SRZD


05/01/2016 09h55

Livro 'As Matriarcas da Avenida' será lançado dia 12 de janeiro
Redação SRZD

O livro "As Matriarcas da Avenida: quatro grandes escolas que revolucionaram o maior show da Terra" será lançado no dia 12 de janeiro, no Bar Ernesto, na Lapa.

A obra, de autoria de Fábio Fabato, Gustavo Gasparani, João Gustavo Melo, Luis Carlos Magalhães e Luiz Antonio Simas, conta histórias das escolas que serviram de base para a atual configuração do Carnaval carioca (Salgueiro, Mangueira, Portela e Império Serrano), através de 40 crônicas.

Foto: Divulgação

O livro é continuação da série iniciada em 2012 com "As Três Irmãs: como um trio de penetras "arrombou a festa", a carnavalização da ascensão de Beija-Flor de Nilópolis, Imperatriz Leopoldinense e Mocidade Independente de Padre Miguel no cenário das grandes escolas." O segundo, lançado em 2014, recebeu o nome de "As Titias da Folia - O brilho maduro de escolas de samba de alta idade". No terceiro, "As Primas Sapecas - Alegria, crítica e irreverência na avenida", Caprichosos de Pilares, União da Ilha e São Clemente foram as escolas homenageadas, destacando o uso da simplicidade, originalidade e ousadia em seus desfiles.

A noite de autógrafos vai contar com a presença de importantes nomes do mundo do samba.

Serviço:
Lançamento: 12 de janeiro (terça-feira)
Bar Ernesto
Largo da Lapa 41 - Lapa - RJ (ao lado da Sala Cecília Meireles)
Horário: 19 horas

Foto: Divulgação

Já curtiu a página do SRZD-Carnaval no Facebook?

 


Veja mais sobre:Livros sobre Carnaval

Comentários
  • Avatar
    05/01/2016 11:45:16Almir Da Silva LimaMembro SRZD desde 21/11/2014

    Parabenizo todos autores desta coleção literária na pessoa do intelectual-sambista & torcedor da Mocidade Independente, o jornalista Fábio Fabato. O qual, com todo respeito, deveria a exemplo dos colegas ter posado para foto trajando camisa de sua agremiação do coração. É correta a crítica dele, feita em outro site, ao fato das obras literárias acerca do mundo do samba serem tradicionalmente acadêmicas. O que significa dizer, elitistas, pois, as academias são instituições burguesas. Reafirmo o que comentei à época por ocasião do lançamento da biografia por ele redigida, da sinopse e do enredo 2015 da São Clemente que homenageou de forma folclórica o carnavalesco dos carnavalescos, o assumido marxista-leninista Fernando Pamplona. O que ocorreu através do tema desenvolvido pela carnavalesca-mestre & pupila do carnavalesco dos carnavalescos, Rosa Magalhães, cujo título foi: ´A incrível História do homem que só tinha medo da Matinta Perera, da Tocandira e da Onça Pé de Boi´. Tal folclorização da História do citado revolucionário carnavalesco, ainda que os julgadores da LIESA tenha dado três notas 10 mais a descartada nota 9,8 ao quesito Enredo. Ao quesito Samba-Enredo os julgadores deram duas notas 9,9 mais uma nota 9,8 e outra igual descartada. O que acabou contribuindo para ´ilusão´ de que a São Clemente tivesse merecido voltar no desfile das campeãs, quando a 8ª colocação da agremiação foi justa. Por último, auguro que os autores prossigam produzindo com a excelência vista nessa coleção de três livros sobre o mundo do samba, uma vez ser este mesmo o compromisso dos poetas e artistas inclusos atletas esportivos e sambistas, conforme ensinou Trotsky no livro: ´Literatura e Revolução´. Saudações carnavalescas do portelense, Almir de Macaé.

Comentar