SRZD


25/09/2015 21h13

Auditores fiscais do trabalho encontram alojamento irregular no Rock in Rio
Redação SRZD

Auditores fiscais do Ministério do Trabalho e Emprego (MTE) encontraram, na manhã desta sexta-feira (25), a existência de alojamento irregular de trabalhadores no Rock in Rio 2015.

Após análise de documentos, verificação física e entrevistas, foi localizado um depósito, na sede administrativa do evento, e cedido à empresa Garrana para guarda de utensílios, no qual trabalhadores terceirizados estavam dormindo. De acordo com o balanço divulgado, eram cerca de 15 trabalhadores dormindo sobre papelões, em meio a materiais de limpeza, documentos da empresa e restos de alimentos.

Foto: Leitor SRZD

Todos já estão sendo ouvidos pela Fiscalização do Trabalho, em conjunto com o Ministério Público do Trabalho. Entre as irregularidades detectadas, existe jornada de trabalho acima da contratada, em turnos sucessivos.

Cooperativa irregular - As ações do MTE começaram no dia 18, no primeiro dia do Rock in Rio, que termina no próximo domingo (27). Segundo a fiscalização do trabalho, a cooperativa Socitex utilizava trabalhadores contratados de forma irregular para exercer sua atividade, agindo assim como intermediadora de mão de obra. A entidade deveria, na verdade, ter utilizado seus cooperados.

Foto: Leitor SRZD

Além disso, foi observado pela fiscalização que muitos dos trabalhadores também estavam dobrando os turnos de serviço, sem intervalo. Após reunião da equipe com a organização do evento, e audiência no Ministério Público do Trabalho, a empresa Rock World, organizadora do evento, comprometeu-se a contratar todos os trabalhadores da cooperativa, para atuação até o final do evento. 

Outras ações - As equipes de auditores fiscais do trabalho continuam em ação. Foi verificado que trabalhadores ambulantes da rede Bob's estavam carregando mercadorias de forma irregular, sem meios adequados. Outro problema foi o acesso de técnicos às torres de iluminação do Palco Mundo.

Também foi verificado que vários trabalhadores terceirizados da limpeza, da empresa Sunset, estavam sem registro em Carteira de Trabalho e sem recebimento de vale-transporte. Não havia ainda vestiário adequado, com trabalhadores colocando uniforme no estacionamento do Festival.

As empresas serão também notificadas à apresentação de documentos e poderão ser autuadas pelas condições de trabalho verificadas.

No final do evento será divulgado o resultado das fiscalizações.

Foto: Leitor SRZD

A assessoria do evento enviou nota de esclarecimento ao SRZD sobre o caso. Leia a seguir, na íntegra:

"A organização do Rock in Rio contrata mais de 250 empresas terceirizadas, que cuidam das atividades de limpeza, segurança, alimentação etc. São cerca de 16 mil pessoas trabalhando no evento. Todos os esforços são feitos pela organização para que as condições de trabalho e segurança dos milhares de empregados dessas empresas sejam garantidas, disponibilizando, inclusive, espaço adequado para que a fiscalização do Ministério do Trabalho, além de outros 30 órgãos públicos, atuem durante o evento, auxiliando nesta tarefa. A organização desconhecia os fatos narrados relativos à empresa de limpeza Garrana e está colaborando com a fiscalização para que as condições de trabalho dos seus empregados sejam respeitadas, agindo com rapidez para que as empresas contratadas corrijam qualquer irregularidade. O Rock in Rio reafirma seu compromisso com a legalidade e a excelência dos serviços prestados que fizeram deste evento o maior festival de entretenimento do mundo."

Curta a página do SRZD no Facebook:


Veja mais sobre:Rock in Rio 2015

Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.