SRZD



Ana Cristina Von Jess

Ana Cristina Von Jess

FRANQUIAS. Advogada, formada pela Universidade Católica de Petrópolis, especializada em Direito Empresarial com foco no segmento de franquia, Pós-Graduada em Responsabilidade Civil, Diretora Jurídica da ABF-Rio, Associação Brasileira de Franchising - Seccional Rio de Janeiro e sócia do escritório Von Jess & Advogados.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



02/05/2016 19h03

A necessária mudança

Peço licença a vocês para fugir um pouco do tema franchising e falar do que está em pauta em nosso país.

 

A palavra de ordem do momento é CRISE. Se não pagam as contas, é por causa da CRISE; se não contratam é por causa da CRISE; se demitem é por causa da CRISE; se não compram é por causa da CRISE; se não investem é por causa da CRISE...e por ai vai.

 

Sem dúvida esse momento está longe de ser a pior crise econômica pela qual já passamos... Vivemos hoje uma inflação que, em dados oficiais, está em torno de 11% ao ano e com taxa de desemprego em 7%. Já tivemos inflação de 83% ao mês e desemprego de 20%.

 

Seguramente não é a maior crise econômica já vivida e, com certeza, vamos sair dela e retomar o crescimento. A maior crise que estamos enfrentando é moral, ética e de valores.

 

A incerteza do futuro está deixando todos muito pessimistas e incrédulos. O Brasil, historicamente, sempre foi um país focado no futuro e, de certa forma, esse foco no que "está por vir" sempre serviu de mola propulsora do nosso desenvolvimento.

 

Sempre seguimos acreditando que chegaríamos lá (seja lá onde fosse esse lugar) e agora nos vemos diante de uma situação onde, cada um de nós, está sendo forçado e provocado a assumir suas próprias responsabilidades.

 

A cada dia fica mais difícil não tomar partido, não se posicionar.

 

Não há mais espaço para colocar a culpa do "DESgoverno" que vivemos, em quem está no poder. Não há mais espaço para deixarmos as coisas acalmarem e as soluções virem naturalmente.

 

Estamos sendo forçados a nos confrontar com nossas próprias escolhas e com a nossa parcela de responsabilidade em tudo isso que está ai.

 

A culpa desse sistema que beneficia poucos, que permite que a bandalheira, a corrupção, o desvio de finalidade, de verbas e os mais variados crimes contra o patrimônio do povo e contra o nosso país também é de todos nós.

 

A mudança é difícil, mas não procurá-la poderá ser fatal. Não podemos perder a oportunidade da CRISE, para mudarmos tudo o que tem que ser mudado. Mudarmos o governo, a forma de eleger nossos representantes, a forma de nos comportarmos diante do que é público, a forma de contratarmos, a forma de nos relacionarmos com os que pensam diferente de nós, enfim de mudarmos conceitualmente nossas próprias crenças.

 

Não estamos jogando um jogo e não haverá vencedores ou perdedores. Ou vencemos todos, ou perderemos todos juntos.

 

Essa é a hora. Que a CRISE sirva para amadurecermos e continuarmos trabalhando e desenvolvendo o futuro do país que acreditamos.


Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.