SRZD


19/01/2016 00h27

Vídeo: 'Jurados devem buscar equilíbrio e imparcialidade', diz Jorge Castanheira, da Liesa
Rodrigo Trindade

A Liesa, que organiza os desfiles do Grupo Especial do Rio de Janeiro, reuniu por duas segundas-feiras consecutivas o corpo de jurados para orientá-lo quanto à prática de análise e julgamento da passagem das escolas de samba na Marquês de Sapucaí. Na mesma ocasião, aconteceu o sorteio da ordem de tais jurados nos quatro módulos instalados ao longo da Passarela do Samba.

- Clique e conheça os jurados de Samba-Enredo, Harmonia, Evolução e Bateria

- Clique e conheça os jurados de Enredo, Alegorias e Adereços, Fantasias, C. de Frente e MS e PB

O SRZD-Carnaval acompanhou o momento em que Jorge Castanheira, presidente da liga, falou aos jurados sobre alguns pontos importantes que eles devem observar quando estiverem em campo, atribuindo as notas às agremiações.

Castanheira cobrou dos julgadores imparcialidade, comprometimento e equilíbrio. Destacou, ainda, que cabe às agremiações se organizarem para que façam bons desfiles:

"Sintetizo uma frase do Manual de Julgadores bastante interessante: 'Lembramos que o desempenho de uma escola de samba em desfile é o resultado real de sua competência artística, técnica e administrativa'. Isso para nós é a base de tudo", disse o presidente da Liesa.

Confira o vídeo completo do encontro entre Jorge Castanheira e julgadores:

- Clique aqui e leia tudo sobre o Carnaval carioca

Já curtiu a página do SRZD-Carnaval no Facebook?



Comentários
  • Avatar
    20/01/2016 15:30:52Almir Da Silva LimaMembro SRZD desde 21/11/2014

    Antes de comentar de forma propositiva o sistema de análise e de julgamento feito pelo corpo de julgadores da LIESA sobre os desfiles das escolas de samba do Grupo Especial (GE) do Carnaval Carioca. Quando o pres. da LIESA, Jorge Castanheira afirma a um site que os julgadores devem buscar equilíbrio e imparcialidade (sic), ele traz para o debate de ideias o seguinte. O significado da expressão (imparcialidade) é ´subjetivo´. Isto é, o julgador ou a julgadora pode sim ter escola de samba do coração. O que não deveria ocorrer é a inexistência de transparência no sistema em questão. Ou seja, a nota e a justificativa da mesma têm que ser simultânea. Isto é, realizada na 4ª Feira de Cinzas no sambódromo, a leitura das notas para apuração do resultado dos desfiles carnavalescos, as justificativas têm que ser entregues à imprensa. Tudo, para evitar-se dúvida/suspeita sobre lisura no resultado confrontado com estas perguntas que não querem calar. Por que as justificativas somente são divulgadas muitos dias depois? Qual a razão da existência do Conselho de Grandes ´Beneméritos´(CGB) da LIESA envolvendo quase todas as agremiações do GE, se o órgão possui diretoria executiva e Conselhos Fiscal e Deliberativo? O CGB tem que ser extinto. Por fim, a julgadora do quesito Evolução, Edileuza Aleluia que incrivelmente é profissional da área de Educação, emitiu a um site a absurda opinião segundo a qual ela ´não vê tanta necessidade (sic), não é obrigatório (sic) samba no pé, pois, há fantasias que mal permitem se mexer´. Saudações carnavalescas do portelense, Almir de Macaé.

  • Avatar
    20/01/2016 10:43:13Oswaldo Fernandes FilhoMembro SRZD desde 09/04/2009

    Imparcialidade? kkkkkk faz-me Rir. Já está é de Coluio com a Globosta pra Reduzir o Tempo de Desfile e o Número de Alegorias para 2017. Bom será se não Reduzir o Número de Escolas pra 10 no Especial, cinco a cada dia.

Comentar