SRZD


07/01/2016 08h18

'Spotlight - Segredos Revelados': produção envolvente, impactante e imperdível!
Ana Carolina Garcia

No início de 2002 o jornal americano Boston Globe denunciou uma série de abusos sexuais a crianças, cometidos por membros da Igreja Católica. Padres que seguiam um padrão de conduta, segundo a reportagem, molestando meninos e meninas de bairros pobres e de famílias problemáticas. Os crimes foram cometidos durante muitos anos, acobertados por diversas pessoas, dentro e fora da Igreja, que pressionavam as vítimas para que permanecessem caladas, pois os padres seriam afastados de suas paróquias, o que acontecia sempre com as mesmas justificativas: "licença médica" ou "sem atribuição". Em seguida, a Igreja os transferia para outras paróquias, onde o horror recomeçava.

Composta pelos jornalistas Walter 'Robby' Robinson (Michael Keaton), Mike Rezendes (Mark Ruffalo), Sacha Pfeiffer (Rachel McAdams) e Matt Carroll (Brian d'Arcy James), a Spotlight, editoria investigativa do Boston Globe, se dedicou à reportagem, cuja ideia partiu do editor Marty Baron (Liev Schreiber), que não estava preocupado em denunciar somente padres ou o bispo, mas o sistema. Essa história chega às telas de cinema do país nesta quinta-feira, dia 07, com "Spotlight - Segredos Revelados" (Spotlight - 2015), que deixou o SRZD bastante surpreendido com o resultado.

Foto: Divulgação

Com direção de Tom McCarthy, o longa começa em 1976 com uma família acusando um padre, acobertado pelo Bispo e pelo assistente da promotoria da cidade, para então saltar para 2001, ano do início das investigações da Spotlight. Apesar de contar em detalhes como tais abusos aconteceram, o longa não os mostra em nenhum momento, o que funciona a favor da trama, cujo foco é o trabalho dos jornalistas que foram agraciados com prêmio Pulitzer. Ou seja, é um filme sobre as engrenagens do jornalismo investigativo praticado com seriedade e sua importância.

"Spotlight - Segredos Revelados" não transforma os jornalistas em heróis, pois apresenta à plateia suas fraquezas e os efeitos do desenrolar da investigação em suas vidas pessoais e, principalmente, na relação de cada um deles com a Igreja, mostrada como uma instituição forte, poderosa e muito, muito influente em Boston. Mérito do roteiro assinado por McCarthy e Josh Singer, extremamente objetivo e com diálogos interessantes, mantendo o ritmo da narrativa sem entediar o espectador - pelo contrário, é capaz de deixá-lo grudado na poltrona sem piscar em nenhum momento.

Foto: Divulgação

Aliado a isso, o filme conta com um elenco de peso, totalmente entrosado e entregue à história e a seus respectivos personagens, compostos com sensibilidade e seriedade extremadas. São atuações primorosas em que todos brilham em cena. No entanto, Keaton e Ruffalo se destacam, pois representam a razão e a emoção da Spotlight, respectivamente. Dois pontos distintos que impulsionam ainda mais este longa-metragem que é constantemente comparado a "Todos os Homens do Presidente" (All the President's Men - 1976), clássico que retrata o escândalo de Watergate. E, de fato, os dois filmes têm muito em comum.

"Spotlight - Segredos Revelados" é uma produção envolvente, impactante e de suma importância para mostrar ao público que os abusos sexuais a crianças não foram cometidos somente nas paróquias de Boston, como também nas de outras cidades, dentro e fora dos Estados Unidos - e isto inclui algumas brasileiras, citadas ao final do longa, como Rio de Janeiro e Franca, por exemplo.

Veja o trailer:

* Indicado ao Globo de Ouro de melhor filme - drama, direção e roteiro.

Curta a página do SRZD no Facebook:


Veja mais sobre:Cinema

Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.