SRZD



Rachel Valença

Rachel Valença

CARNAVAL. Carioca, historiadora, filóloga e jornalista. Mestre em Língua Portuguesa pela Universidade Federal Fluminense. Coautora do livro "Serra, Serrinha, Serrano: o império do samba". Pesquisadora do projeto de elaboração do dossiê "Matrizes do samba no Rio de Janeiro", para registro do samba carioca como patrimônio cultural do Brasil. No Império Serrano há 40 anos, foi ritmista e vice-presidente da escola.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



17/12/2014 08h26

Safra de 2015 revisitada
Rachel Valença

Assim que ficou pronta a gravação do CD dos sambas do Grupo Especial para 2015, gravamos nossos comentários. Era a primeira audição dos sambas e fiz questão de deixar claro que provavelmente minha opinião iria mudando, à medida que ouvisse mais vezes cada samba. E mudaria talvez ainda por ocasião dos ensaios técnicos, quando no contexto de um desfile os sambas ganham outra dimensão.

O processo já começou: com o CD na mão - em seu formato que parece imutável, sempre a mesma capa, a mesma contracapa, zero de inovação -, a gente fica ouvindo a toda hora, sempre que há um tempinho, sozinha ou na companhia de amigos que nos alertam para aspectos que não havíamos notado. E a opinião vai mudando.

Por isso, deixo agora as minhas segundas impressões sobre a safra de 2015.

Começo pelo excelente samba da Unidos do Viradouro, que creio que não pode ser comparado aos demais do disco, porque seu processo de criação difere muito dos demais: não foi composto a partir de uma sinopse, regra básica do gênero. Ao contrário, ele é que gerou sinopse. É genial e certamente dará ensejo a um grande desfile, mas na análise de composições do gênero é preciso ter cautela e atentar para precedentes que podem ser perigosos à sobrevivência do modelo em vigor.

Dito isso, continuo achando muitas qualidades nos sambas da Imperatriz, da Portela e da Beija-Flor. Este resume no último verso do refrão final ("resgata sua alma africana") o que urge fazer para se penitenciar de erros e desvios recentes e retomar uma trajetória de sucesso. A Portela, que também vive um momento de retomada, vem com aquela pegada leve e malandra que tem caracterizado seus últimos desfiles, num samba rico em jogos de palavras e citações felizes e de fácil absorção. Já o samba da Imperatriz cresce a meus ouvidos dia a dia.

Muito épico, como convém à homenagem a um herói, quebra o tom no final, de maneira feliz e inspirada, ao destinar ao preconceito o que ele merece, esta banana que se tornou tão simbólica dos recentes e lamentáveis episódios ocorridos em campos de futebol e fora deles. Com a brusca mudança de tom, é como se os poetas quisessem dizer que não há forma bonita e elegante de tratar atitudes desprezíveis de discriminação e intolerância. 

Os sambas da São Clemente e da União da Ilha têm subido de cotação no meu ranking pessoal a cada nova audição. No primeiro, o refrão final é muito bom e alguns achados poéticos emocionam os que conheceram e admiram o mestre Pamplona, que se foi há tão pouco tempo brilhar em outra dimensão. O samba da Ilha brinca o tempo todo com o tema, para no final, pouco antes do segundo refrão, revelar súbita sabedoria: "Vim sem nada pra vida, nada vou poder levar", mas ainda no tom alegre que o enredo requer e a tradição da escola aconselha.

Já os sambas de Mangueira e Vila Isabel por enquanto não melhoraram de conceito. Este último tem alguma coisa que soa artificial, talvez, na tentativa de comparação de universos tão distintos, uma sofisticação fora do tom. Alguns versos têm excesso de palavras, dificultando o canto. Torço para que minha sensação não se confirme no ensaio técnico e no desfile. No samba da Mangueira novas audições confirmam a previsibilidade das imagens poéticas. A letra é uma sucessão de lugares-comuns e só o carisma da escola nos garante a emoção ao cantar as queridas matriarcas. Ressalte-se a correta e elegante interpretação de Luizito.

Entre Salgueiro, Tijuca, Grande Rio e Mocidade, as duas últimas ainda conseguem um pouquinho mais do que as duas primeiras. Ao ouvir o samba da Tijuca, tenho a sensação, quase a certeza, de que já o conhecia, tal a obviedade da melodia. O do Salgueiro não emociona nem contagia. O hino da Grande Rio tem acertos na letra, com bons momentos de jogos de palavras, mas fica a dever em animação. E o samba da Mocidade, apesar dos esforços de Bruno Ribas, também está longe de ombrear com tantas belezas que a escola já nos proporcionou, principalmente pela ausência de frases completas, apresentando apenas uma sucessão de expressões como "é de enlouquecer", "a hora é essa", "eu já tou louco", "roda baiana", sem um nexo sintático que as costure numa narrativa de enredo. Apesar disso, há nele uma animação que, se for capaz de contagiar o componente e o público, mandará às favas o nexo e tudo o mais. Tomara.

Estou preparada para as reações a esses comentários e lembro que o que está aqui é apenas a minha opinião, que como disse lá atrás nem sequer é definitiva. É meu dever externá-la aqui. É o que se espera de um comentarista. Sei por experiência o quanto é penoso ouvir da boca de terceiros coisas negativas sobre nossa escola, mesmo quando no íntimo concordamos com elas. Daí a raiva que os comentários despertam às vezes. Que venha o tiroteio. Pior do que ele é ser condenado a ouvir por 82 minutos um mau samba.


Veja mais sobre:Carnaval 2015

Comentários
  • Avatar
    06/01/2015 11:46:26tucaMembro SRZD desde 11/08/2014

    Pôxa vida Luiz Claudio ainda bem que alguém conseguiu ver que na letra do samba da Portela tem muito mais de surreal do que apenas " e eu daqui feito Dali em traços te retrato surreal..." Tb acho surreal a águia querer abraçar alguém... por mais parecido que seja é surreal comparar a Guanabara com o corpo de uma formosa mulher...surreal tb é um jardim despertar delícias...o sentimento é surreal...ninguém versa um poema para o mar para impressiona-lo...surreal é achar que o mar se impressiona com isso enquanto ele está sonhando com uma garota... isso não é surreal?mar se impressiona? mar sonha? Um bairro que dá Tom? quem dá tom são as pessoas que o frequentam...isso não é surreal? Ver o Maracanã como uma nave tb não é surreal? Achar que o Rio é a morada para o Redentor tb não é uma visão surrealista?não é surrealista achar que Cristo mora no Rio de Janeiro? O resto é bater no peito,dizer que é carioca,de Madureira e Portela... Linda homenagem aos 450 anos do Rio de Janeiro... Quando a coisa é muito boa,não basta só aprecia-la...tem que procurar defeitos inexistentes,ou não percebidos para desqualifica-la...a inveja é um problema... Saudações portelenses!

  • Avatar
    04/01/2015 00:02:52julio_sanMembro SRZD desde 13/04/2009

    Ok.

  • Avatar
    01/01/2015 18:34:08Lidia CaldasMembro SRZD desde 06/05/2014

    JUlio_san ! Salgueiro tá no mesmo grupo dos sambas ruins ou sem NEXO ,onde tem Mangueira,Grande rio e União da ILha..

  • Avatar
    01/01/2015 10:15:11julio_sanMembro SRZD desde 13/04/2009

    Lidia, e o Salgueiro?

  • Avatar
    31/12/2014 16:49:01Lidia CaldasMembro SRZD desde 06/05/2014

    Sambas bons - Imperatriz, Portela ,Beija FLOR //// Sambas medianos "sambas funcionais " : Mocidade ,Vila Isabel , Tijuca e São Clemente //// Sambas ruins ou sem nexo : Grande Rio ,União da ILha ,Mangueira .. /// Samba sem avaliação (pois tem fusão de sambas da MPB ): Viraduoro

  • Avatar
    31/12/2014 16:47:21Lidia CaldasMembro SRZD desde 06/05/2014

    Sambas bons - Imperatriz, Portela ,Beija FLOR Sambas medianos "sambas funcionais " : Mocidade ,Vila Isabel , Tijuca e São Clemente Sambas ruins ou sem nexo : Grande Rio ,União da ILha ,Mangueira Samba sem avaliação (pois tem fusão de sambas da MPB ): Viraduoro

  • Avatar
    27/12/2014 09:02:27Alex Beija FlorMembro SRZD desde 29/06/2009

    Desde sempre, infelizmente, a administração e o desenvolvimento em Informática do SRZD são MUITO RUINS, cometendo erros básicos, absolutamente AMADORES. Por exemplo: usuários com mesmo nome, formulários que não funcionam, você faz login numa página e o sistema te carrega de volta para a página inicial... Coisa de amadores... Já troquei emails com o próprio Sidney Rezende sobre esses problemas, inadmissíveis num portal de notícias como pretende ser o SRZD... Tudo sem muito resultado...

  • Avatar
    27/12/2014 01:39:19Carlito BFMembro SRZD desde 16/11/2009

    Rachel, eu e o Julio e os demais interessados nesta materia esperavamos ler uma outra resposta da sua parte. Em um comercio, chega um cliente e pede informação sobre determinada mercadoria, e o vendedor não sabe informar. A resposta mais apropriada ao cliente seria a seguinte: eu realmente não sei lhe informar, mas vou procurar saber. E não deixar o cliente ir embora com a simples resposta eu não sei. Voltando a materia, vc tem acesso a pessoa que publica as materias. Seria de bom gosto ou mostrando uma certa consideração com seus leitores, procura-lo e pedir está informação: O que aconteceu com a terceira parte? Não custa nada a vc. Julio pediu ao SRZD, sem resposta. E eu peço novamente a vc. Tente ser uma boa comerciante. Obrigado.

  • Avatar
    26/12/2014 22:15:38Principe2015Membro SRZD desde 20/10/2013

    Caro Luiz, a letra do samba deixa a desejar e não enfoca o enredo, inclusive essa "unanimidade" em torno do samba está indo pro água abaixo, inclusive saiu uma matéria no jornal o dia que foi muito mais sensatas do que outras que saíram por ai.

  • Avatar
    26/12/2014 21:54:23Alex Beija FlorMembro SRZD desde 29/06/2009

    Ok, Julio_san, entendi agora, obrigado. Irei procurar essa reportagem. Estava afastado, trabalhando embarcado, com a internet muito ruim... Valeu!

  • Avatar
    25/12/2014 19:54:48Luiz ClaudioMembro SRZD desde 22/11/2010

    Príncipe2015, mais surreal que isso? "Guanabara Formosa Mulher", "Delícias de um Nobre Jardim", "Menino do Rio", "Princesinha do Mar", "Garota de Ipanema" e a "Nave da emoção nos contagia". O resto será exibido no desfile. Li em outro comentário que o enredo abstrato da Portela não era um dos melhores do carnaval. Uma coisa é você dizer: Enredo surreal do Alexandre Louzada. Outra é dizer: Enredo surreal do Paulo Barros. A diferença é que do primeiro o enredo é de difícil compreensão, já tudo que procede do Paulo Barros, provem de um gênio. Vá entender. Ao Príncipe2015, sugiro que leia novamente a letra do samba da Portela, só que com mais atenção. Eu prefiro não duvidar da competência dos cronistas. Posso concordar ou discordar, desqualificar nunca!!!

  • Avatar
    25/12/2014 11:51:58julio_sanMembro SRZD desde 13/04/2009

    Alex Beija Flor, talvez você não tenha tomado conhecimento, mas o site postou uma série de vídeos com análises dos sambas divididos em 3 grupos de 4 sambas cada, os mais fracos, os medianos e os que seriam os melhores na opinião dos articulistas do SRZD. E exatamente o vídeo com as análises dos sambas da Portela, Beija-Flor, Unidos do Viradouro e Imperatriz Leopoldinense até hoje não foi veiculado. Entendeu a que eu e o Carlito estamos nos referindo!?!?!?

  • Avatar
    24/12/2014 20:28:46Alex Beija FlorMembro SRZD desde 29/06/2009

    Ué???!!! Mas os tais sambas que estariam faltando já não foram comentados no 2º parágrafo do texto???

  • Avatar
    22/12/2014 22:37:37julio_sanMembro SRZD desde 13/04/2009

    Então com a palavra o SRZD. Cadê???

  • Avatar
    22/12/2014 13:59:47Principe2015Membro SRZD desde 20/10/2013

    Valeu Rachel, iremos aguardar a divulgação.

Comentar