SRZD



Paulo Estrella

Paulo Estrella

CONCURSO PÚBLICO. Desde 2008, diretor-pedagógico da Academia do Concurso, empresa do grupo Estácio, professor de curso preparatório desde 2003 e coordenador de cursos de pós-graduação da Academia do Concurso. Trabalha em cursos de performance, com provas realizadas por terceiros, desde 1994, tendo passado por várias redes de ensino como MV1, Bahiense e GPI, além de cursos pré-militares. É consultor de preparação, especialista em concursos, blogueiro do caderno Boa Chance do O Globo e responsável pela criação e entrega dos cursos da Academia do Concurso na sede e em todas as unidades.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



22/07/2016 11h20

Como estudar próximo ao dia da prova?
Paulo Estrella

Agora é a hora de resolver muitas questões, assim o candidato consegue aplicar o conhecimento teórico nas exigências e características da banca. Isso é doloroso porém eficaz. Resolver questões ajuda a reduzir a surpresa na prova, já que assuntos tendem a ser repetidos com pequenas mudanças de abordagem. Agora o candidato, que ainda não fez, deve inverter o modelo de estudo. A partir dos erros cometidos nas questões da banca, o candidato retorna a teoria e aprofunda o assunto até descobrir o motivo do erro.

Nesse modelo, o estudo fica absolutamente focado e na melhor relação Custo/beneficio ou esforço de estudo/desempenho na prova. Com esse foco, o candidato vai ser obrigado a aprofundar seu conhecimento nos conteúdos cobrados com grande profundidade e manter um conhecimento mais superficial nos conteúdos cobrados também nessa forma. Nesse momento, se for necessário priorizar alguma disciplina, essa priorização deve estar nas disciplinas que fornecem mais pontos na prova e nas que o candidato tem o pior desempenho. Nas primeiras, o esforço é obter o maior volume de acertos nas disciplinas mais importantes e nas outras para evitar um desempenho muito baixo que desclassifique o candidato. 

Se o candidato tem algum conhecimento em alguma disciplina, é melhor já iniciar com a resolução de questões. Quando o candidato nunca viu a disciplina e não tem noção da sua estrutura, não tem jeito, vai ter que iniciar com o estudo teórico, mas perderá muito tempo. Quando faltam apenas alguns pontos a serem estudados, apenas parte da disciplina é importante estudar a partir de questões, pois o foco será ganhar conhecimento nos conteúdos frequentes na prova e com mais chances de serem repetidos nas próximas. Assim o candidato não estudará conhecimentos irrelevantes para a prova. Mais uma vez é a melhor relação custo/benefício.

O estudo teórico deve ser consequência da resolução de questões. Se o candidato erra uma questão, sabe que aquele conteúdo necessita de aprofundamento e deve voltar à teoria. Quanto tempo vai ser destinado para isso? Vai depender do conhecimento do candidato e da complexidade do assunto. Mas a divisão de tempo é pessoal e varia de disciplina para disciplina. O foco deve estar na resolução de questões da banca nas matérias comuns a outros concursos e nas provas anteriores do órgão para as disciplinas específicas. Com esse modelo de estudo o candidato aprenderá os assuntos relevantes e economizará tempo no estudo dos conteúdos pouco frequentes e as vezes nunca cobrados.

O candidato deve dosar as duas estratégias. Focar nas disciplinas de menor desempenho para não ser desclassificado e nas disciplinas de mais peso, para melhorar a classificação. Esse conjunto de disciplinas deve  ser o foco principal, o tempo restante pode ser usado para fazer questões das outras disciplinas, fixando conhecimento e tirando algumas dúvidas que aparecerão.


Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.