SRZD



Hélio Ricardo Rainho/Carnaval

Hélio Ricardo Rainho/Carnaval

CARNAVAL. Profissional de Comunicação e Marketing, Hélio Rainho veio do teatro, sendo ator e diretor profissional. Autor da biografia do jogador Mauro Galvão e de várias peças teatrais. Nascido na Praça XI, chegou à Portela como jovem compositor nos anos 80 e passou a pesquisar escolas de samba e Carnaval. Idealizador do projeto "Quem És Tu, Passista?", um manifesto pela preservação do segmento, é padrinho dos passistas do Império Serrano e comentarista dos desfiles na Sapucaí. Twitter/Instagram: @hrainho.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



24/04/2016 12h33

Viriato Na Rocinha: Um 'Saçarico' que honra o Samba
Helio Ricardo Rainho

Carnavalesco João Vitor - Foto: Divulgação

Em priscas eras em que os nomes verdadeiros e autênticos do carnaval perderam prestígio e espaço para celebridades inócuas e "alienígenas" da festa que alavancam patrocinadores para serem incensados, veio de la de São Conrado um grito, um alento, um rompante de esperança de que os grandes nomes não serão esquecidos. A Acadêmicos da Rocinha anunciou seu enredo para 2017: "No Saçarico da Marquês, tem mais um freguês: Viriato Ferreira".

Viriato é figura retórica no carnaval carioca. Não pretendo, aqui nesta coluna, estender-me a descrever a grandeza de seu trabalho ímpar de figurinos, uma marca registrada que até hoje persiste em quem desenha fantasias na Portela. O próprio carnavalesco João Vitor Araújo, autor desse belo enredo da Rocinha e também figurinista responsável pelas fantasias da Portela em 2016, admite ter pensado em Viriato o tempo todo para compor o trabalho que lhe rendeu a nota 40 fechada no desfile da Majestade do Samba.

João Vitor é uma das esperanças contidas que todos nós, críticos de carnaval, temos. Nós, que ano após ano nos damos a assistir aos desfiles em busca de algo que seja conceitual e diferente, sabemos o quanto é difícil encontrar. João Vitor é um jovem e irrepreensível esteta, talentoso requintado, que já nos provou sua capacidade para renovar os quadros cada vez mais repetitivos e pouco animadores prometidos pelo carnaval das escolas. Consegue criar fantasias com volumetria e imponência, sem comprometer a leveza necessária para o desfilante. Além disso, tem extremo bom gosto no desenho e na forma, bom uso das cores e inventividade, tornando didáticos todos os desfiles que preparou até hoje.

 Logo Rocinha 2017 - Foto: Divulgação

Lembrar de Viriato Ferreira pode ser um elo perdido para que a escola de samba destitua-se desse discurso pouco convincente de que é necessário se vender a enredos fora de seu epicentro cultural para que possa se colocar na avenida. Já vimos e temos visto muitas escolas com enredos alienados, exaltando nomes distantes do carnaval. Penso que escolher um tema abstrato soa menos ofensivo do que prestar uma homenagem a um personagem equivocado. Quando se erra no tema, é um pecado menor. Quando se erra por enaltecer um nome que ofusca algum baluarte ou personagem legítimo do samba, fica clara a influência do fator financeiro contra as tradições e a cultura da escola de samba.

E essas gerações mais recentes, como ficam? Se não tiverem a oportunidade de reverem Viriato citado e explanado por uma escola da contemporaneidade, perderão a oportunidade de conhecer mais de perto um dos maiores nomes dessa festa, que contribuiu imensamente para que ela se tornasse espetacular em seu sentido artístico. Pois, se foi Joaosinho Trinta quem conferiu a grandeza apoteótica das escolas de samba com sua verticalização dos desfiles em alegorias gigantes na década de 70, foi Viriato - então figurinista de João - quem trabalhou para redimensionar as fantasias, de modo que pudessem acompanhar essa transformação.

Viriato influenciou e tem influenciado uma geração imensa de carnavalescos. É digna e louvável essa homenagem da Rocinha. Que, enfim, parece retomar seu caminho de acerto e capricho, engajando-se na repaginação de seu projeto de carnaval para 2017.

O tema é nobre, o carnavalesco é de excelência, e até a sinopse do estreante no ofício Daniel Targueta apresenta-se, já na prévia, inspiradíssima, emocionante por trazer a figura do próprio Viriato numa narrativa em primeira pessoa.

Aguardemos, pois, o andamento desse passo de ouro já dado pela Acadêmicos da Rocinha para que o Carnaval 2017 tenha a honra de nos trazer um personagem não invasivo, mas com propriedade para ser enredo na avenida.

Facebook Hélio Ricardo Rainho
Twitter/Instagram @hrainho

 


Comentários
Comentar