SRZD



Tunico da Vila

Tunico da Vila

CARNAVAL. Cantor, compositor, percussionista, bi-campeão pelo Grupo de Acesso e tri-campeão do Grupo Especial do Carnaval carioca pela Vila Isabel.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



14/04/2015 17h01

O caminho da vitória ou da queda
Tunico da Vila

Passado o desfile das escolas de samba e a apuração na quarta-feira de cinzas, algumas notas receberam protestos dos integrantes das escolas.

No caso da bateria, por exemplo, muitas delas colocaram o instrumento Repique Mor e excluíram vários repiques que estamos acostumados a ver. Algumas baterias colocaram chocalhos demais esquecendo que chocalhos sobram demais e não deixam o som ficar uniforme. Algumas escolas colocaram surdos tão finos que o som é demasiadamente agudo, fazendo com que percam peso mais grave dos antigos centradores e também a característica da bateria da escola. Algumas passam quase a metade dos sambas fazendo bossas e paradinhas, o que dificulta muito o canto e atrapalha, e muito, o quesito Harmonia.

Alguns sambas-enredo perderam décimos importantes e, na minha opinião, a nota 9.9 recebida pela Viradouro foi injusta porque eu achava o samba impecável. Era uma obra para tirar nota máxima.

Alguns sambas são pequenos demais e empolgam, mas não explicam o enredo. Outros sambas eram grandes, tinham mais letra do que melodia, e mesmo assim deixavam a desejar na explicação do enredo e faziam a plateia dormir enquanto a escola desfilava.

Existe uma quase obrigatoriedade dentro das escolas de samba de fazerem sambas pequenos e empolgantes. Esses sambas perdem pontos valiosos, já que a obrigação do samba é explicar o enredo e fazer o desfilante cantar e saber o que a escola está tentando mostrar na Avenida. Essa quase obrigatoriedade é das escolas e não da Liga Independente.

Ah, tinha sambas com licença poética, que é um crime em termo de samba-enredo.

Colocar a culpa no compositor é bem mais fácil. Difícil é assumir que o enredo é ruim, o que dificulta os compositores na hora de compor. Que o digam cabelo, manga larga, iogurte e etc.

Sapucaí. Foto: Divulgação Riotur

Algumas fantasias eram pesadas demais, impedindo uma evolução perfeita de seus componentes e alguns passaram mal no calor surreal do Rio de Janeiro. Baianas, bateria, componentes de ala e passistas sofreram esse ano.

Algumas escolas integraram o casal de mestre-sala e porta-bandeira com a comissão de frente e isso atrapalha muito esses dois quesitos. Teve porta-bandeira que pegou fogo, literalmente, na Avenida.

Algumas alegorias caíam aos pedaços na Avenida, eram pequenas demais, mal iluminadas e tinham péssimo acabamento. Outras eram tão pesadas que acabaram quebrando em plena Sapucaí, atrapalhando o andamento da escola e causando aquela correria que estamos acostumados a ver no final do desfile. Faltou precisão na hora de calcular peso nos eixos das alegorias.

Será que a culpa é do jurado?

Acho sinceramente que alguns diretores e departamentos de carnaval deveriam aprender um pouco mais seu ofício, porque recebem um bom dinheiro para isso. O problema é que o aprendizado requer humildade e humildade é uma coisa muito rara hoje em dia no Carnaval em algumas agremiações.

Os carnavalescos e pesquisadores deveriam pesquisar mais seus enredos para que não escolham um enredo ruim para todo o contexto.

Concordo que alguns jurados deveriam reciclar para que julguem decentemente sem notas absurdas, mas isso não é a grande maioria.

Todas as escolas de samba já foram beneficiadas e também muito prejudicadas por conta do surto de algum jurado.

É preciso ter um presidente que saiba dizer que errou, porque assumir os erros não é tarefa fácil para qualquer um, e para ser presidente tem que ser, não por seu próprio sonho ou vaidade, e sim por sua competência para exercer tal cargo.

Uma escola de samba que saiba o seu ponto fraco é uma séria candidata a fazer um grande Carnaval no próximo ano.

A força de uma grande escola de samba é sem dúvida o seu chão. E não respeitar o seu próprio chão é caminhar a passos largos para o Grupo de Acesso no próximo ano.

Já curtiu a página do SRZD-Carnaval no Facebook?

 



Comentários
  • Avatar
    18/04/2015 03:06:47Neiva AlencarMembro SRZD desde 17/10/2013

    Perfeito amigo Tunico,excelente texto! Tomara que os "poderosos" leiam,entendam e apliquem porque a situação está cada dia mais difícil! Pro componente,aquele que doa seu sangue para a sua escola é deprimente e desanimador. Já passou do tempo de mudar isso,esse é o caminho. Parabéns!

  • Avatar
    17/04/2015 09:19:52Tunicotunico da VilaMembro SRZD desde 08/09/2013

    Sim...falta mesmo...ainda mais quando colocam pessoas que não entendem de harmonia.Isso é o que dá quando pronetem cargos a pessoas demais com departamentos de menos. Valeu Fabian

  • Avatar
    15/04/2015 00:09:56fabianMembro SRZD desde 28/04/2012

    Parabéns Tunico pelas palavras. Destacaria a presença da humildade entre as pessoas no samba, o que realmente está faltando no carnaval. Eu particularmente percebo que não importa o seu cargo em uma escola há pessoas que mesmo sendo mestre sala, porta bandeira,carnavalesco é até mesmo con diretor de carnaval e harmonia seja em grupo especial,série a,b,c... A falta de humildade e simpatia estão ficando "extintas".Mais sem deixar de falar da Viradouro prejudicada pela chuva, porém fez um espetáculo a parte em abrir o carnaval do Rio.Grande abraço!

Comentar