SRZD



Ana Carolina Garcia

Ana Carolina Garcia

CINEMA. Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



10/10/2016 16h58

Festival do Rio 2016: 'Cinema Novo' e 'Pitanga' na Première Brasil
Ana Carolina Garcia

A 18a edição do Festival do Rio selecionou dois longas de peso para a Mostra Première Brasil: Hors Concours Longa Documentário, "Pitanga" (2016) e "Cinema Novo" (2016), cuja estreia mundial foi em grande estilo no Festival de Cannes deste ano.

Com direção de Beto Brant e Camila Pitanga, "Pitanga" homenageia Antônio Pitanga, ator que se destacou no período do Cinema Novo e que tem mais de 60 títulos em sua filmografia, abordando a sua importância para a arte brasileira. Para isso, o documentário revisita suas obras e apresenta encontros e reencontros de Pitanga com familiares, amigos, ex-namoradas, cineastas e tantas outras pessoas de relevância na vida pessoal e profissional do ator que já foi dirigido por Cacá Diegues, Walter Lima Jr. e Glauber Rocha.

Foto: Divulgação

Por falar em Glauber Rocha, seu filho, Eryk, participa do Festival do Rio com um longa-metragem que tem feito sucesso em diversos festivais internacionais, não apenas em Cannes, onde recebeu o prêmio L'?il d'or (Olho de Ouro) de Melhor Documentário: "Cinema Novo", que mergulha na criação de uma geração de cineastas que inventou, logo no início da década de 1960, uma nova forma de fazer cinema no Brasil - a partir de uma atitude política que juntava arte e revolução.

"Acredito que a grande paixão que me moveu em 'Cinema Novo', foi a necessidade e vontade de pensar o Brasil hoje, pensar o meu povo, e claro, sonhar o cinema. O cinema-novista Paulo César Sarraceni dizia que 'queria fazer um cinema político que fosse a melhor poesia'. Creio que precisamos com urgência de novos projetos de imaginação, política e poesia. Neste sentido o filme deseja debater o Cinema Novo como 'movimento do pensamento' e a memória como uma 'construção do futuro', inseparável de um projeto coletivo brasileiro e latino-americano", diz Eryk Rocha.

Com previsão de lançamento para 03 de novembro, "Cinema Novo" participou também de outros festivais internacionais, como: Filmfest Munchen; French National Audiovisual Institute; 20º Festival de Cine de Lima; e Split Film Festival.


Veja mais sobre:CinemaFestival do Rio

Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.