SRZD



Hélio Ricardo Rainho

Hélio Ricardo Rainho

VASCO. Carioca, publicitário, MBA em Marketing, ator, diretor teatral, escritor, pesquisador de escolas de samba, futebol e teatro. Escreveu a biografia do jogador Mauro Galvão e é colunista de futebol há 13 anos. Twitter: @hrainho

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



26/01/2016 14h12

Caipirinha Vascaína
Hélio Ricardo Rainho

Nós, vascaínos, terminamos o ano de 2015 de forma inusitada. Ao mesmo tempo em que partecíamos nos sentir honrados com a campanha do segundo turno e o bom padrão de jogo do time de Jorginho, veio a nós o castigo do terceiro rebaixamento. Diante do final trágico do drama vascaíno, parecia que de nada adiantou Jorginho ter montado um bom time, Nenê ter sido um dos melhores jogadores da competição e o Vasco voltar a exibir um padrão de jogo de um time difícil de ser batido. A matemática cruel das "perdas e danos" somando os turnos não nos safou a onça.

Mas, vejamos só: terminamos o ano com um time montado, uma equipe equilibrada e um treinador que sabe o que está fazendo com seu plantel. Nesse sentido - e considerando que o primeiro semestre deste ano é igual para todos os clubes, até que nos venha o Brasileirão - o Vasco tem excelente oportunidade de tirar partido, agora, do que não pode tirar na reta final de 2015.

Já temos um time equilibrado e bem armado para início de disputa. Essa equipe - com o atual elenco -  teve, em comparação direta com seus rivais cariocas, uma campanha melhor e mais regular. O Vasco pode aproveitar, de cara, este bom momento para lutar pelo bicampeonato estadual. Sobretudo porque, devido aos Jogos Olímpicos, será mandante dos clássicos em São Januário. Jogar em casa sempre favorece a quem conhece os meandros do campo, além de assegurar presença superior de nossa torcida.

Além do Carioca, pode-se pensar de forma mais pretensiosa numa conquista de Copa do Brasil. Pensemos bem a respeito: o título da Copa do Brasil, além de repor os cofres e suprir as defuciências financeiras de um ano em que a grana de televisão será curta, dá visibilidade de título nacional e assegura vaga na Libertadores 2017. Com esse dever de casa bem feito, resta ao Gigante da Colina passar pela segundona com a tranquilidade de quem está apenas galgando a ascenão entre os quatro primeiros colocados.

É uma lógica interessante. Dá pra salvar o ano. Mas também não é só isso.

O Vasco precisa potencializar seu ataque. Alguma coisa, alguma contratação, algum incremento nesse setor da equipe precisa simplesmente equacionar o grande problema do clube já há dois anos: a dificuldade de empurrar a bola para o fundo das redes. Aposta-se agora na jovialidade de Matheus Pet para decolar na temporada. Claro, sabemos que não há caixa para contratações de impacto, mas sabemos que ali precisamos mesmo de um bom centroavante.

Domingo já começa a escalada e enfrentaremos, em casa, o sempre surpreendente time do Madureira. Vamos esperar que o Vasco, mesmo sob o fardo dessa direção escusa e complexa, possa caminhar segundo sua própria grandeza.

E consiga, ao contrário do que se espera, um ano inteligente para, como dizem por aí, fazer dos limões uma bela caipirinha.

Facebook Hélio Ricardo Rainho

Twitter/Instagram @hrainho


Comentários
  • Avatar
    29/01/2016 10:43:30LASLO PANAFLEXMembro SRZD desde 13/03/2014

    É isso aí grande H.R.. Ano novo, vida nova. Cheguei de volta ao Brasil ontem e pelo que li no seu texto está tudo muito fácil e o anão da colina terá um 2016 meraviglioso. Diferente do sofrimento de 2015, em 2016 com esta cambada que entrará em campo o nosso vasco será o Barcelona com cinto de segurança. Ninguém segura o trem bala (a menos que o poderoso chefão resolva proibir isso, mexer naquilo, imprensa fora, etc). Caro Hélio, noto que o Sr. Já se acostumou a disputar 2ª divisão e consegue até ficar calmo diante desta situação. Bem, eu não posso opinar, pois time grande não cai, logo, não sei como é esta sensação. Como solução para o ataque sugiro os seguintes nomes: Seu Nono do Boteco (jogador habilidoso, com faro de gol. Começou no Benfica de Morro Agudo em 1917. Tem 3 gols na carreira), Chiquinho Cloaca (trombador, costuma deixar sua marca de artilheiro, disputou campeonato de totó e balançou as redes em vários momentos porque também é pescador). Caro Hélio, sei que está ruim para nossa querida Portela, contudo se agarrar no CRVG ? 3ª vez 2ª divisão é muita loucura. Isso é que é similis capere. Abraços e SRN.

Comentar