SRZD


02/07/2014 11h30

Câmara Federal discute abate de jumentos para consumo humano
Carlos Cavalcanti | Blog do Magno

Foto: ReproduçãoA Câmara dos Deputados discutiu em audiência pública, na tarde de ontem (1), o abate de jumentos para consumo humano no Rio Grande do Norte. A audiência da Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável da Casa Legislativa foi motivada por denúncias do aproveitamento da carne de asininos  abandonados às margens de rodovias no estado.

Um promotor do Rio Grande do Norte levantou a ideia como forma de controlar o número excessivo de jumentos na região. A proposta é que a carne proveniente do abate seja aproveitada no preparo de refeições de detentos do sistema penitenciário estadual e de estudantes da rede pública.

Em março deste ano, o promotor de justiça do Ministério Público do Rio Grande do Norte, Sílvio Brito, ofereceu dois almoços com pratos que incluíam carne de jumento entre os ingredientes. A intenção era mudar a rejeição, de caráter cultural, segundo ele, ao consumo da carne do animal.

De acordo com o promotor, o aproveitamento de asininos pode resolver o problema de acidentes nas rodovias potiguares. "Hoje, o Brasil tem 900 mil jumentos, e 90% deles estão no Rio Grande do Norte. A gente tem esse problema há 20 anos. Isso é fruto de um fenômeno natural. O descontrole deles causa acidentes nas estradas. Diante desse fenômeno, a gente pensou em uma forma de reverter esse cenário", afirmou.

Brito reforça ainda que sua proposta está amparada por estudos de outros países. "Três doutores da Universidade Federal do Semiárido, em Mossoró (RN), analisaram pesquisas de fora que mostram que a carne e o leite dos jumentos têm elevado valor nutricional. A carne não oferece nenhum risco. É macia e gostosa".

Abate - O abate de jumentos para consumo é previsto por lei desde que realizado em um estabelecimento credenciado pelos institutos de inspeção sanitária.

O deputado e presidente da Frente Parlamentar do Congresso Nacional em Defesa dos Animais, Ricardo Izar (PSD-SP), afirmou que o Congresso Nacional deveria levar adiante um projeto de lei, de autoria dele, que tramita na Câmara Federal desde o ano passado e que propõe a "proibição de abate de equinos, equídeos, mulas e jumentos em todo o território nacional".

"Na verdade, não existe nada que permita nem nada que não permita, e é isso que a gente quer debater aqui nesta audiência pública. O que a gente precisa agora é de uma regulamentação, fazer o Congresso votar definitivamente o projeto de lei que está tramitando na Casa que proíbe o abate. Aí resolveria o problema legalmente, porque moralmente está errado", afirmou o deputado.

Consumo - Não existem estudos que comprovem que seja impróprio o consumo da carne de asininos, segundo a médica veterinária Kátia Regina Lopes, que também participou da audiência pública na Câmara dos Deputados.

"Existem pesquisas europeias em relação aos valores nutricionais de asininos. O nosso jumento nordestino nunca foi pesquisado. A gente pode dizer que ela pode ser consumida como toda e qualquer carne de animal, mas oficialmente não, não existe nenhum laudo e nenhuma liberação dos nossos órgãos competentes em relação ao consumo", afirmou a especialista.

Na audiência pública, a Sociedade Vegetariana do Brasil entregou à Comissão de Meio Ambiente e Desenvolvimento Sustentável um documento com 71.188 assinaturas contra o abate de jumentos.


Comentários
  • Avatar
    02/07/2014 14:27:21Alexandre Fernandes DiasAnônimo

    Cidinho Santos (PR-MT) disse que o povo de Cuiabá está orgulhoso pela capital ter sediado jogos da Copa do Mundo. Ele informou que, segundo o UOL, a Arena Pantanal foi eleita o melhor estádio em acesso, segurança, atendimento, alimentação e conforto. O senador afirmou ainda que o sucesso da Copa contraria previsões pessimistas de que tudo seria um caos. - Em Cuiabá, existem, sim, obras em andamento, mas que serão concluídas - disse, explicando que os primeiros 22 quilômetros do veículo leve sobre trilhos (VLT) devem ser entregues em 2015. JORNAL DO SENADO

Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.