SRZD


21/12/2015 14h36

Vídeo: análise das baterias da Curicica, Estácio e Mangueira no ensaio técnico
Redação SRZD

O blogueiro do SRZD-Carnaval Cláudio Francioni, ritmista e especialista em bateria, avaliou o desempenho do segmento das três escolas que passaram pela Sapucaí neste domingo, durante os ensaios técnicos.

União do Parque Curicica, Estácio de Sá e Mangueira treinaram no palco oficial do Carnaval carioca e mostraram um pouco do que estão preparando para o desfile oficial.

Confira abaixo a análise:

Já curtiu a página do SRZD-Carnaval no Facebook?

 



Comentários
  • Avatar
    21/12/2015 18:47:57Almir Da Silva LimaMembro SRZD desde 21/11/2014

    Reproduzo o meu comentário acerca da entrevista concedida a outro site pelo maestro regente da bateria/orquestra ´Furacão Vermelho-Branco´ da Viradouro, mestre Paulinho Botelho. Conforme ensinou Trotsky (1879 a 1940) no livro Literatura e Revolução: ´O compromisso dos poetas e artistas (inclusos sambistas e atletas esportivos) não é com o politicamente correto. Mas, sim com produzir obras de excelência na qualidade. A qual quando ocorre entra para a História e pode ou não ajudar a transformá-la´. Embora mestre Paulinho tenha História de nota 10 enquanto artista-sambista, é preciso separar ´o joio do trigo´ na entrevista que concedeu. Porque, filosoficamente falando, ele mostrou que seus ´conflitos´ no mundo do samba, tal qual os das pessoas evangélicas com as exceções próprias da regra, devem-se com todo respeito à doutrinária kardecista. A qual é historicamente elitista, intolerante e opressora para com as religiões de matriz africana Candomblé e Umbanda. As quais são notória e maciçamente adotadas no mundo do samba. Na entrevista, o mestre Paulinho em alguns casos falou ´meias-verdades´. A maior foi rebatida pelo ex-integrante da comissão diretora da própria bateria-orquestra ´Furacão Vermelho-Branco´ da Viradouro, mestre Pedro Magrão. Isto, graças à correta & ética condução da entrevista feita pela jornalista-repórter Tatiana Perrota. A qual com competência acabou expondo a incoerência do mestre Paulinho na pergunta sobre o cappo-presidente de ´honra´ da Beija Flor que não é sambista verdadeiro, mas sim contraventor penal do jogo de bicho e de outras criminalidades, o qual além disto é torcedor da verde-rosa e idolatrado pelo mestre Paulinho como ´papai´: ´Papai é um homem honrado, ético, não-hipócrita e deveria ser mais ouvido, pois, ele consertou (sic) o mundo do samba´. Saudações carnavalescas do portelense, Almir de Macaé.

  • Avatar
    21/12/2015 18:47:57Almir Da Silva LimaMembro SRZD desde 21/11/2014

    Reproduzo o meu comentário acerca da entrevista concedida a outro site pelo maestro regente da bateria/orquestra ´Furacão Vermelho-Branco´ da Viradouro, mestre Paulinho Botelho. Conforme ensinou Trotsky (1879 a 1940) no livro Literatura e Revolução: ´O compromisso dos poetas e artistas (inclusos sambistas e atletas esportivos) não é com o politicamente correto. Mas, sim com produzir obras de excelência na qualidade. A qual quando ocorre entra para a História e pode ou não ajudar a transformá-la´. Embora mestre Paulinho tenha História de nota 10 enquanto artista-sambista, é preciso separar ´o joio do trigo´ na entrevista que concedeu. Porque, filosoficamente falando, ele mostrou que seus ´conflitos´ no mundo do samba, tal qual os das pessoas evangélicas com as exceções próprias da regra, devem-se com todo respeito à doutrinária kardecista. A qual é historicamente elitista, intolerante e opressora para com as religiões de matriz africana Candomblé e Umbanda. As quais são notória e maciçamente adotadas no mundo do samba. Na entrevista, o mestre Paulinho em alguns casos falou ´meias-verdades´. A maior foi rebatida pelo ex-integrante da comissão diretora da própria bateria-orquestra ´Furacão Vermelho-Branco´ da Viradouro, mestre Pedro Magrão. Isto, graças à correta & ética condução da entrevista feita pela jornalista-repórter Tatiana Perrota. A qual com competência acabou expondo a incoerência do mestre Paulinho na pergunta sobre o cappo-presidente de ´honra´ da Beija Flor que não é sambista verdadeiro, mas sim contraventor penal do jogo de bicho e de outras criminalidades, o qual além disto é torcedor da verde-rosa e idolatrado pelo mestre Paulinho como ´papai´: ´Papai é um homem honrado, ético, não-hipócrita e deveria ser mais ouvido, pois, ele consertou (sic) o mundo do samba´. Saudações carnavalescas do portelense, Almir de Macaé.

Comentar