SRZD


01/12/2015 21h10

'O enredo da Beija-Flor é fascinante', diz compositor Marcelo Guimarães
Redação SRZD *

Compositor campeão da Beija-Flor, Marcelo Guimarães, disse ao SRZD-Carnaval que está feliz com o samba-enredo da azul e branco de Nilópolis, enaltecendo o enredo da escola. "É um tema fascinante. O ponto forte do samba é o refrão "Sou Beija-Flor, na alegria ou na dor, a Deusa da passarela, é ela", que traduz o sentimento do nilopolitano", ressaltou o cantor que está comemorando 30 anos de carreira.

Compositor Marcelo Guimarães. Foto: SRZD-Adriana Vieira

* Adriana Vieira - Colaboradora do SRZD-Carnaval

Veja mais:

- 'Samba da Mangueira caiu no gosto popular', diz Ciganerey

- Mestre Marcão levará 270 ritmistas para o desfile oficial

- 'Família do Borel nos recebeu de braços abertos', diz Dudu Nobre

- Marquinhos Art'Samba se diz feliz com hino da Imperatriz

- 'O enredo da Beija-Flor é fascinante', diz compositor Marcelo Guimarães

- Festa do CD do Grupo Especial: Beija-Flor faz passagem de som para início do evento

- Escolas do Grupo Especial brilham em noite de festa de lançamento de CD

- Clique aqui e leia tudo sobre o Carnaval carioca

Já curtiu a página do SRZD-Carnaval no Facebook?

 

 



Comentários
  • Avatar
    07/12/2015 15:00:01Almir Da Silva LimaMembro SRZD desde 21/11/2014

    Maurício Santos, parceiro, você se mostrou corporativista ao apresentar seu ofício de professor de Filosofia como falso ´advogado´ de defesa da inexistente imortalidade enquanto poeta do Marquês de Sapucaí. A sinopse do enredo ´Mineirinho genial (sic)! Nova Lima, cidade natal. Marquês de Sapucaí, o poeta (sic) imortal (sic)´! Diz tudo. A vitoriosa Comissão de Carnaval da Beija Flor (BF) expõe-se nesse caô. Tudo, porque o registra como ´deputado, senador, desembargador, conselheiro do Império, ministro das Finanças e da Justiça, acima de tudo, o mestre preceptor do futuro Imperador Pedro II´. O Marquês de Sapucaí de fato era mineiro de Nova Lima, porém não foi genial, tampouco a imortalidade do seu nome na avenida onde se situa o sambódromo, não decorre de ele ter sido poeta. A correta e comunitária filosofia político-administrativa praticada na Beija Flor se deve à liderança do mestre Laíla e equipe, cujo trabalho é merecidamente bem-remunerado e serve de cortina que historicamente encobre o seguinte. Os lucros milionários auferidos em meio as mafiosas atividades de exploração, opressão e dominação sofridas pela comunidade nilopolitana e pela BF, impostas pelos capos-presidentes de ´honra´ e o executivo da agremiação. Os quais não são sambistas verdadeiros. Mas, sim contraventores penais do jogo de bicho e de outras criminalidades conforme integrar máfias como a do bingo e das máquinas caça-níqueis. Como a BF em 2009 perdeu seu 3º tri da História, a partir de 2011 os seus capos-presidentes não-sambistas verdadeiros se apropriaram do seguinte tipo de desfile que tinha notabilizado os títulos da Imperatriz em 1994/5/9, 2000/1. Desfile militarizado apelidado de técnico supostamente sem erros, frio, monótono e incapaz de emocionar o público. Saudações carnavalescas do portelense, Almir de Macaé.

  • Avatar
    05/12/2015 18:34:10Mauricio SantosMembro SRZD desde 01/02/2011

    Para comentar carnaval, é preciso conhecer o regulamento e frequentar todas as escolas de vários grupos, não dá para comentar carnaval, repetindo o que torcedores de outras escolas falam, é preciso conhecer o trabalho de cada escola, e expressar sua opinião com imparcialidade, respeitando o trabalho e aquilo que cada escola têm de melhor, um desfile correto, não precisa ser militarizado, inclusive o nosso mestre Laíla vêm pedindo nos ensaios para que os componentes brinquem o carnaval e cantem o samba com espontaneidade.

  • Avatar
    05/12/2015 17:04:22Mauricio SantosMembro SRZD desde 01/02/2011

    Almir da Silva, Eu como professor de filosofia que sou, adoro pessoas que têm opinião, mais acho que vc estar equivocado em alguns pontos, e comete erros de interpretação,quando o Enredo da Beija Flor se refere ao Marquês como "Imortal", ele explica que O Rio imortalizou, quando ele dá nome à avenida, e outra coisa, existem escolas que para fazer um desfile correto, militariza a escola, mas a Beija Flor faz diferente, ela transforma diretores de ala em diretores de harmonia, coloca 90% de Comunidade na avenida, inclusive nos carros alegóricos que normalmente as escolas só colocam as comunidades em composições, a Beija Flor coloca em semi - destaques e destaques também, e tenta manter sempre os mesmos componentes na escola,você não ver a Beija Flor trocar toda hora de:Porta bandeira, mestre - sala, diretores etc. a escola só inscreve novos componentes nas alas, após ligar para os antigos para renovar o cadastro, estes são alguns segredos do sucesso da Beija Flor, faça uma visita aos ensaios da Comunidade às 5ºf na quadra, e compare. abraços.

  • Avatar
    03/12/2015 17:23:32Almir da Silva LimaMembro SRZD desde 11/10/2011

    Poderá causar protesto da parcela nilopolitana fanática-pentecostal me acusando de ´anti-Beija Flor´ o que direi. É equivocada a afirmação do compositor em questão de que o enredo (Mineirinho genial! Nova Lima, cidade natal. Marquês de Sapucaí, o poeta imortal!) é ´fascinante (sic). O samba ficou bom, abrilhantado pela voz do ótimo intérprete Neguinho da Beija Flor e pela bateria-orquestra nota 10 e ainda sem auto denominação-marketing. Ocorre o samba não passa disso, avaliados separadamente conforme prevê o regulamento da LIESA, os subquesitos letra/poesia e melodia/ritmo. Não é o caso do quesito enredo, que é avaliado como ´desenvolvimento artístico de tema ou conceito no qual se mantenha equilíbrio a partir da concepção até sua realização-apresentação. Isto é até o desfile propriamente dito´. Daí, afirmar que o enredo é ´fascinante´ chega a ser patético. Ao reler-se a sinopse não se encontra ´fascínio´ no tema ou no conceito acerca da História do Marquês de Sapucaí suficiente para considerá-lo genial (sic) enquanto personalidade. Muito menos, poeta merecedor da qualificação de ´imortal´ (sic). Por melhor boa vontade que tenha o quadro de julgadores da LIESA, não será possível dar nota máxima ou próxima disso a esse enredo. O que poderá ficar claro como água. Caso, forçada pela obsessão de seus capos-presidentes de ´honra´ e executivo não-sambistas verdadeiros de buscar conquistar títulos a qualquer preço. A Beija Flor apresentar em 2016 o tipo de desfile que passou a fazer a partir de 2011. Ou seja, apresentar desfile militarizado apelidado de técnico supostamente sem erros, frio, monótono e incapaz de emocionar o público. Seja o presente ao sambódromo, mesmo o de casa que assiste pela televisão. Saudações carnavalescas do portelense, Almir de Macaé.

Comentar