SRZD



Cadu Zugliani

Cadu Zugliani

CARNAVAL. Jornalista, trabalha no Sportv há 7 anos e na TV Globo há 18. Compositor campeão da Mangueira em 2004, 2015 e 2016. Louco, amante, apaixonado por Carnaval, onde já fez de tudo um pouco, ou muito.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



01/03/2016 10h04

Todo mundo é jurado neste Carnaval
Cadu Zugliani

A estrofe é de um samba da Porto da Pedra que, por uma triste coincidência ou não, acabou rebaixada neste ano de 1998.

Meus amigos, disparidades e absurdos nas justificativas não são particularidades apenas deste Carnaval de 2016. Entra ano, sai ano, basta uma pesquisa rápida para ver que as justificativas nos enchem de textos que poderiam ser tirados de quadros cômicos de Chico Anysio.

O problema é que 2016 foi cercado de mais polêmica por conta do afastamento de um jurado de bateria e do áudio em que ele "explica" alguns critérios de julgamento e também como "se perpetuar" neste quadro de julgadores. Não consigo ver, de imediato, escolas favorecidas pois, as que se dão bem num ano, nem sempre se deram bem no ano anterior. Parece mesmo que o objetivo é bater um ano e acariciar no outro como sugere a conversa revelada.

Foto: SRZD

Um exemplo clássico, a Beija-flor conquistou o título do ano passado e este ano foi canetada por estar "muito dourada"... Na minha opinião e de muitos outros que estiveram na Sapucaí, este era exatamente o pedaço mais bonito da escola, a sua abertura. A Mangueira foi a grande campeã de 2016, sem contestação, assim como as seis primeiras colocadas que fizeram uma festa lindíssima no desfile do sábado das campeãs, mas foi esta mesma Mangueira que, em 2015, ficou em décimo lugar severamente julgada e destroçada após quatro horas de chuva intensa e só faltou perder pontos por estar "molhada demais".

O Salgueiro é outro exemplo, que brigava décimo a décimo pelo título deste ano, foi descontada pelo excesso de "vermelho e branco" nas fantasias... Piada.

A Vila Isabel, com um surpreendente e excelente desfile, conseguiu a proeza de ter duas avaliações distintas em harmonia, numa perdeu ponto por falta de canto e empolgação só no refrão, na outra, DO MESMO QUESITO, "Expressões de entusiasmo, emitidas em excesso dificultando o entendimento do samba"!!!!!!!!!!!! Gente, o Carnaval agora não é para se empolgar???

Não vou ficar aqui citando ponto a ponto, mas a Liesa precisa ver que são estes julgamentos que hoje balizam as escolas para o ano seguinte. As justificativas são estudadas e trabalhadas pelas diretorias para melhorar o trabalho. Senhores julgadores, com estas justificativas esdrúxulas, vocês encaminham o espetáculo para o pior dos mundos, afinal, temos que aprender a respeitar especialmente o público que paga tão caro para assistir aos desfiles e as pessoas que amam o carnaval, ou teremos desfiles cada vez menos empolgados para que os jurados presenteiem as escolas com as notas 10. Tremendo dilema!!!!

Já curtiu a página do SRZD-Carnaval no Facebook?


Veja mais sobre:Carnaval 2016

Comentários
  • Avatar
    04/03/2016 11:11:50Almir Da Silva LimaMembro SRZD desde 21/11/2014

    Reproduzo meu comentário, em outro site, sobre a bem humorada crítica do excelente & vitorioso carnavalesco Renato Lage, que declarou: ´Leio as justificativas dos julgadores da LIESA para dar risadas´. Tal crítica é boa, porém não chega perto da que fez o mago do neon em 2015. Quando fez o seguinte enquanto detentor de quatro títulos1990/1/6 (Mocidade Independente) e 2009 (Salgueiro) da qual é profissional contratado desde 2003. Depois de amargar maus colocações como a 11ª em 2006, o carnavalesco acertadamente não segurou a onda ante os injustos bi vice sofridos pelo Salgueiro em 2014 e em 2015 desabafando: ´Sinto-me enojado com isso´ criticando o fato da Academia do Samba ter deixado de conquistar o título duas vezes seguidas quando apresentou seus característicos & tradicionais desfiles apoteóticos, competitivos e emocionantes. Já as campeãs 2014 (Unidos da Tijuca) e 2015 (Beija Flor) apresentaram desfiles militarizados apelidados de técnicos supostamente sem-erros, frios, monótonos e incapazes de emocionar o público. Agora em 2016 quando o Salgueiro não apresentou desfile merecedor do título, por sinal, nem a campeã Estação Primeira de Mangueira, o carnavalesco caso se dispusesse ser politicamente correto além de bem humorado, ele teria que fazer uma espécie de confissão. Porque quem escolhe o quadro de julgadores da LIESA é o presidente do órgão o economista, não necessariamente sambista-verdadeiro Jorge Castanheira. O qual em maio de 2015 foi aclamado e reeleito para o 5º mandato não-consecutivo sempre através de chapa única equivocadamente apoiada pela ótima presidenta do Salgueiro, Regina Celi Fernandes. A qual, depois de dois mandatos sendo oprimida, discriminada e passiva na LIESA enquanto mera suplente, tornou-se presidente do Conselho Fiscal. Saudações carnavalescas do portelense, Almir de Macaé.

  • Avatar
    04/03/2016 11:11:49Almir Da Silva LimaMembro SRZD desde 21/11/2014

    Reproduzo meu comentário, em outro site, sobre a bem humorada crítica do excelente & vitorioso carnavalesco Renato Lage, que declarou: ´Leio as justificativas dos julgadores da LIESA para dar risadas´. Tal crítica é boa, porém não chega perto da que fez o mago do neon em 2015. Quando fez o seguinte enquanto detentor de quatro títulos1990/1/6 (Mocidade Independente) e 2009 (Salgueiro) da qual é profissional contratado desde 2003. Depois de amargar maus colocações como a 11ª em 2006, o carnavalesco acertadamente não segurou a onda ante os injustos bi vice sofridos pelo Salgueiro em 2014 e em 2015 desabafando: ´Sinto-me enojado com isso´ criticando o fato da Academia do Samba ter deixado de conquistar o título duas vezes seguidas quando apresentou seus característicos & tradicionais desfiles apoteóticos, competitivos e emocionantes. Já as campeãs 2014 (Unidos da Tijuca) e 2015 (Beija Flor) apresentaram desfiles militarizados apelidados de técnicos supostamente sem-erros, frios, monótonos e incapazes de emocionar o público. Agora em 2016 quando o Salgueiro não apresentou desfile merecedor do título, por sinal, nem a campeã Estação Primeira de Mangueira, o carnavalesco caso se dispusesse ser politicamente correto além de bem humorado, ele teria que fazer uma espécie de confissão. Porque quem escolhe o quadro de julgadores da LIESA é o presidente do órgão o economista, não necessariamente sambista-verdadeiro Jorge Castanheira. O qual em maio de 2015 foi aclamado e reeleito para o 5º mandato não-consecutivo sempre através de chapa única equivocadamente apoiada pela ótima presidenta do Salgueiro, Regina Celi Fernandes. A qual, depois de dois mandatos sendo oprimida, discriminada e passiva na LIESA enquanto mera suplente, tornou-se presidente do Conselho Fiscal. Saudações carnavalescas do portelense, Almir de Macaé.

  • Avatar
    02/03/2016 03:49:43Luiz RSFMembro SRZD desde 07/04/2009

    Acho que as escolas tem que o parar de fazer carnaval pensando em jurado, tem que pensar no espetáculo como objetivo maior.

  • Avatar
    02/03/2016 03:48:03Luiz RSFMembro SRZD desde 07/04/2009

    Acho que as escolas tem que o parar de fazer carnaval pensando em jurado, tem que pensar no espetáculo como objetivo maior.

Comentar