SRZD



Nyldo Moreira

Nyldo Moreira

TEATRO E MÚSICA. Jornalista, especializado em cultura e economia. Ator e autor de peças de teatro. Apresentou-se cantando ao lado de artistas, mas não leva isso muito a sério. Pratica a paixão pela música em forma de textos e críticas. Como diretor, esteve a frente de dois curtas, um deles que conta a vida no teatro. 

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



12/11/2015 15h24

Eduardo Martini e Kito Junqueira vivem mesmo personagem em 'Sexo dos Anjos'
Nyldo Moreira

Iniciou-se a temporada de adaptações aos textos de William Shakespeare. Nada contra, mas também nada a favor. Essa exploração desenfreada é até chata, porque já vi adaptações bizarras e algumas que só o título e a arte já são de espantar. Mas, ainda não tinha visto nada como "Sexo dos Anjos", que está em cartaz no Teatro Itália, em São Paulo. O espetáculo, que vem dirigido por Eduardo Martini, também integrante do elenco ao lado de Kito Junqueira, aborda Hamlet de maneira muito suave e usa-o como pretexto para desenrolar a passagem de um ator, dos palcos para o céu.

Peça Sexo dos Anjos. Foto: Claudia Martini
Fotos: Claudia Martini

Ambos, Eduardo e Kito, interpretam a mesma pessoa. Um é uma parte, o outro é a outra parte. As duas precisam se entender para passar pro "lado de lá". No "lado de cá", enquanto encenava Hamlet, o ator morreu no palco e para ascender ao céu era preciso entrar em um acordo. O texto, de Flavio de Souza, revela a proposta do título de uma forma sutil. Não consegui encontrar muito bem um elo entre o texto e o título, e a explicação pode ficar um pouco confusa. Inclusive o texto começa um tanto confuso, dá um nó na cabeça, e depois vai desenrolando.

Peça Sexo dos Anjos. Foto: Claudia Martini

Essa proposta de texto muito me fascina, pois há um delírio pelas palavras e a direção de Martini embarca muito bem nessa proposta. A PALAVRA está soletrada na boca de cada ator, Kito Junqueira desenvolve com uma delicadeza, que chega a ser bela, o ato de transmitir a palavra. Tudo é bem cursivo, bem delineado. Os dois atores dão sentimento ao texto, abusam das expressões e do que o corpo é capaz de falar.

O espetáculo é denominado como uma comédia, mas eu colocaria uma barra ai do lado e incluiria drama: comédia/drama! É um novo e sensacional caminho para Martini, que vem de temporadas incansáveis de comédias. Tudo muda no ator com essa peça, seu jeito de expressar o texto é algo muito novo. Ficou realmente lindo! O texto tem um discurso singelo, que até parece óbvio... mas, é nesse campo que uma direção e atuação confabulam com o roteiro, e tornam tudo aquilo genial.

A proposta do texto é discutir a respeito do que nós fazemos com a nossa vida. E nada melhor do que utilizar um personagem que é um ator, aquele que vive diversas vidas, diversos papéis, além de ter que viver seu próprio personagem na vida real. Em todo o roteiro, Hamlet esbarra na realidade desses personagens. E é como se um texto de Shakespeare fosse traduzido para o público, com uma linguagem bem tangível.

A iluminação cumpre um papel importantíssimo no espetáculo, e ela é um belo trabalho artístico. Luz clara, bem desenhada e tudo no tempo certo. Realmente é algo que não passa batido no conjunto da peça. A trilha sonora também ambienta muito bem os diálogos.

Martini e Junqueira pode parecer o nome de um escritório de advocacia, mas na verdade é uma dupla muito forte que começa a construir algo muito belo no teatro! Os dois usam o texto e o palco da forma mais proveitosa que um ator pode fazer.

O "Sexo dos Anjos" está em cartaz às terças-feiras no Teatro Itália, que por sinal é belíssimo, aconchegante, bem no coração de São Paulo. Qualquer ator estaria deslumbrado em pisar em um lugar que respeita o teatro. Os ingressos custam R$ 50,00.


Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.