SRZD


29/12/2008 23h13

Metrônomo, esse incompreendido
Eugênio Leal

Está um "bafafá" danado este negócio de metrônomo. Criaram até uma comunidade no "Orkut" para esculhambar o aparelhinho que, coitado, não tem culpa de nada. Está lá fazendo o papel dele, contando as batidas por minuto. É certo que algumas das raivosas opiniões não são exatamente contra ele, mas contra quem o usa. No caso, a equipe de reportagem deste site. Tem havido uma enorme patrulha quanto ao que se faz por aqui. Talvez a repercussão incomode. 

Quando o Alberto João (editor do SRZD-Carnavalesco) me disse que estava pensando em adquirir o bichinho eu achei a idéia legal e o encorajei a seguir em frente. Posso dizer, então, que sou co-responsável pelo uso do mesmo nas reportagens dos ensaios técnicos. Um veículo de comunicação precisa estar antenado e deve sempre inovar, ousar, estar à frente. Quem pára no tempo acaba atropelado pelo "bonde da história". A iniciativa de nossa equipe segue apenas  uma tendência que vem sendo adotada pelas escolas através de suas direções musicais. 

Mas, afinal, qual o papel do metrônomo no carnaval? Medir o andamento do samba-enredo. Seu uso em diferentes momentos do desfile (ou ensaio) nos permite saber a variação da velocidade em que a música está sendo executada. O aparelho é um auxílio da tecnologia para uma discussão que não é nova. Ele permite precisar se realmente o samba "arrasta" ou se está muito acelerado. O que antes se fazia de "olherada" hoje se comprova com números.  

O monitoramento do desfile ajuda a manter um andamento padrão determinado pela direção musical da escola como o mais indicado para aquela apresentação. Com ele, acabou a correria que havia nas primeiras passagens. Lembram que o samba começava a cem por hora sob o argumento de que "depois ia para o lugar certo"? Agora quase todos começam bem perto do ritmo ideal e terminam também numa média aceitável.

Não creio, em momento algum, que isso possa trazer qualquer prejuízo aos desfiles de escolas de samba. Muito pelo contrário, ajuda a manter um ritmo mais agradável para o desfilante, para o ritmista e para o espectador por um tempo maior - o que é ótimo.

A medição que ele faz, ao contrário de outras que estão incorporadas ao carnaval, traz benefícios para quem gosta de samba. Se os relógios, as trenas, e as caixas registradoras ainda não acabaram com a festa - não será o coitado do metrônomo que o fará. 

O estranho é haver resistência à evolução no mundo cibernético, usar o espaço virtual para cobrar a volta a um passado que não existe mais. A tecnologia só é inimiga da emoção quando as pessoas não sabem utilizá-la.


Comentários
  • Avatar
    04/01/2009 18:31:55HARMONIAAnônimo

    Izildo concordo com voce, temos aí a RECORD, a BANDEIRANTES e até a CNT, porque a LIESA não toma logo providência a esse respeito, o que não da para entender. As escolas precisam de mais tempo de desfile, que agora foi aumentado em 2 minutos ( rsrsrs ) isso é sacanagem. Voce passar com 4.500 pessoas e na maioria das vezes ter de correr para não estourar o tempo, e o pior é quem paga R$ 500,00 numa roupa para usar somente durante 30 minutos, povo não está tão otário como antes, as pessoas agora dão valor ao seu dinheiro, e se além disso essa escola não vier nas campeãs, pior ainda. Tá mais do que na hora da LIGA rever este contrato de trasmissão com a GLOBO, caso ela se recuse em aumentar esse tempo de desfile para no mínino 1:40 hs - 100 minutos estaria perto da lógica, porque não, por causa da novela, se eles acham mais importante a novela que fiquem com ela, e liberem o direito de transmissão para outra emissora. Mas essa seria uma luta - LIESA x TV GLOBO e não do sambista com a TV GLOBO. A raiz do problema está aí, e eu te pergunto quem irá comprar esta briga, quem fará o melhor para as escolas de samba?......

  • Avatar
    04/01/2009 16:27:02Izildo Santos PereiraMembro SRZD desde 22/06/2009

    Veja como essa aceleração desnecessária toma proporções maiores na discussão , abrange agora os sambas de enredo , realmente de algum tempo pra cá os sambas estão perdendo a poesia o lirismo e estão se tornando extremamente tecnicos hoje em dia o carnavalesco corta no cd uma obra por esta não estar de acordo com o roteiro da escola..ora bolas muda-se o roteiro e leve a obra pra avenida afinal o quesito mais importante num desfile é o samba enredo (alguns diram que é a bateria) mas um bom samba leva todos os outros quesitos quando contagia a avenida e por isso é só ele que participa de concurso todos os anos nas quadras ..mas o fato de ter-se acelerado tanto o samba vc não consegue mais emplacar uma bonita obra como nos anos 80 onde Didi , Carlinhos de Pilares , Franco , Davi Correa deitavam e rolavam nos sambas marcheados hj com certeza essas obras seriam eliminadas nos primeiros cortes de samba acusados de arrastar os desfiles na avenida , participei esse ano do concurso da Vila Maria em São Paulo e fomos eliminados na semi final porque não tinhamos torcida isso falado claramente pra gente como se torcida fosse quesito em escolha de samba...mas é hj vc tem que vir naquela correria da marcação do samba onde os sambas ficam todos iguais e ninguem se destaca a não ser nas torcidas..e na avenida vai acontecer a mesma coisa ou seja nada nenhum samba marcou época depois dessa aceleração desnecessária ao carnaval..entramos nos horarios impostos pela globo que tem que acabar o desfile antes do Bom Dia RJ assim como o futebol na madrugada apos a novela..pq baixar tanto a cabeça ? pq não negociar com outras emissoras que não tenham pressa em transmitir o carnaval na integra na sua condução natural ? os artistas como compositores e diretores de bateria assim como os interpretes estão de mãos atadas entram no esquema pelo profissionalismo e por isso eu prefiro o carnaval do acesso que é mais alegre mais espontaneo que não segue regras e nem ho

  • Avatar
    03/01/2009 22:23:47Charisteu NevesAnônimo

    Falta gás, pro nosso caraval. Lembro que Laíla disse que até que enfim ganhou samba enredo lá um cara bom de samba que vive de samba. Mas vive no sentido de amor...que faz samba olhando pra lua...inspirado. Não esse pessoal que faz samba cheio de maracutaia e escritório. Graças a Deus a beija fez um samba solto..sem frescura de rebuscamentos artificiais que exige as industrias de "samba enredo". essa questão do cronometro é uma oisa que não tem nada a ver. Isso tá forçando o samba. Olha no caso da Grande Rio, se aquele smba for tocado numa cadencia muto baixa...vai ser um fiasco. Já é dificil certas entonações ( a segunda parte do samba é quebrada) imaginem se a batida vier muito leve...Concordo que deve haver uma análise de comportamento ritmico...uma ordem...tem samba que necessita de aceleração, como tem samba que não necessita, como é o caso de A LENDA DAS SEREIAS. E pra quem diz "não se faz mais samba como antigamente" e para quem diz "os tempos são outros": essa é uma discussão que vou postar logo logo no meu blog http://pedrocarnaval.blogspot.com/ pois todo mundo fala que os tempos são outros mas too mundo reedita samba..por que? espero que me respondam lá no meu blog pessoal...mais um espaço democrático prá nos discutrmos essas questoes polemica. http://pedrocarnaval.blogspot.com/ quando puderem deem uma visita! abraço Salve, salve!!!!

  • Avatar
    03/01/2009 19:24:34LUIZINHO DA CUÍCAMembro SRZD desde 07/04/2009

    Mestre Donga, até que enfim pintastes de novo na área. Alguns amigos estiveram também em Copacabana e me disseram a mesma coisa, na hora que o Salgueiro entrou, para fazer seu show, todos cantavam aquele funk, Salgueiro... é o Caldeirão..., e por aí vai, tambem penso que isso foi pelo funk. Mas que a vaia atribuída a Beija-Flor foi horrorosa, isso foi, a galera começo a gritar, Mangueira, Portela, e o nome de outras escolas, e alguns dizem que a Beija-Flor é a segunda mais querida ( pesquisa realizada em Nilópolis, só pode, daqui a pouco nosso amigo Nil estará defendendo seu pavilhão, tem seu direito ). Amigo me avise quando for lá na quadra, para que eu leve o seu CD, aquele do MESTRE, ok !!!!, abraços e até breve

  • Avatar
    03/01/2009 18:28:52dongaAnônimo

    Henrique, eu estava lá e não vi essa ovação toda pro Salgueiro não. Aliás o que levantou a galera foi o Funk, evidente, um público predomintemente jovem é normal que ritmos dançantes e barulhentos levante a mulecada, tanto que na Bahia, o Funk é muito tocado naquels trios que começaram com Frevo e hoje tocam o que tá na moda e agrade seus clientes. Mas O Salgueiro teve sim uma boa recepção do público e não vou aqui avaliar bateria em show que tá ali só pra levantar a galera com repinicadas e conveções, isso nada tem haver com desfile. Já a BF levou uma vaia estrondosa, o que desmonta aí algumas pesquisas de que já seria mais popular até do que a Mangueira. Se numa amostragem de 2 milhões de pessoas de gente de todo o brasil e até do mundo, vc toma uma vaia daquelas, queria saber onde são feitas essas pesquisas, deve ser em Nilópolis. E teve muitos coros de Mocidade, Mangueira e Portela, além do Salgueiro. Isso foi muito legal, porque mostra a força que as ES ainda têm apesar do sambas não estarem sendo tocados em lugar nenhum e muito menos o Cd tá vendendo como vendia até meados da década de 90. E de novo, a Mulambada coitada, adivinha quais os sambas que eram puxados nas rodas da praias ? Os sambas da antiga. Ouvi vários sambas da Ilha, o explode coração do SAlgueiro, sambas da Mocidade, sambas da Portela, os Sertões da Em Cima da Hora, o Aquarela do Silas de Oliveira e o samba mais recente que meu "Data-ouvido" captou foi o samba da Mangueira de 94 : "o me leva que eu vou, sonho meu..." NÃ?O OUVI EM NEHUMA RODA, nenhum samba recente dos últimos 10 anos. E essas rodas tinham muita gente nova. Ou seja o carioca e brasileiros continuam apaixonado pelo Samba-enredo, mas os da antiga. Sou doente mesmo, Mulambada podem me chingar, mas fiz questão de fazer esse tour por Copacabana e ruas adjascentes pra ver o que o povo tava cantando e uma boa notícia, o Funk apesar de incendiar a praia, só rolava quando vinha das Caixas de Som

  • Avatar
    03/01/2009 16:41:29IzildoMembro SRZD desde 22/06/2009

    Salve Donga ! realmente sou um compositor ganhador de varios sambas em santos e nem comentei isso e vc me reconheceu sinal que esta ligado aqui pelas bandas da baixada santista..a respeito do assunto e procurando se aprofundar um pouco mais eu acho que as estruturas do samba precisam serem mudadas mas por quem conhece tipo Hiran Araujo , Pamplona , Maria Augusta..alias ja debati com eles nos cursos de jurados que participamos eu achava que haveria de ter notas para passistas e para Baianas que pra mim são alas tão importantes qto a comissão de frente nesse caso haveria uma queda nos bpm que pra mim é o que ta matando o carnaval tipo Sampa no tempo dos cordões nos do Império do samba subiamos a São paulo e não conseguiamos sambar aquilo realmente era o tumulo do samba..mas hj ta legal vc vai nas quadras e ta um ritmo gostoso mudou muito o samba de São Paulo amigo Donga...saudações!!!

  • Avatar
    03/01/2009 15:29:51JuarezAnônimo

    Esse tipo de comparação feita pelo Sr. João da tijuca é puro preconceito. Se ser do morro é ser ritmista, várias escolas terão que mandar até Mestres de Baterias embora, dispensa-los poque não são do morro, imaginemos então os ritmistas, e que hoje diversos são do asfalto. Isso é pura besteira preconceituosa, e me surpreende e muito, pessoas como Donga irem a seu favor, dar-lhe razão, por favor senhor Donga o senhor sempre se mostrou um fervoroso conhecedor de rítmo, compactuar com uma comparação escrota como esta me surpreendeu e muito, abraços de um RITMISTA DO ASFALTO.

  • Avatar
    03/01/2009 13:31:34Bruno SantosAnônimo

    Em relação a bateria tenho 27 anos e 12 de bateria,aprendi tocar sozinho 1° o tamborim(minha vizinha e que sabe) e logo após os demias instrumentos(a qual que ñ fiz questão foi repinique e muito chato),ralei pra entrar numa bateria para desfilar ñ sou de morro ñ filho de papai,mas nas escolas que desfilo tenho reconhecimento por ser um bom rtimsta então eu acho preconceito em dizer que so melhores estão no morro.

  • Avatar
    03/01/2009 13:07:24O criticoAnônimo

    outra coisa ñ sou de morro ñ filinho de papai e ñ aprendi em escolinha de percussão pego cerveja ou refrigerante com diretor e tbm compro então e preconceito dizer que os melhores são apenas as do morro.

  • Avatar
    03/01/2009 13:03:08O criticoAnônimo

    João da Tijuca,sou ritmista de ES,concordo que a fantasia ñ vem de graça isso e verdade,mas dizer que a pessoa e um otario que fica na quadra tocando suando por uma ou outra de cerveja,discordo.Sou ritmista e ser tiver vontade de comprar um refrigerante ou cerveja pego meu dinheiro e compro realmente existem ritmistas que ñ tem condições e esperam o diretor quando da uma bebida.Sou ritmista com muito orgulho pq gosto de percussão. Alias o samba so começa se o ritmista pega seu instrumento e bota a coisa pra ferver.Abraços.

  • Avatar
    03/01/2009 12:03:38LUIZINHO DA CUÍCAMembro SRZD desde 07/04/2009

    Senhor Eugenio Leal, para mim a tecnologia será sempre inimiga da emoção. Não podemos comparar o que há de natural, com algo que gostaríamos que fosse perfeito. Esse aparelho jamais trará benefícios para qualquer tipo de rítmo, seja ele acelerado ou não, muito pelo contrário, isso irá aguçar uma disputa tecnológica, para mostrar quem passa certinho, mas sem emoção, tipo uma banda marcial. O que foi dito pelo Izildo, até seria bom, se pudéssemos desfilar a vontade, mas com um tempo de desfile maior, e por que não como antes, até o raiar do dia. Aí sim, voltaríamos no tempo, em que as escolas estavam mais a vontade, em que baterias, eram baterias PURA CADÃ?NCIA. O que mais me deixa chateado, é ver o senhor fazendo propaganda sobre esse aparelho, dizer que ele é benéfico, logo o senhor, que em outras matérias se colocava a favor do carnaval passado, que mudança heim !!!!!

  • Avatar
    03/01/2009 10:45:17HenriqueAnônimo

    Izildo e Donga, a situação já, a muito, se tornou calamitoza, como nós faremos o povão retroagir no tempo, será muito difícil. Aos que acompanharam a queima de fogos em Copacabana e foram testemunhas oculares e visuais, do que aconteceu por lá. Quando da entrada da bateria do Salgueiro, que hoje tem um rítmo aceleradíssimo, ao meu ver, mas que foi ovacionda pelo público presente, e a monstruosa vaia recebida pela bateria da Beija-Flor, constata-se que o povo já acostumou-se a isso que temos por aqui no Rio de Janeiro, e que será uma tarefa difícil, para alguns Mestres de bateria fazer com que o povão receba o bom rítmo de volta, aquela cadência verdadeira, com swing, com balanços, com repiniques brincando com as terceiras e etc. O que poderá ser feito com relação a isso ? E dizem por aí, que a voz do povo é a voz de Deus.

  • Avatar
    03/01/2009 09:46:34dongaMembro SRZD desde 07/04/2009

    Ã? isildo, e teve gente aqui chingando, querendo briga quando chamamos esses 150 BPM de LATARIAS, Fanfarra de Frevo... E nos meus réles comentários eu sempre menciono isso, que nessa correria é impossível tocar samba. Não dá tempo pro ritmista executar todo o toque de caixa, repique... porque o surdo, ou melhor o Bate-estaca (que vira), vem muito em cima, só os tamborins conseguem sobressair nessa correria de forma ridícula é verdade. E temos lá no Rio o Mestre Odilon, que há anos vem criticando e batendo forte nessa Correria. E Isildo seja bem vindo ao Fórum, pois te conheço você é compositor de Santos, local tradiconalíssimo em Samba que tem desfiles de Escola de samba desde a década de 40. E que é a verdadeira porta de entrada do gênero Samba no Estado de São Paulo. Tem umas lendas aí que confunde Samba com foguedos, reizados e ritos negros e que diz que o samba de SP vem de Pirapora, parecido com a confusão que fazem em relação a Chula baiana, hoje Samba de Roda. Mas seja bem vindo, é importante temos gente gabaritada nessa nossa humilde campanha há anos na NET: ABAIXO A CORRERIA !!!!! Já tamu tendo resultado, visto que algumas baterias já tão ali na casa dos 146 bpm e essa correira já causa vergonha e constragimento pra muitos.

  • Avatar
    03/01/2009 08:14:52Izildo Santos PereiraMembro SRZD desde 22/06/2009

    Ja fui passista , ritmista , malabarista de pandeiro , diretor de bateria e hj sou juado de bateria. O problema dos bpm no desfile de uma agremiação começa no numero de componentes de cada escola se não passar acelerada estoura o tempo na avenida , agora cade a graça do passista a 150 bpm ? não da pra fazer aquelas letras bonitas , riscar o chão , fazer graça senão vai ser atropelado..e as bossas do surdo de terceira ? e dos repiniques ? e a graça do casal de MSPB ? . Sabe qual é a solução ? libera o tempo de desfile e vamos terminar com o sol brilhando como era antigamente e pelo menos vamos voltar a ter um desfile cadenciado , gostoso bonito e sem stress..quanto ao metromeno é uma covardia com quem tem se preocupar com entrada no box , passagens , coreografias e ainda ter que sustentar o canto da escola..a culpa não é do aparelho e sim do numero de componentes principalmente de alas comercias..faz um desfile so com a comunidade com 3.000 componentes no maximo à 135 bpm que o desfile vai ser uma maravilha...com certeza

  • Avatar
    03/01/2009 00:16:30HenriqueAnônimo

    Donga, antes para desfilar na bateria de uma escola de samba o sujeito tinha de comprovar que sabia fazer algo, além do feijão com arroz, ou seja do B A-ba. Hoje não, como disse o João está cheio de playzinhos, de amigos do presidente, amigos do diretor de bateria, isso sem falar naquele que chega em cima da hora com um Whiskie para o diretor. E sabendo disso alguns mais antigos acabam se afastando, o que fez cair e muito a qualidade do ritmo, mas qual seria o remédio para que as baterias fiquem CURADAS DESSE MAL ???

Comentar