SRZD


13/01/2016 21h48

Mocidade: Rômulo Ramos atribui confusão no ensaio à falha no rádio e diz que não se demitiu
Redação SRZD

Após os problemas que a Mocidade apresentou no ensaio técnico, que aconteceu no último domingo, o diretor de Carnaval Rômulo Ramos decidiu falar com a imprensa e abrir o jogo.

Na tarde desta quarta-feira, ele recebeu jornalistas no barracão e reconheceu as falhas, mas disse que continua na escola. "Não me demiti da Mocidade. Conversei com nosso patrono, presidente e vice-presidente. Nos acertamos e o trabalho prossegue. A Mocidade funciona como uma empresa. Não existe essa situação de boicote", esclareceu.

- Ensaio técnico: Mocidade deixa a desejar na animação e no canto

- Vídeo: veja imagens e entrevistas com integrantes da Mocidade no ensaio técnico

- Vídeo: blogueiros avaliam ensaios técnicos da Inocentes, Ilha e Mocidade

Foto: SRZD - Luana Freitas

Rômulo disse que o que aconteceu no ensaio da escola na Sapucaí "não foi nenhuma novidade". "Quem acompanha o Carnaval de perto sabe que um momento de desatenção é suficiente para que algo aconteça. Isso já ocorreu em desfiles de coirmãs e no nosso não acontecerá", disse.

O diretor contou que houve uma falha nos rádios de comunicação e a pessoa responsável por avisar sobre a parada para a apresentação do primeiro casal de mestre-sala e porta-bandeira não o fez. "Poderia ter tentado comunicar de outra maneira. O buraco abriria, mas não naquela proporção. Vou conversar com essa pessoa e trocá-la de função".

"Me excedi em algumas palavras e acabei não me expressando tão bem. Fui preparado para agir sob pressão durante toda a minha vida, mas em alguns momentos, a vontade de vencer faz com que isso aconteça. Tenho caráter suficiente para assumir e ajustar onde possa ter havido erro. Sou um profissional do Carnaval", se defendeu.

Um dia após o ensaio técnico, a verde e branca de Padre Miguel emitiu uma nota oficial afirmando que os erros do treino serão corrigidos, e a passagem da escola pela Passarela do Samba no desfile oficial será diferente.

Foto: Henrique Matos

Já curtiu a página do SRZD-Carnaval no Facebook?

 



Comentários
  • Avatar
    17/01/2016 11:45:35Rodrigo SAmpaioMembro SRZD desde 07/12/2009

    Eu acho o seguinte: se for fazer ensaio na sapucaí para o povo ficar postando inverdades e criticando a postura da escola de samba é melhor nem ter... O principal objetivo do ensaio técnico é avaliar os erros e acertos... não é o desfile oficial e nem tão pouco uma maneira de terceiros promoverem avaliações. Quem precisa mesmo saber se o andamento do mesmo foi bom ou ruim é a diretoria da escola... Então corneteiros de plantão... melhor vocês ficarem quietos.. e deixar que a diretoria da escola faça a sua própria avaliação. Confesso que percebo que os ensaios técnicos estão com os dias contados... Pois um evento que seria para uma preparação, vem concentrando críticas de pessoas sem o mínimo de senso para debater o tema.... PARLAPATÕES....

  • Avatar
    15/01/2016 21:50:36Luís EduardoMembro SRZD desde 29/10/2009

    Treino é treino e jogo é jogo ! mesmo não sendo Mocidade eu respeito o pavilhão. Vamos povo do samba !!!!!

  • Avatar
    15/01/2016 10:04:19BanguenseMembro SRZD desde 12/09/2011

    Quantos titulos esse senhor tem ? ja ganhou o que no carnaval ? ameaça e coage os harmonias a todo momento, acabou com quase toda a harmonia da escola pra colocar essa equipe nova e ta aí o resultado

  • Avatar
    14/01/2016 15:43:48Almir Da Silva LimaMembro SRZD desde 21/11/2014

    Conforme comentei anteriormente esta notícia mostra o seguinte. O diretor de Harmonia & membro da Comissão de Carnaval (CC) da Mocidade Independente (MI), Rômulo Ramos (RR), é mera figura decorativa, pois quem manda mesmo na CC e na MI como um todo são o cappo-presidente de ´honra´ não-sambista verdadeiro, Rogério de Andrade (RA) e seu fiel-escudeiro o vice que na prática é presidente-executivo, Rodrigo Pacheco (RP). Outra figura decorativa na direção da MI é um dos fundadores da agremiação o presidente executivo ´rainha da Inglaterra´, Wandir Trindade o Vô Macumba. Embora permaneça sendo comunitária e tradicional, atualmente a MI se encontra em um processo de elitização que é apelidado de ´modernizadora estruturação empresarial´. Isso ocorre devido à época áurea & vitoriosa da MI, a agremiação ter sido confundida como vanguardista. Daí RR chama-la de empresa (sic). Não, de instituição privada de interesse público-comunitário. Ou seja, baseando-se na prepotência e no corporativismo de sua formação militar, RR depois de ter desancado a filosofia político-administrativa comandada por RA e RP na CC da MI, ele afirmou que a culpa de tudo foi da pessoa encarregada pela comunicação através de rádio, a qual será trocada de função. Na realidade deve ser cargo remunerado, pois função não é remunerada. Em meio à prepotência e o corporativismo de sua formação militar, RR afirmou que em 2015 a MI obteve três notas 10 no quesito Harmonia, deixando de citar a descartada nota 9,8. O fato é que em 2015 a MI obteve três notas 10 em outros dois quesitos, Enredo no qual a nota 9,8 foi descartada e Alegorias & Adereços cuja nota 9,9 também foi descartada. Saudações carnavalescas do portelense, Almir de Macaé.

Comentar