SRZD



Hélio Ricardo Rainho

Hélio Ricardo Rainho

VASCO. Carioca, publicitário, MBA em Marketing, ator, diretor teatral, escritor, pesquisador de escolas de samba, futebol e teatro. Escreveu a biografia do jogador Mauro Galvão e é colunista de futebol há 13 anos. Twitter: @hrainho

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



15/10/2015 22h35

Empate na ingenuidade e na mão grande
Helio Ricardo Rainho

O Vasco já joga um futebol melhor, já tem um elenco melhor, já tem um esquema mais consistente e um treinador que mostre serviço. Evoluiu muito do apático e indescritível primeiro turno do campeonato para este segundo.

Mas tem uma coisa em que o Vasco não melhorou nada e nem dá sinais de melhorar. A incrível ingenuidade com que nunca faz valer sua superioridade para escapar de erros de arbitragem aparentemente de juízes idiotas e supostamente de resultados armados.

Melhorar, melhorou. Mas só ganha no pinga-pinga. 1x0, 2x1, "1/2x0"...placares econômicos e arriscados. Faz o dever de casa jogando bem para, no final das contas, não ter uma vantagem adquirida que o torne invulnerável à folia maldita desses sopradores de apito.

E foi assim após o intervalo de campeonato onde deveria voltar com tudo para, no Maracanã, diante de sua apaixonada torcida, fazer valer sua força e vencer a Chapecoense nesta noite de quinta-feira.

Pois o que fez o Vasco? Amassou o adversário no 1º tempo e voltou para  vestiário "comemorando o amasso" com um placar de 0x0. Tendo pelo menos duas razões para explicar o porquê de sua improdutividade. Nenê numa partida atípica parecendo cansado (?) e improdutivo...e Herrera! Bem, de Herrera faz-se desnecessario gastar linhas ou palavras para explicar o que não funciona. Lê-se "Herrera" e já se sabe: de ponta a ponta, nada funciona ou funcionará. Mas Jorginho discorda. Escala e aposta sempre no nada. E, assim, o nulo vai lá... 

Veio o segundo tempo, saiu o gol de Rodrigo e o Vasco continuou magro em campo. O "um a zerinho" tava bom à beça, porque "já era goleada". Enquanto esse placar agradava, tudo ficou parado como estava. Aí veio o "Sobrenatural de Almeida" complicar a história... 

Delfim Peixoto Filho é o nome do vice-presidente da CBF e presidente da Federação Catarinense de Futebol. Seu Twitter tem um post um tanto quanto emblemático por sua assertividade no discurso. Diz assim: "Sou um homem que acredita. Acredito que nenhum clube de Santa Catarina vai cair para a Série B. Acreditem todos!". 

"Acreditem todos", advertiu o cartola. E o que aconteceu?

Após os 27 minutos do segundo tempo em que o Vasco fez seu gol, o senhor Ricardo Marques Ribeiro (MG-Fifa) passou a inverter lances matreiramente e prejudicar o Vasco em vários momentos. Até culminar em dois atos bisonhos para que ele pudesse roubar a cena e aparecer como vilão do jogo: a invenção grotesca de um pênalti descarado (bola na mão por mão na bola) contra e a vista grossa de não marcar outro claríssimo de mão na bola em favor do Vasco.

Só o céu, caso não o aceite ou inferno, caso o abrace, saberão se foi incompetência técnica vergonhosa para árbitro de FIFA ou sujeição a algum "capricho" do cartola bocudo lá do sul catarinense. 

De um jeito ou de outro, o resultado deixou o Vasco na responsabilidade de fazer, fora de casa ou contra algum adversário muito mais difícil, sua carga de pontos para fugir da degola. Estaria a três e, com o garfo, está a cinco de sair.

Que pena que a ingenuidade não sai de São Januário. A equipe melhora o futebol, mas não faz a dobradinha necessária, que é fazer o dever de casa mas procurar a folga para o caso de interferências de agentes estranhos. 

Enquanto continuar ganhando de "meio a zero", economicamente, vai passar perrengue e descabelar sua torcida com jogos como o de hoje. Tá difícil. Até porque o Vasco não é time catarinense, apesar da grande torcida que possui lá pelas bandas do terreiro do assertivo senhor Delfim...

Facebook Hélio Ricardo Rainho

Twitter/Instagram @hrainho

 


Comentários
  • Avatar
    16/10/2015 12:11:31Jorge MarceloMembro SRZD desde 02/04/2013

    Pronto. Eurico e seus ventrílocos já encontraram a bengala que precisavam para explicar o tri-rebaixamento. A arbritragem. E o gol limpo da Chapecoense quando o jogo tava 0x0? Se encostar é falta então o gol do Vasco tb foi ilegal. Vamos falar sério. O penalti do Rodrigo, onde o jogador toca na bola sem nenhuma intenção tá sendo marcado pra todo lugar. Igualzinho o da Ponte contra o Palmeiras quarta. Igual ao do Jorge contra o próprio Vasco, que foi beneficiado diversas vezes no Brasileiro, que dirá no Estadual. Torna ainda mais patética a derrocada do Vasco, essa tentativa de criar uma cortina de fumaça pra cobrir a verdade. A verdade que o Vasco é um clube parado no tempo, não tem campo pra treinar, não tem nem alguém nos seus quadros para fazer frente a um demente que usa o clube como seu bibelô.

  • Avatar
    16/10/2015 10:05:25LASLO PANAFLEXMembro SRZD desde 13/03/2014

    QUE COMOVENTE!

Comentar