Um Griô Conta a História: Um Olhar Sobre a África e o Despertar da Guiné Equatorial, Caminhemos Sobre a Trilha de Nossa Felicidade". Fica doido não!

  • Avatar
    07/07/2014 15:36:25Almir da Silva LimaMembro SRZD desde 11/10/2011

    COMUNICADO: Sob o título (Enredos afros da Imperatriz e Beija Flor exaltam racialismo ignorando luta antirracista) acabei de postar texto em almirptmacae.blogspot.com. Saudações carnavalescas, Almir de Macaé.

  • Avatar
    07/07/2014 10:24:21DANIELMembro SRZD desde 21/07/2009

    Com essa sinopse incrível, certamente vai dar SAMBA com muita qualidade. Parabéns Beija-flor!

  • Avatar
    06/07/2014 00:05:17Ítalo SilvaMembro SRZD desde 02/07/2014

    já vi a turma do Madagascar fazendo a festa na comissão de frente kkkkkkkkkkkk

  • Avatar
    03/07/2014 15:15:01VictorMembro SRZD desde 02/07/2014

    Eu particularmente não gosto de enredos africanos, afinal já vimos isso na Sapucaí milhares e milhares de vezes, mas acredito que Imperatriz e Beija-flor (as duas escolas que falarão sobre áfrica) desenvolverão esses enredos de forma diferente, africas de modos que a gente nunca viu na avenida, pelo menos é o que espero! E quanto a beija, é uma escola que eu tenho uma admiração muito grande mesmo sendo Unidos da Tijuca, e tenho certeza que vai sim vir muito rica e luxuosa como sempre, e esquecer 2014, mesmo achando que a escola merecia uma colocação melhor, pelo menos um sexto lugar... E podem ter certeza que Beija-Flor de Nilópolis ano que vem vai vim INVOCADA, vai mostrar que pode sim ser a Beija que sempre foi, e vai vim em busca de um título, com muita garra... Nunca devemos duvidar da força da Beija-Flor!

  • Avatar
    03/07/2014 00:25:59GeanMembro SRZD desde 22/02/2016

    Muito feia a atitude do João Silva, nos deixou a mercê apagando todos os seus comentários.

  • Avatar
    02/07/2014 22:21:36Alex Beija FlorMembro SRZD desde 03/07/2013

    esse joao e um covarde , [email protected] , e tem medo de xereca kkkkk , ninguem merece esse independente sonhador

  • Avatar
    02/07/2014 21:41:44GeanMembro SRZD desde 22/02/2016

    João Silva, estou decepcionado com tu, por você ter apagado seus posts. Fica parecendo que nós(Eu, Tedy, Alex Beija Flor e Carlito BF)... fica parecendo que nós estamos falando sozinhos.

  • Avatar
    02/07/2014 21:14:56Alex Beija FlorMembro SRZD desde 03/07/2013

    fugiu que covarde , xau xau independente sonhador

  • Avatar
    02/07/2014 21:00:53TedyMembro SRZD desde 12/04/2012

    Joãosinho, ... Tá se fazendo de leso pra não ir pra guerra, né?!...rsrrs Sei, sei...rrsrs. Vou mudar a pergunta: Você acha que o enredo do "fim de mundo" esta no mesmo nível de do enredo do Fernando Pamplona????... OU que o enredo do "fim do mundo" é tão "bom" ou até melhor que o enredo do Fernando Pamplona????.... Por favor responda, pois eu já liguei pro disk-hospício, e eles estão esperando sua resposta...kkkkkkkkkkk.

  • Avatar
    02/07/2014 21:00:42GeanMembro SRZD desde 22/02/2016

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK. TEDY VS JOÃ?O SILVA... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KK... ESTOU MORRENDO DE RIR DOS DOIS... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKK... TÁ FICANDO PARECIDO COM DUQUESA DOLORES VS BEIJA SEMPRE...KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK... TOMEM CUIDADO COM ISSO HEIN!!! KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK .

  • Avatar
    02/07/2014 20:48:39Alex Beija FlorMembro SRZD desde 03/07/2013

    falta agora so a aghata e claudia bauer pra formar o grupo de anti beija flores , e beija sempre pra o circo pegar fogo , mais do que ja ta

  • Avatar
    02/07/2014 20:44:13GeanMembro SRZD desde 22/02/2016

    KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKK... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKK... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKK... INFINITAMENTE... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKK. GRAÃ?AS A TU TEDY ESSA PÁGINA JÁ TEM MAIS COMENTÁRIOS QUE A PÁGINA DA SINOPSE DA MOCIDADE. OLHA O CIRCO QUE TU CAUSA... KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKKK KKKKKKKKKKKKKKKKK.

  • Avatar
    02/07/2014 20:44:07TedyMembro SRZD desde 12/04/2012

    Carca, ... Esse João Silva viajou tanto na maionese, mas tanto que ele foi comparar Renato Lage, Rosa Magalhães. Ã? tão simples, eu só perguntei: Qual o jurado, que num julgamento sério, quem em sã consciência que vai tirar ponto de Fernando Pamplona e dar ponto ao "fim do mundo"?????... Já sei você vai citar Renato lage, Rosa, Joãosinho, e se bobear até o Cartola pra tentar enrolar o assunto. Ou até vai rebater dizendo o que eu mesmo já sei, que o enredo da Beija-Flor é fraco, tá tudo isso eu já sei. Mas responde: Qual o jurado, que num julgamento sério, quem em sã consciência que vai tirar ponto de Fernando Pamplona e dar ponto ao "fim do mundo"?????

Comentar