SRZD


11/05/2015 20h12

Leia a sinopse do enredo da Unidos de Padre Miguel para o Carnaval 2016
Redação SRZD

A Unidos de Padre Miguel divulgou, nesta segunda-feira, a sinopse do enredo "O Quinto dos Infernos", que, mais uma vez, será desenvolvido pelo carnavalesco Edson Pereira.

No próximo sábado, dia 16, às 16h, Edson e o pesquisador André Miranda, que colabora com ele na construção do enredo, vão apresentar o material aos compositores.

Leia abaixo a sinopse:

O Quinto dos Infernos

Estória tirada da História.

Reflexão humorada do povo de quem tudo se arranca, menos a alma.

Uma fábula sobre o tamanho da mordida, sobre o tanto que nos tiraram e tiram.

Reinconfidência! A Unidos é a irresignação do povo. Prontinha para refundar o Brasil. Liberdade ainda que folia!

Sim, corremos perigo. Nossa fábula pode custar cabeças e mutilação. Mesmo nos dias de hoje é um ato de insurreição! Os personagens de nossa estória - políticos, burocratas e vendilhões - são ainda personagens que encontramos nos salões.

Meditação com cabimento que não pretende ser lamento.
O tamanho da mordida (um quinto? vinte e sete e meio?) deixa a vida ser vivida? Olho vivo em quem disfarçando seus farrapos com as imagens dos retratos, finge pompa e circunstância para disfarçar a ganância...

Estávamos aqui quando chegaram. Esposaram as mulheres e contaram com hospitalidade. Tomaram de início as árvores. Encantados com a cor da madeira, chamaram-nos Brasil. Restou-nos o ardor que abrasa nossos corpos tropicais.

Quiseram também as almas. As almas puras da gente "dos infernos". "Infernos". Porque terras assim tão quentes incomodaram à gente tão fria.

Banharam-nos de sangue e exportaram o doce de nosso açúcar. Deixaram-nos a "massa negra" com a qual orgulhosamente forjamos nossos corpos e nossos hábitos.

Acorreram em quantidade quando o amarelo do ouro brotou nos aluviões da ribeira. Mas reduziram a beleza das minas aos limites da datação. E quiseram mais. Quiseram o quinto. Essa parte grande do seio de nossa terra. Acharque de nossa inocência que fez bradar lá e cá: o Quinto dos Infernos. Quiseram a finta, a capitação, e para que nada ficasse de fora: a derrama. E o sonho, em partes de carne do alferes, dependurou-se silente diante da liberdade.

Um rei frouxo chega ao largar seu reino e depois parte deixando um outro. Que louco! Pressionado pela Capital, esvazia nossos cofres e retorna a Portugal. E o povo, com seu trabalho, vê forjar-se a mãe gentil cunhando nessas terras a independência do Brasil...

O problema, que é bem atual, é retratado simbolicamente pelo período colonial.
História repetida pelos motivos da vida. Testemunhada antes por índios e bandeirantes. E como hoje nos privam de novo, a Unidos conclama o povo!

O povo, sempre alferes, com a corda no pescoço! O povo que rói o osso.
Em nosso protesto folia, travestido de carnaval, a Unidos manda aos quintos a ambição infernal. A quem não trabalha ou inventa o povo não sustenta!

Somos povo brasileiro. A alma de nosso sorriso não se mede por dinheiro. Folião é cidadão e exige mais do que pão.

Nossa "marseillaise" é o samba que "derrama" hoje por esta cidade um sonho de igualdade.
E a Unidos, reinconfidente, troca cicatrizes históricas pela redenção de nossa gente!

Já curtiu a página do SRZD-Carnaval no Facebook?

 



Comentários
  • Avatar
    12/05/2015 09:43:45Cláudia BauerMembro SRZD desde 19/01/2013

    João e Guilherme, definitivamente depois da sinopse da UPM e da Tuiuti (que foi divulgada dias antes) eu vou prestar atenção muito mais ao acesso do que no especial. Como as escolas não têm o rabo preso (como o João disse), então elas são muito mais livres para escolher seus enredos. Tuiuti com um ótimo tema. UPM nem se fala. Já ouvi falar que parece que a Caprichosos vai contratar o Luiz Fernando Reis. Imagina o nível do acesso esse ano? Sinceramente vai ser muito bom.

  • Avatar
    12/05/2015 09:22:08Guilherme BorgesMembro SRZD desde 13/10/2012

    Parabéns a Unidos pela bela sinopse. Grupo de acesso nada mais é que isso: brincar. Sinto que o Déo Pessoa está caminhando pra o resgate do carnaval perdido com um regulamento mais flexível, sem aqueles quartéis robóticos que aparecem na Rede Globo de televisão. Se assim continuar, será uma grande vitória da Lierj. Já que o grupo especial não pode, vamos resgatar no acesso e fazer diferença. Trabalhar como nos antigos carnavais, por amor, como pode e brincar muito na avenida. UPM arrebentando mais uma vez na sinopse e quem venha um bom samba e a repetição de grandes carnavais apresentados.

  • Avatar
    12/05/2015 09:11:55João SilvaMembro SRZD desde 18/08/2010

    Esse tema, criativamente construído, aliás, é uma bucetada na cara das larápias mendigas. Eu vou começar o comentário com outro comentário que vi num outro site: "eu já tinha até esquecido como era carnaval" Ã? isso mesmo. O autor dessa frase, diante dessa interessante ideia da UPM, lembrou que carnaval é, sobretudo, uma festa que nasceu para inverter situações e também zoar com o sistema. Momo foi expulso do Olimpo porque era um zoador. Não é à toa que virou rei dessa insana folia. Padre Miguel resgata temáticas que retratam nosso dia dia metendo o bedelho satiricamente no poder e nos poderosos. Vi até gente contestando a sutileza do texto. Ora, existem recursos que não precisam deixam expor com objetividade o que realmente se deseja dizer. Pra que se "sujar" tanto? Há caminhos inteligentes que se possa percorrer até chegar ao objetivo comum sem precisar dá um tiro no próprio pé se fudendo. O que mais me espanta é que um tema como estes será feito no acesso. Também pudera. Lá, a grana é curta, não tem governo Federal nem petrobrás bancando. Ninguém tem rabo preso, pelo contrário, o o rabo fica bem solto. Ai você pode assistir carnavais como este. No grupo especial o que reina é o engessamento. Escolas portentosas nas quais são rios de dinheiro, mas desfilando temas medíocres, vendidos a empresários, a gente vaidosa, aos midiáticos, até pra cavalos. Essa foi minha decepção com a sinopse do Salgueiro. Não foi tão malandra quando eu esperava. Ã? tudo chatamente bem didático nesse grupo especial. Descritivos quase wikepedianos. Fazem apologias a tanta coisa desinteressante que acabaram elas, as vagabundas baixa calcinha, também desinteressantes. Estão matando não apenas a essência do carnaval, mas também se mutilam destruindo suas identidades em nome de grana fácil. Fudidas! Parabéns UPM. Quem dera vê-los chegar ao especial e continuar assim.

  • Avatar
    11/05/2015 21:38:19Cláudia BauerMembro SRZD desde 19/01/2013

    "Sim, corremos perigo. Nossa fábula pode custar cabeças e mutilação. Mesmo nos dias de hoje é um ato de insurreição! Os personagens de nossa estória - políticos, burocratas e vendilhões - são ainda personagens que encontramos nos salões". Ã?, parece que o Edson está adivinhando o que vai acontecer com a escola. Espero que tudo dê certo. Enredos críticos são necessários para a reciclagem do carnaval, que hoje é uma festa engomada demais pro meu gosto.

  • Avatar
    11/05/2015 20:52:07Cláudia BauerMembro SRZD desde 19/01/2013

    Senhores carnavalescos do meu Brasil varonil, senhoras e senhores amantes do carnaval, isto é uma sinopse. Perfeita, perfeita, perfeita. Curta, claríssima, inspiradíssima, objetiva, sem dar voltas ao mundo. Só de ver a logo eu já ri. Sabe o que é você esperar a próxima linha? Ã? isso o que eu quero. Edson, perfeito, parabéns milhões de vezes. Emocionada por você. Fala sobre o tempo da colônia, mas esse é o nosso Brasil. Esperei tanto pra ver isso. Tá parecendo enredo do Fernando Pinto, gente, não é sensacional? Nossa, eu vou ficar esperando altamente o desfile da UPM porque eu tenho CERTEZA que vai ser um arraso. João, cadê você????? Veja o que é essa maravilha!!!!

Comentar