Social


Carnaval

18/02/2015 13h50

Escolas-mirins encerram os desfiles oficiais na Marquês de Sapucaí

Rodrigo Ribeiro*

Petizes da Penha. Foto: Rodrigo Ribeiro/SRZD-Carnaval

Na tarde/noite desta terça-feira, as crianças foram verdadeiras donas da Sapucaí por conta do desfile das dezesseis agremiações integrantes da AESM-RIO encerrando assim a temporada de desfiles oficiais no Sambódromo. Com um público estimado em 20.000 pessoas, todos viram enredos criativos e bem desenvolvidos pelas escolas que assim como suas escolas-mãe, se preparam ao longo do ano para apresentar um belo espetáculo.

Com o enredo "Penha: um canto de amor a vida na voz da nossa petizada", a Petizes da Penha foi a terceira escola a desfilar contando as belezas do bairro com seus espaços, tradições e costumes. Ao contrário da Herdeiros, a Petizes foi prejudicada pela chuva mas mesmo assim fez um desfile digno com seu abre-alas representando a igreja símbolo do bairro. Em seguida a Império do Futuro apresentou enredo "Rio Maravilha, nós gostamos de você", a primeira das varias homenagens aos 450 anos da cidade. Mesmo com alegorias simples, as crianças da Serrinha não fizeram feio e mostraram muita disposição, com destaque ao 1º casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira, Matheus e Larissa que desfilaram no último setor da escola.

- Clique aqui e veja galeria especial de fotos dos desfiles das escolas mirins

Planeta Golfinhos da Guanabara. Foto: Rodrigo Ribeiro/SRZD-Carnaval

Os desfiles foram abertos pela Planeta Golfinhos da Guanabara que apresentou o enredo "Chapéu" numa curiosa e divertida viagem para conhecer esse objeto tão presente no nosso dia-a-dia. A escola desfilou com alegorias e fantasias bem simples, mas seus componentes mostraram muito samba no pé. Uma alegre comissão de frente com mágicos e suas auxiliares apresentou a escola tirando o famoso coelho da cartola. Em seguida, a Herdeiros da Vila pisou firme na avenida reeditando o enredo "Direito é Direito"que foi apresentado pela escola-mãe em 1989. As crianças da comunidade do Morro dos Macacos não sentiram a forte chuva que caiu durante parte do desfile e nem suas alegorias foram prejudicadas. Os destaques ficaram por conta do interprete Juan Briggs e da mestre de bateria Erica Santos, 1ª mulher a comandar uma bateria de escola de samba. Seus 130 ritmistas executaram excelentes paradinhas, todas encaixadas dentro da melodia do samba.


A Filhos da Águia homenageou o lendário Paulo da Portela reeditando " Teste ao Samba" composta pelo próprio para o carnaval de 1939. No entanto seu desfile deixou a desejar nas alegorias apresentando somente um modesto abre-alas. Os destaques ficam por conta de Marisa Monte apresentando a escola, a comissão de frente tradicional dos antigos carnavais com fraque e cartola, Nilce Fran comandando as passistas mirins e Armando Marçal apresentando o mestre de bateria Marlon Costa mostrando que a tradição da "Tabajara do Samba" será mantida.

Tijuquinha. Foto: Rodrigo Ribeiro/SRZD-Carnaval

Énica escola que não é julgada no desfile da AESM-Rio, a Ainda Existem Crianças na Vila Kennedy apresentou uma homenagem aos 450 anos da cidade apresentando a historia do carnaval com o enredo "Do profano ao Sagrado". Belas alegorias e fantasias bem acabadas foram o destaque a escola da zona oeste que também desfilou com um grande numero de componentes. A sétima escola da noite foi a Tijuquinha do Borel que pisou na Sapucaí mantendo a qualidade dos desfiles da escola-mãe. Com o enredo "Portal das delicias - Uma saborosa viagem ao redor do mundo", a escola fez uma viagem culinária com fantasias de fácil leitura e belas alegorias. O 1º casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira foi apresentado por Julinho, mestre-sala da Unidos da Tijuca e Rute Alves, seu par, apresentou o 2º casal, Matheus e Flora que é filha de Arlindo Cruz e Babi, ex-porta-bandeira de diversas escolas do carnaval carioca.

A oitava escola a desfilar foi a Corações Unidos do CIEP com o enredo "450 anos de uma cidade que continua apaixonante e apaixonada", a laranja, amarelo e branco apresentou em seu desfile a história de vida de mulheres que emprestaram suas trajetórias para o crescimento da cidade e seu nome. Destaque para sua comissão de frente composta por acrobatas. Em seguida a Miuda do Cabuçu falou sobre a preservação da natureza com o enredo "Rios, mares, cachoeiras e cascatas. Onde estão nossas matas?" com um desfile simples onde principal destaque ficou por conta da bateria do Mestre Yan Capoeira, filho do Mestre Capoeira do Império da Tijuca que mostrou possuir o mesmo dom de seu pai ao comandar com firmeza e competência seus ritmistas.

Pimpolhos da Grande Rio. Foto: Rodrigo Ribeiro/SRZD-Carnaval

Numa livre adaptação da musica "Meu Guri", de Chico Buarque, a Pimpolhos da Grande Rio apresentou o enredo "Meu guri - A imagem da criança do meu Brasil" de uma forma bem lúdica, colorida e criativa. O casal de Mestre Sala e Porta-Bandeira Lincon e Tatiana deram um espetáculo a parte bem como a bateria do Mestre Fafá com seus 170 ritmistas, a maior da noite. O público foi ao delírio com paradinhas acompanhadas de liras. Com uma homenagem a todas co-irmãs mirins, a Inocentes da Caprichosos foi para avenida com o enredo "Se essa avenida fosse minha, eu mandava iluminar com as cores das escolas para garotada desfilar". Destaque para pequena Mari Endreon, rainha da bateria que tem apenas 6 anos de idade mas com samba no pé de dar inveja a muita beldade do carnaval.

Uma viagem ao Brasil guiada por Carmem Miranda: foi assim que a Mangueira do Amanhã pisou na Sapucaí com o enredo "E o meu Brasil tem Chica Chica Boom" com seu verde-e-rosa predominando nas fantasias e alegorias mantendo assim suas tradições. Sua ala de passistas foi a melhor da noite com a meninas dando conta do recado. Na bateria, Mestre Hudson mostrou muita ousadia com suas paradinhas que sacudiram as arquibancadas.

Em mais uma homenagem aos 450 anos do Rio, a Infantes do Lins mostrou o enredo "Rio 450 - Belezas da Cidade Maravilhosa" retratando os principais pontos turísticos da cidade como o Corcovado, Morro da Urca, Copacabana, entre outros. Mesmo com aquém das suas concorrentes, seus componentes compensaram isso com muita garra e vontade ao longo de todo desfile. A Nova Geração do Estácio de Sá apresentou o enredo "Era uma vez, um menino com cabelo de algodão" em homenagem ao cartunista Ziraldo, criador do "Menino Maluquinho" e que esteve presente na avenida desfilando logo atrás da comissão de frente. Outro destaque foi a bela voz da interprete Tathiane Carvalho que cantou o samba de maneira primorosa.

Aprendizes do Salgueiro. Foto Rodrigo Ribeiro/SRZD-Carnaval

Os Aprendizes do Salgueiro foi a penúltima escola da noite com o enredo "O que é que os Aprendizes tem? Tem Carmem Miranda tem!" na segunda homenagem feita a "pequena notável"na noite de desfiles. A comissão de frente comandada por Carlinhos Coreógrafo apresentou um espetáculo digno das grandes escolas, bem como o 1º casal de Mestre-Sala e Porta-Bandeira, Luan e Leticia que dançaram a leveza e graciosidade de veteranos mostrando que o Salgueiro já tem uma dupla pronta para os próximos anos. A noite foi encerrada pela Estrelinha da Mocidade que reeditou o enredo "Para sempre no seu coração - O carnaval da doação" apresentado pela escola-mãe no desfile de 2003. Os doutores da alegria da comissão de frente empolgaram o público, assim como as tradicionais paradinhas da sua bateria que mesmo com poucos componentes, deu conta do recado.

* Colaborador do SRZD