SRZD



Carlos Fernando Cunha

Carlos Fernando Cunha

CARNAVAL. Carioca, morador de Juiz de Fora/MG há 15 anos. Ritmista, cantor e compositor com três CDs gravados. Pesquisador e Professor da UFJF.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



30/08/2016 11h24

Opinião: Os sambas da Mangueira
Carlos Fernando Cunha

"Só com a ajuda do santo", nome do enredo da Estação Primeira de Mangueira para a Avenida em 2017. De certa maneira, Leandro Vieira segue o sucesso de 2016 quando a escola, em primeiro plano, homenageou Maria Bethânia, mas estavam lá o tema da força e da mística de Oyá. Desta vez não se trata de um enredo biográfico, mas uma abordagem geral sobre esta temática tão rica e tão importante para o povo brasileiro, a religião e seus mistérios.

Há alguns anos que a Mangueira traz sambas de alto nível para o Carnaval carioca. Para citar um episódio recente, creio que todos tenham percebido a força do samba de Alemão do Cavaco, Cadu e amigos, quando do encerramento dos Jogos Olímpicos 2016. Um samba potente, belo e que consagrou a Estação Primeira como campeã este ano. Na disputa passada tivemos excelentes sambas com vários dos autores e personagens que novamente se candidatam a donos do hino Mangueira 2017.

Talvez essa produção tão qualificada dos últimos anos tenha afetado a priori minha avaliação, ou seja, fui com expectativa elevadíssima para ouvir a safra de 2017. E confesso que não senti tanta emoção como no ano passado ao ouvir os sambas. Não se trata aqui de avaliar a safra como ruim, longe disso. Temos bons sambas em Mangueira e, com certeza, vai ser dureza a escola escolher o vencedor, pois, ao meu ver, a disputada está muito acirrada.

Meus destaques:

Compositores: Alemão do Cavaco, Almyr, Cadu, Lacyr D Mangueira, Paulinho Bandolim e Renan Brandão

Compositores: Lequinho, Júnior Fionda, Flavinho Horta, Gabriel Martins e Igor Leal

Compositores: Nelson Sargento, Arlindo Cruz, Gustavo Louzada, Cosminho Vida, Wagner Santos e Jorginho Bernini

Compositores: Tantinho da Mangueira, Deivid Domênico, Felipe Filósofo, André Braga, Guilherme Sá e Jorge Fernando TR

A parceria de Nelson Sargento (ídolo) traz, entre outros, Arlindo Cruz. Isso é de se destacar, pois bem sabemos a capacidade do artista em compor sambas-enredo e, julgo, cabe suspeitar de uma vontade de Arlindo em ser campeão em algumas das principais escolas do grupo especial carioca. Uma pequena dose de ambição é necessária em todo artista. O samba é muito bom. Avalio como aquele que conta melhor a história do enredo através de sua letra e destaco a boa sacada nos versos: Eu não sou santo, mas o santo me ajudou / Vou à igreja, mas também bato tambor. Isso é bem a expressão do brasileiro na sua relação com a religião e a vida.

Também considero muito bom o samba de Lequinho e amigos. O samba é a cara da Mangueira e, na disputa, tem a ajuda de um personagem que precisa ser mencionado: Tinga. Um monstro de cantar sambas-enredo. Ele pode fazer a diferença. Talvez seja sua voz que me faça ouvir neste samba uma sonoridade afeita à escola do bairro de Noel Rosa. Se o samba ganhar, posteriormente, prometo melhor explicar este sentimento, musicalmente falando.

O samba de Tantinho é excelente. Ele nos remete a estruturas melódicas dos sambas mais antigos, aqueles sambas que nos fizeram sambistas. Igor Sorriso está magnífico na interpretação. O refrão do meio é tão bom, tão bom, que sei lá! Ouso escrever que ele deveria ser o principal do samba. Desculpem a intromissão, amigos compositores. Amigos ouvintes, façam um teste. Comecem a cantar o samba pelo refrão do meio e sigam como se esta fosse a primeira parte. Coisas dos meus ouvidos? Me digam aí!

Alemão do Cavaco e seus parceiros campeões estão muito bem na briga, mais uma vez. A letra foi construída em acordo detalhado com a sinopse. Há soluções melódicas bem construídas, algumas difíceis, o que pode afastar passagens do samba daqueles ouvidos acostumados com sonoridades mais intuitivas. É mais um bom samba da safra e vai esquentar a arenga.

Em princípio, pode parecer que alfinetei a safra 2017. Mas vocês perceberam os adjetivos elogiosos atribuídos aos sambas que destaquei. Peço perdão, mas ainda estou marcado pelo impacto positivo e estrondoso de Mulher Brasileira e Menina de Oyá.

Salve a Estação Primeira de Mangueira!

Axé!
Ô sorte!

Facebook: Carlos Fernando Cunha
Twitter: @CarlosFCunha
Instagram: carlosfernandocunha
Site: www.carlosfernandocunha.com.br


Veja mais sobre:Mangueira

Comentários
  • Avatar
    06/10/2016 21:04:37Carlos Roberto LimaMembro SRZD desde 06/08/2015

    Imaginando a Mangueira ir pra avenida com um samba de um mestre, e na safra de bons sambas esse sobressai "Quem mandou duvidar"

  • Avatar
    05/09/2016 22:09:26O justiceiroMembro SRZD desde 05/09/2016

    Entendo que os sambas do Lequinho e Nelson Sargento sejam os melhores da boa safra. A minha ressalva em relação ao samba do Nelson tenha relação com o refrão simples " Vem Mangueira, Vem Mangueira". O samba do Lequinho tem uma melodia que é a cara da escola, porém ultimamente seus sambas sempre perdem décimos na avaliação dos jurados. Uma escola que pretende ganhar o bicampeonato precisa atacar seus pontos vulneráveis

  • Avatar
    05/09/2016 22:09:25O justiceiroMembro SRZD desde 05/09/2016

    Entendo que os sambas do Lequinho e Nelson Sargento sejam os melhores da boa safra. A minha ressalva em relação ao samba do Nelson tenha relação com o refrão simples " Vem Mangueira, Vem Mangueira". O samba do Lequinho tem uma melodia que é a cara da escola, porém ultimamente seus sambas sempre perdem décimos na avaliação dos jurados. Uma escola que pretende ganhar o bicampeonato precisa atacar seus pontos vulneráveis

  • Avatar
    31/08/2016 15:17:25Marcos de Paula ManelichiMembro SRZD desde 12/10/2012

    Ué, já está cravando os finalistas ? Acho que se quer comentar os sambas da minha querida mangueira, deveria comentar todos que ainda seguem firmes na disputa ou então não comentar nenhum.... Temos ótimos sambas se compositores não conhecidos pelo grande público, com pouquíssimos recursos financeiros, de parceiros que estão fazendo das tripas coração para lutar contra estes de autores famosos, com boa fonte de recursos e de público...nada contra os demais compositores, mas fica aqui a crítica... Existem 16 sambas na disputa...não apenas 4. Digo isto como parceiro de uma das obras, que por sinal está muito bem elaborada, e só nos sabemos quantos leões temos q "matar" para manter nossa esperança acesa.

  • Avatar
    30/08/2016 16:44:16Oswaldo Fernandes FilhoMembro SRZD desde 09/04/2009

    O Samba do Tantinho pra mim tem mais a cara do Enredo.Achei o samba do Arlindo um pouco pesado, muita informação, já o do Tantinho tem um refrão do Meio Lindo, e no final faz uma promessa, já realizo a Mangueira fechando o desfile com a aquela promessa do refrão final.

Comentar