SRZD



Ruy Chaves

Ruy Chaves

Tem experiência em implantação, desenvolvimento e reestruturação de instituições de ensino superior. Cursou Altos Estudos de Políticas e Estratégias na Escola Superior de Guerra (ESG), onde foi membro do corpo permanente e do corpo de Conselheiros. Professor universitário, também atuou em cursos da Polícia Militar do Rio de Janeiro e do Pará, em cursos de planejamento estratégico na ACADEPOL de Minas Gerais e na Escola da magistratura do Tribunal de Justiça do Rio de Janeiro. Cidadão de Aracaju, tem as Medalhas Tiradentes, da ALERJ e da Polícia Militar do Pará, e Marechal Cordeiro de Farias, da ESG.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



29/06/2016 10h07

Viva o amor!
Ruy Chaves

Olá, pessoal. Todos os dias são dias dos namorados, certo? Mas o filme de terror de quinta categoria em que se transformou a realidade nacional impôs quase uma pauta exclusiva em nossas vidas, o combate mortal travado contra as forças do mal e da sociedade da mentira e seu produto obsceno, a corrupção. Então, alguns temas se atrasam um pouco, mas não podem ser esquecidos. Daí este texto.

 

PERSIGA AS SUAS UTOPIAS!

 

Perdoe-me, caro Fernando de tantas Pessoas, mas cartas de amor não são ridículas. O amor faz o homem verdadeiramente humano e poder dizer de seu amor é fantástico! Claro, são tempos virtuais, a vida e as circunstâncias sempre dependentes de apenas um clique, mas o amor é a vida e namorar é... dos deuses! Então, fiz uma carta de amor em celebração ao Dia dos Namorados. Cartas de amor devem ser secretas, divididas apenas por quem as ousou e a quem se destinam. Mas, em homenagem a seus 100 mil poemas, Fernando Pessoa, muitos sobre o amor, divido com você uma carta de amor, simples e desinteressante como eu. Nestes tempos tão difíceis, imprescindível uma pausa para o fortalecimento de nossa alma: viva o amor!

"Meu amor, te invejo, porque teus olhos são tuas palavras e querendo te dizer tantas coisas de mim, e tendo tão poucas palavras, te falo com silêncio e com meus olhos que buscam teus olhos permanentemente. Sei que é difícil que me compreendas: meu silêncio te pertence. E meu silêncio é forte em mim, porque quando uso as palavras as palavras é que me usam. Também difícil entender as razões de teu amor e nem sei se o amor depende de qualquer razão. Mas preciso pensar sobre nossa relação, porque não são os nossos corpos que estão juntos, apenas.

Não toco qualquer instrumento. Canto tão mal quanto alguém possa fazê-lo. Machuco teus pés ao dançar. E me queres? Não fui capaz de decifrar os enigmas mais simples. Não fui capaz de esconder-me de mim. Simplesmente, não fui capaz. Curvei-me mais que aceitavelmente, tive tantos medos, frequentemente concordei quando discordava. Cansei-me por não ser e por tanto ser inconsequente. Fui orvalho sem ser noite, não fui pássaro nem peixe. Sou absurdo, tenho um tempo imenso de angústias e não tenho as respostas mais simples.

Por que me queres? Não te posso impressionar pelo aspecto. Sou opaco, não tenho graça, não faço proezas atléticas, não sou piloto veloz, não salto de lugar algum... Tive sarampo, catapora e minha primeira paixão foi minha primeira professora. Como os medíocres do poeta, somente comi comida e somente bebi bebida. Sei que meus amigos, como os do poeta, também são campeões em tudo e por eles todas as mulheres suspiram. Mas eu tenho muitas derrotas. Não tenho cavalo branco nem chapéu de plumas. Não tenho cavalo nem chapéu. Para que plumas? Sou sapo sem ser príncipe, óbvio, frágil e tolo. E me queres? Queres a mim que sou pequeno e penso pequeno? Que tenho a ambição de não ter grandes ambições? Que sei tão pouco? Como podes querer um homem que não quer ser príncipe na vida?

Sou, apenas, quero, apenas, ser orvalho e ser noite, quero ser pássaro e ser peixe, estar em teus olhos, em tua vida, estar na estrela que me faz homem. Quero deixar de ser pequeno para estar pequeno em teus braços, muito pequeno em teu corpo, coberto por tua boca, coberto por tua vida, feliz, inteiramente feliz, sabendo que me queres sem tempo de indagar por que me queres. Feliz Dia dos Namorados, meu amor".

Panta rei.


Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.