SRZD



Joan Amato

Joan Amato

SAÚDE ESPORTIVA. Formada em 2002 pela UERJ, iniciou a carreira como médica intensivista. Para tratar as pessoas fora do hospital, fez pós-graduação em medicina do esporte e tornou-se especialista em Nutrologia. É membro da International Society Of Sports Nutrition. Por adorar escrever, fundou o site Nutroesporte.com.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



16/07/2015 14h49

Partiu uma cerveja?
Joan Amato

Há algumas semanas, houve uma prova de triatlon no Recreio dos Bandeirantes e muitos atletas confraternizavam depois, tomando uma cerveja nos quiosques. Pode parecer um contrassenso ingerir bebida alcoólica depois de uma competição, já que o álcool desidrata quando consumido em grandes quantidades, ou pela imagem "atleta e álcool" não combinar, apesar das cervejas serem grandes patrocinadoras de eventos esportivos. Então, fica a questão: dá para tomar cerveja depois de um treino ou competição?

Yes, you can! Sim, pode. Alguns trabalhos científicos já mostram até benefícios da cerveja na hidratação pós-treino. Porém, a quantidade é limitada e moderada por causa do álcool. O álcool realmente desidrata, mas o consumo moderado não traz prejuízo ao organismo. Quando falamos de consumo moderado, falamos da quantidade preconizada pela OMS (Organização Mundial de Saúde): 3 doses para homens e 2 para mulheres. Cada dose equivale a 10mg de álcool puro e podemos encontrar esta quantidade numa latinha de cerveja, numa taça de vinho ou numa dose de bebida destilada (whisky ou vodka).

Foto: Reprodução de Internet

O álcool é um diurético e, por isso que quando bebe-se muito, tem-se vontade de ir ao banheiro toda hora. Após o exercício, o uso moderado de álcool não dispara a resposta diurética porque o corpo perdeu água e sais minerais, ativando mecanismos que vão bloquear a ação do álcool nos rins e evitar a perda excessiva pela urina. Claro que essa regulação depende do grau de desidratação depois do exercício ou da quantidade de álcool consumida.

A cerveja é a bebida alcoólica mais estudada nos protocolos de reidratação. Ela apresenta sais minerais, vitaminas do complexo B e carboidratos na sua fórmula e o consumo moderado relaxa os vasos sanguíneos, promovendo diminuição da pressão arterial. Também apresenta substâncias que agem como antioxidantes. Juntando tudo isso, o resultado é a reposição das perdas que acontecem durante o treino.

Um trabalho da Universidade Autônoma de Barcelona, realizado em 2011, mostra que existe benefício na hidratação pós-treino seja com consumo de água ou de cerveja. Agora em 2015, foi publicado outro estudo utilizando a cerveja na reidratação pós-treino em ambientes quentes, por volta dos 35ºC, semelhante a temperaturas que vemos em jogos de futebol no verão. Os participantes (todos homens) correram em esteira, num ambiente com a temperatura controlada, por aproximadamente 50 minutos. Ao final do treino, consumiram 660 ml de cerveja (uma garrafa grande) e água. Os índices mostraram que não houve diferença entre o grupo que consumiu água e o grupo que consumiu cerveja e água, mostrando que a cerveja e o álcool nessas quantidades não trazem prejuízo ao corpo.

Existem outros estudos, menores, que testaram cerveja sem álcool e também mostraram benefícios, mas da composição da cerveja em si. No mercado brasileiro, encontramos uma cerveja sem álcool, com proteína e aminoácidos de cadeia ramificada (BCAA, branched Chain aminoacid), além de vitaminas do complexo B. A composição é diferente da composição dos isotônicos mais conhecidos do mercado e que são geralmente consumidos para a hidratação após o exercício. Essas bebidas esportivas têm, em média de 6-12g de glicose, com eletrólitos e sem proteínas. A cerveja esportiva tem 31g de carboidratos, 2g de proteína na forma de BCAA, eletrólitos e vitaminas. Nos EUA, existem isotônicos com quantidade de carboidratos semelhante a desta cerveja, mas sem adição de proteínas. No Brasil, esta marca de cerveja se aproxima mais de suplementos de recuperação, com relação de 4:1 de carboidratos para proteínas, mas com diferenças no tipo de carboidrato e no tipo de proteína.

Portanto, confraternizar após uma prova de triatlon, tomando uma cervejinha no quiosque não é de todo mal, uma vez que ela pode ser uma alternativa saudável para a reidratação pós-treino. Só lembrando: beba com moderação!


Veja mais sobre:SaúdeCerveja

Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.