SRZD



Hélio Ricardo Rainho/Carnaval

Hélio Ricardo Rainho/Carnaval

CARNAVAL. Profissional de Comunicação e Marketing, Hélio Rainho veio do teatro, sendo ator e diretor profissional. Autor da biografia do jogador Mauro Galvão e de várias peças teatrais. Nascido na Praça XI, chegou à Portela como jovem compositor nos anos 80 e passou a pesquisar escolas de samba e Carnaval. Idealizador do projeto "Quem És Tu, Passista?", um manifesto pela preservação do segmento, é padrinho dos passistas do Império Serrano e comentarista dos desfiles na Sapucaí. Twitter/Instagram: @hrainho.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



28/11/2014 17h17

Rei Mayombe do Estácio!
Hélio Ricardo Rainho

Este ano, a avenida terá um encanto especial. Ao rufarem os tambores ancestrais do Velho Estácio, uma força radiante irromperá frente à bateria como um cometa do samba, iluminando a passarela e emocionando a audiência. Uma ginga de malandro fundida ao bailado sem par de pernas velozes, gestos tridimensionais e ziguezagues, uma elegância inexplicavelmente contagiante.

Parece magia! O samba no pé de Mayombe Masai é encantado. Um fauno dançante do samba. Mayombe será coroado, na noite desta sexta-feira, o Rei de Bateria do GRES Estácio de Sá.

Lépido, fagueiro, malandro, veloz. Poético, hipnotizante. A ginga de seu samba se distingue por uma impressionante cadência que mistura a velocidade dos riscados com a graça da capoeira e o autêntico samba no pé.

Estamos falando de um jovem rapaz negro, estatura mediana, corpo franzino, que passaria despercebido pelas ruas da cidade, não se tratasse de um dos maiores passistas de escola de samba do país. Se nossa mídia prestigiasse os artistas genuínos do carnaval como prestigia os subprodutos de gravadora e pseudocelebridades de telenovelas ou reality shows, certamente o teríamos como um astro. Mas, como escola de samba para a grande mídia é apenas "festa", ficamos nós - graças a Deus, os genuínos difusores e admiradores dessa arte - privilegiados com o ímpeto e a graciosidade de sua dança.

Foto: Alex Nunes

Ele é conhecido por ter em seu nome a fusão de dois outros nomes africanos: de uma região montanhosa da África (Mayombe) e de uma tribo do Quênia (os masai ou massai). Dançarino nato, é conhecido e reverenciado por todos os amigos passistas e por toda gente do samba. O Estácio marca um gol de placa ao prestar essa homenagem que, embora a um jovem personagem, prestigia a grandeza e o lastro histórico de um grande movimento dentro dos desfiles de escolas de samba: a arte dos passistas e seu samba no pé.

Há que se louvar o momento privilegiado de afirmação e conquista do passista de escola de samba! Outrora perseguido, ultrajado, ameaçado até mesmo de extinção, hoje tem ocupado espaços importantes de discussão sobre a cultura popular e a consciência negra dentro da sociedade. Como um quilombola que é, o passista chegou a ser banido até mesmo de seu próprio território - a escola de samba. Mas reinventou-se, rompeu as barreiras, reorganizou a sua simbologia dentro do carnaval e reviu seu espaço. Temos alas de passistas brilhando, personagens renomados e respeitados por todos os setores. Nossa primeira iniciativa com o "Projeto Quem És Tu, Passista?" de devolver mídia e espaço de comunicação aos protagonistas dessa dança redundou em uma necessidade das demais mídias também promoverem e divulgarem essa arte. Mais pesquisadores têm se debruçado sobre os mistérios desses personagens extraordinários do samba. A afirmação deles está aí! As fotos dessa matéria, ilustradas por verdadeiros "bambas da fotografia", incansáveis fotógrafos Alex Nunes e JM Arruda, são exemplo de gente com talento singular que tem voltado seu foco para esses artistas divinos do samba.

Foto: Alex Nunes

Quando Mayombe Masai, o "passista encantado", for corado na quadra da escola que se originou do lugar onde o samba foi embalado menino, algo importante acontecerá. Rei Mayombe representará a voz dos passistas que reinaram por tantos anos no carnaval e foram desprezados, lançados ao relento, como se nada representassem. Ele ostentará sobre si a coroa dos Dom Obás sambistas, dos passistas que sempre reinaram e nunca receberam a coroa. O Velho Estácio - glorioso Estácio, reduto do samba! - manifestará a sua autoridade de Leão do Samba para delegar a esse menino mágico, "passista encantado", a glória de sambar de verdade à frente de sua bateria, levantando a poeira e fazendo as vezes do mestre de cerimônias da escola.

E nós, amantes dessa dança divina, aplaudiremos e reconhecemos na grandeza de Mayombe Masai a "voz que não se cala", o "grito de Zumbi", a manifestação única e fascinante da figura do passista de carnaval retomando seu posto de "dono do samba', outrora confiado a personalidades alheias a essa festa por força do colonialismo cultural que alijou os nossos crioulos e mulatas dos requebros que a eles pertencem.

É justo que se mencione a presença da linda mulata passista Luana Bandeira a seu lado, fazendo par como deusa e rainha da bateria do Leão do Samba. Juntos, eles representam a dignidade dos passistas, a raiz do samba genuíno, a glória da batucada.

Salve, salve...Salve o Velho Estácio de Ismael, glória do samba brasileiro! Salve a arte genuína dos passistas de escola de samba!

Salve Luana Bandeira, divina musa e rainha da bateria vermelha e branca!

E salve o Rei Negro Mayombe Masai! Nossa reverência, nosso carinho, nossas palmas ao dono da coroa real do samba no pé!

Facebook Hélio Ricardo Rainho
Twitter @hrainho

 


Comentários
  • Avatar
    03/12/2014 12:25:34Gabriel CastroMembro SRZD desde 23/08/2010

    Ã? de fato uma conquista da classe personificada na figura de Mayombe Massai, indiscutivelmente um dos maiores passistas dessa geração de novos sambistas. Esperio que a simbologoa seja entendida e não somente aplaudida mas compartilhada para que nossa classe e espaço sejam respeitados e fortes como nunca foi.

  • Avatar
    01/12/2014 14:44:26Jorge TorquattoMembro SRZD desde 24/10/2013

    Achei Dignissimamente digno! Meu amigo e Irmão Sucesso hoje e Sempre! BrJorge Torquatto Rei Momo de Niterói

Comentar