SRZD



Hélio Ricardo Rainho/Carnaval

Hélio Ricardo Rainho/Carnaval

CARNAVAL. Profissional de Comunicação e Marketing, Hélio Rainho veio do teatro, sendo ator e diretor profissional. Autor da biografia do jogador Mauro Galvão e de várias peças teatrais. Nascido na Praça XI, chegou à Portela como jovem compositor nos anos 80 e passou a pesquisar escolas de samba e Carnaval. Idealizador do projeto "Quem És Tu, Passista?", um manifesto pela preservação do segmento, é padrinho dos passistas do Império Serrano e comentarista dos desfiles na Sapucaí. Twitter/Instagram: @hrainho.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



25/05/2016 17h19

Evento 'Leituras de Passistas': Um novo olhar para o segmento
Hélio Ricardo Rainho

Projeto Quem És Tu Passista - Foto: Jeanine Gall

Quando iniciamos, em 2013, as ações pontuais especificas do Projeto Quem É Tu, Passista?, visando à perpetuação e defesa da arte dos dançarinos mais legítimos da dança do samba, identificamos sérios ofensores.

O primeiro deles era o foco desigual e impessoal que as matérias de imprensa, de forma geral, dedicavam à cobertura de seus trabalhos e eventos. Os passistas, salvo mui raras exceções, eram vistos sempre como sujeitos indeterminados, sem muito empenho da mídia especializada em carnaval de citar seus nomes, tipificar seus trabalhos, destacar sua relevância dentro do cenário produtivo do próprio espetáculo das escolas de samba. Identificamos, então, a necessidade de promover, através do braço da imprensa, um foco midiático que pudesse, de forma quase didática, expor as biografias, promover matérias ilustrativas do que era produzido individualmente e dentro das alas de cada escola.

O outro ofensor (a meu ver, ainda bem preponderante) era a dificuldade que o meio acadêmico oferece a seus pesquisadores de terem liberdade, de fato, na depuração das leituras sobre o passista e suas reais motivações. Não raro motivada por construções tendenciosas e viciadas de teorias atreladas a outros nichos que não são exatamente a  escola de samba, grande parte dos estudos parece mais preocupada em favorecer pressupostos teóricos do que traduzir a verdade e a proposição dos passistas atualmente em atividade. Daí o esforço do Projeto QTP em promover o foco acadêmico, indo ao campus universitário para debater com propriedade (e passistas in loco) as questões referentes ao segmento, minimizando a margem de distorção.

AndréDrummond, PabloJales, LeoRamos, RickAngelo, KaioMackenzie, WaldirTavares - Fotos: JM Arruda

Por fim, o último ofensor: o desdobramento das manifestações artísticas dos passistas sendo visto de forma uniformizada e pasteurizada. Pasmem: ainda há quem não os considere  "artistas", considerando até "pejorativo" assim denominá-los! E também quem acredite que ""assista é tudo a mesma coisa". Veio o foco artístico do projeto fortalecer essa visão de que existe diversificação na arte dos passistas.

Passistas FilipeFernandes, JonatasKemper e Valéria Bombom - Foto: JM Arruda

No último domingo, iniciamos uma parceria com o evento Ballet2Passistas, promovido pelo Leviano Bar, na Lapa, no sentido de levarmos quinzenalmente uma apresentação artística que evidencia, por meio de um recorte, cada variação existente na imensa pluralidade do segmento. Não temos apenas "gente sambando" dentre os milhares de passistas atuantes em nossas escolas de samba: temos produtos diversos, concepções diferentes, metodologias e proposições variadas. Da ideia de divulgar e promover o entendimento dessa diversidade veio a série "Leituras de Samba". Serão cerca de dez incursões, com dez apresentações tendo uma palavra de apresentação que destaca características peculiares da arte dos passistas em atividade.

Passistas Bherna Francy, Kriollo Rei e Cristiane Camargo - Foto: Jeanine Gall

A primeira apresentação levou o "Grupo Show Quem és Tu, Passista?", um recorte do que foi apresentado pelo cast que desfilou em janeiro, na Sapucaí, na marcha do Dia do Passista. Sob direção de Bherna Francy, passistas de diversos estilos e diversas escolas com caracteristicas variadas uniram-se para encenar as nuances do chamado "samba malandreado", cultivando a cultura tradicional da Lapa, onde a boemia saudava os bons malandros cortejando suas cabrochas. Passistas como Thiago "Kriollo Rei" (Rei Momo de Niterói e passista Viradouro/Mocidade Independente), André Drummond (Rei Momo de Caxias e passista da Grande Rio), Leandro Hardoim e Pablo Jales (passistas da Viradouro), Filipe Fernandes (passista da Tuiuti), Léo Ramos, Valéria Bombom, Kaio Mackenzie e Rick Ângelo (passistas da Vila Isabel), Jonatas Kemper (passista da Grande Rio) e os "veteranos" Cristiane Camargo e Waldir Tavares fizeram uma belíssima apresentação, contagiando os presentes e ajudando a marcar a presença do segmento e do projeto na abertura da série.

Passista Filipe Fernandes - Foto: JM Arruda

Talvez pareça exagero que um grupo de artistas precise, ao mesmo tempo em que atue, militar em favor de sua arte. Pois é. Mas, lamentavelmente, todo o legado das escolas de samba só se permite ser construído assim. Caso contrário, torna-se "cultura paralela" para os modelos culturais vigentes ou objeto primitivo de pesquisa para teoricistas e suas teses de adestramento intelectual.

Passista Leandro Hardoim - Foto: Jeanine Gall

Facebook Hélio Ricardo Rainho

Twitter/Instagram @hrainho


Veja mais sobre:CarnavalPassistas

Comentários
Comentar