SRZD



Paulinho Mocidade

Paulinho Mocidade

CARNAVAL. Comemora 28 anos de carreira. É intérprete tetracampeão do Carnaval, com passagens por escolas como Mocidade, Unidos da Tijuca, Imperatriz, Império da Tijuca e Santa Cruz. Compositor, tem 40 músicas gravadas e interpretadas por nomes como Emílio Santiago, Dona Ivone Lara, Dudu Nobre, Seu Jorge, Ana Carolina, Roberta Sá, Monobloco, Marcelinho Moreira, entre outros. Já fez shows em países da América do Sul, do Norte e na Europa. Também já foi jogador de futebol. Acumula premiações como Medalhas Tiradentes e Pedro Ernesto. Primeiro cantor do jingle "Globeleza".

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



18/06/2016 08h15

Videoblog: Paulinho Mocidade fala do troca-troca de profissionais nas escolas de samba
Redação SRZD

Neste videoblog, Paulinho Mocidade comenta a questão do troca-troca de profissionais nas escolas de samba. Ele fala dos prós e contras e destaca:

"Uma boa identidade traz uma série de coisas boas para a escola", completando que quanto mais tempo o artista ficar na escola, mais ganhará ele e a agremiação. Confira: 

- Clique e veja outros vídeos de Paulinho Mocidade

Veja mais videoblogs:

- Laíla fala sobre harmonia e direção de Carnaval

- Julinho e Rute falam sobre mestre-sala e porta-bandeira

- Fábio Batista aborda temáticas ligadas à dança, inclusive sobre passistas

- Márcio Moura fala sobre comissões de frente

- Chico Spinosa comenta a arte de fazer Carnaval

- Luiz Fernando Reis comenta os desfiles das escolas de samba

- Alemão do Cavaco comenta sobre composições e disputas de samba

- Mestre Odilon Costa comenta as baterias das escolas de samba

Foto: SRZD-Rodrigo Trindade

- Clique aqui e saiba tudo sobre o Carnaval carioca

Já curtiu a página do SRZD-Carnaval no Facebook?



Comentários
  • Avatar
    18/06/2016 13:21:57RogérioMembro SRZD desde 26/05/2009

    É isso mesmo a escola começa a perder sua identidade apartir da hora que troca o cantor em seguida seu carnavalesco, para mim o Salgueiro deu um tiro no pé dispensando o Cantor Quinho, o rei das firulas, mas que era muito altentico, combinava com a personalidade dele, era ótimo.

Comentar