SRZD


28/07/2015 20h44

A realidade do pagamento de cargos nas escolas de samba
Redação SRZD

Os admiradores do Carnaval e frequentadores de quadras de escolas de samba sabem que o número de mulheres talentosas e com samba no pé nas comunidades não é baixo.

Muitas meninas praticamente nascem e se criam dentro das quadras e, ao longo do tempo, vão se aperfeiçoando na arte de sambar e de lidar com os frequentes flashes. A maioria se torna passista, porém, não consegue realizar o sonho de desfilar em posições com mais glamour. O motivo? Os cargos, na maioria das agremiações, são pagos. Quem fez a afirmação ao SRZD foram algumas personalidades do mundo do samba, há anos no Carnaval carioca, que já passaram ou presenciaram tal situação. Os nomes delas serão preservados.

O fato não é novo no ramo do Carnaval, mas pouco é comentado ou discutido. Normalmente, a diretoria das escolas pede que as musas e rainhas não toquem, em público, no assunto "pagamento de cargos", que ainda é tratado como tabu.

- Clique aqui e saiba tudo sobre o Carnaval carioca

Foto: Reprodução de Internet

Uma das musas ouvidas pelo SRZD afirmou que o fato acontece tanto em escolas do Grupo Especial, quanto na Série A. "O Grupo Especial virou um comércio e um teatro", disse. Ela é contra o pagamento dos cargos por não dar oportunidades para que novos talentos sejam revelados, como as jovens que crescem e brilham nas quadras. "És vezes, a pessoa tem dedicação, tem amor, mas só desfila nestes cargos se tiver como patrocinar e ajudar a escola financeiramente. As que pagam para desfilar muitas vezes não sabem nem cantar o samba, são pessoas que você percebe de longe que não frequentam os ensaios".

Embora se posicione contra, a musa diz que não condena as rainhas e musas que tenham condições de contribuir, de alguma forma, com a escola. "Eu não tenho condições de pagar, mas tento sempre ajudar de outras formas. Quero que a escola apareça, tenha mídia", afirmou.

Segundo ela, os presidentes deveriam rever o assunto e levar em consideração as "sambistas de verdade" que não conseguem um cargo mais alto porque "não têm como pagar". "Algumas meninas não têm dinheiro nem para comprar uma sandália para usar nos ensaios. Eles deveriam olhar mais para o povo da comunidade, porque é ele que faz a escola", concluiu.

Uma ex-rainha de bateria também disse ao SRZD que o pagamento de cargos nas escolas é comum, e ela mesma pagou mais de uma vez para conseguir um lugar de maior destaque no desfile. "No final das contas, quase todas pagam. Mas ainda há exceções. O valor varia quando se trata de Grupo Especial e Acesso, e musa e rainha. Tem preços absurdos, tipo R$ 350 mil um cargo de rainha de bateria no Grupo Especial, e R$ 60 mil de musa", revelou.

Segundo ela, "a realidade é pagar". "Isso torna o Carnaval um comércio. Qualquer pessoa que pagar mais, mesmo que não saiba sambar, vai conseguir desfilar", disse.

Desanimada, a ex-rainha acredita que o fato não vai mudar e vai continuar a ser corriqueiro nas agremiações. "Vai piorar. Isso tomou uma proporção tão grande que não tem como reverter. Mas, pega a gente pelo coração. E acabamos pagando caro por isso".

Ainda segundo ela, o mínimo que deveria acontecer por parte da diretoria das escolas é oferecer os cargos às mulheres que têm talento e samba no pé, já que elas ainda precisam bancar fantasias e todos os custos que os cargos acarretam. "Por isso surgem cada vez mais nomes desconhecidos no Carnaval".

Outra musa também afirmou ao SRZD que há pagamentos de cargos nas escolas. E ela reforça a posição contrária sobre a prática. "Acho que a prioridade é dar oportunidade a quem tem talento e manter essas crias", disse, se referindo às jovens que crescem frequentando as quadras e têm reais condições de ocupar cargos de mais destaque, representando com dignidade a escola de coração.

Por outro lado, ela também concorda que musas e rainhas que têm a oportunidade de contribuir com a agremiação, o façam, mas sem serem obrigadas a pagar para desfilar. "Não deveria ter este tipo de imposição".

Já curtiu a página do SRZD-Carnaval no Facebook?

 


Veja mais sobre:CarnavalRio de Janeiro

Comentários
  • Avatar
    03/08/2015 02:05:02ROBERTOMembro SRZD desde 11/04/2009

    Amiga Ana Carolina discordo de você, porta bandeira, mestre sala, diretor de bateria tem contrato remunerado com a escola e a escola que paga esses profissionais.

  • Avatar
    29/07/2015 11:10:09TijucaMembro SRZD desde 30/11/2009

    Concordo quando o tocante é uma pessoa da comunidade, mas acredito que não teriam os recursos necessários para banca sua fantasia que no minimo é R$ 50 mil. No caso das famosas normalmente se gasta bem e tem retorno na mídia , pois aparecem para o mundo inteiro e podem ser chadas para fazer vários trabalhos.Tem uma rainha que ñ tinha amor por escola alguma e só queria aparecer mesmo para os trabalhos.........

  • Avatar
    29/07/2015 10:53:35Ana Carolina SampaioMembro SRZD desde 17/11/2009

    Para ser porta bandeira tmb é a mesma coisa , enquanto isso quem é da comunidade , ama a escola , frequenta os ensaios fica de fora , na arquibancada (quando consegue convite ) e assiste sua escola desfilar com essas pessoas que pagam e muito bem para estar ali e que muitas das vezes não tem talento nenhum. O verdadeiro sentido do carnaval está acabando, o samba realmente sambou , é uma pena.

  • Avatar
    29/07/2015 10:05:20fbressiguierMembro SRZD desde 28/07/2015

    como bem já cantou o Império Serrano "SUPER ESCOLA DE SAMBA S.A" excluidndo gente bamba... e por aí vai.

  • Avatar
    29/07/2015 09:16:57da_mudaMembro SRZD desde 28/07/2010

    E até parece que pra ganhar samba-enredo é diferente..já não teve presidente dizendo que o samba não era importante e que só servia para cantar naquele ano....então aonde está a novidade....tirando a velha-guarda que ainda não foi corrompida o restante já se conhece.

Comentar