SRZD



Marcio Coelho

Marcio Coelho

LÍNGUA PORTUGUESA. Consultor lexicográfico da Academia Brasileira de Letras· Cursou Letras Português/Latim e Português/Literaturas. É corretor das redações do Vestibular da Cesgranrio e das provas discursivas da UFRJ. Palestrante sobre Novo Acordo Ortográfico, na Bienal do Livro do RJ. Escreveu dois capítulos na "Gramática Escolar da Língua Portuguesa, do Professor Evanildo Bechara: interpretação de textos e grafia das palavras" e também capítulos sobre questões de concursos públicos no livro "Língua Afiada" (no Jornal Extra), do Professor Sérgio Nogueira. Ministrou curso de capacitação, no Ministério Público Federal. Lecionou nos cursos e colégios Miguel Couto, Bahiense, Martins, Princesa Isabel, Escola Naval etc. Foi professor da rede estadual de ensino. Elaborou prova de Língua Portuguesa para o concurso do magistério da Rede Pública Municipal (1° e 2° graus).

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



21/10/2016 11h17

Simulado I
Marcio Coelho

Chega desse negócio.

(João Ubaldo Ribeiro)

Sim, o Brasil tem problemas medonhos e não é um exemplo de desenvolvimento e justiça social, mas, com perdão da má palavra, já ando de saco cheio desse negócio de tudo aqui ser o pior do mundo, ninguém aqui prestar e nada funcionar e sermos culpados de tudo o que de ruim acontece na Terra. Saco cheiíssimo de sair do Brasil e enfrentar ares de superioridade e desprezo por parte da gringalhada, todos nos olhando como traficantes de cocaína, assassinos de índios e crianças, corruptos natos e mais uma vasta coleção de outras coisas, a depender do país e da plateia.

Tem muito brasileiro que, nessas ocasiões, bota o rabo entre as pernas, já vi muitos. Eu não. Posso ter envergonhado a pátria por escrever mal ou me comportar de forma pouco recomendável em coquetéis literários, mas, em matéria de reagir a chicotes, nunca envergonhei. Não nego os problemas brasileiros, mas me recuso a aceitar que sejamos os únicos vilões e que não se veja em nós nenhuma qualidade positiva, a não ser sambar, distribuir abraços e beijos a todos e exibir os traseiros de nossas mulheres a quem solicitar. Aí eu dou um troco a eles.

1) Considere as afirmativas a seguir:

 

I - O articulista apoia as críticas feitas por especialistas brasileiros.

II - O texto pode ser considerado um manifesto contra a moda de se falar mal do Brasil.

 

De acordo com o texto, está correto o que se afirma em:

a) somente I.

b) somente II.

c) I e II.

d) nenhuma.

 

2) Considere as afirmativas abaixo:

 

I - A linha argumentativa do texto é que nada do que dizem é verdade.

II - O autor nunca sentiu acanhamento em protestar contra zombarias.

 

Está correto o que se afirma em:

a) somente I.

b) somente II.

c) I e II.

d) nenhuma.

 

3) Assinale a alternativa que apresenta a correta classificação morfossintática do termo em destaque do excerto a seguir:

"... e nada aqui funcionar e sermos culpados de tudo o que de ruim acontece na Terra." (1º §)

a) termo essencial e pronome relativo.

b) sujeito e conjunção integrante.

c) termo integrante e pronome relativo.

d) sujeito e pronome indefinido.

 

4) Observe o fragmento a seguir:

 

"saco cheiíssimo de sair do Brasil, e enfrentar ares de superioridade e desprezo por parte da gringalhada." (1º §)

As expressões em destaque têm a correta classificação sintática em:

a) adjunto adnominal, complemento nominal, agente da passiva.

b) adjunto adverbial, objeto direto, agente da passiva.

c) predicativo, objeto direto, aposto.

d) complemento nominal, adjunto adnominal, adjunto adnominal.

 

5) Na frase "... e que não se veja em nós nenhuma qualidade positiva." (2º §), a construção em destaque ilustra:

a) um caso de sujeito indeterminado.

b) a voz passiva analítica.

c) uma oração sem sujeito.

d) a voz passiva sintética.

 

6) A oração extraída do texto que apresenta verbo com regência idêntica à

encontrada em "... já ando de saco cheio desse negócio." (1º §) é:

a) "O Brasil tem problemas medonhos".

b) "todos nos olhando como traficantes de cocaína".

c) "bota o rabo entre as pernas".

d) "que sejamos os únicos vilões".

 

7) Em "Todos nos olhando como traficantes de cocaína..." (1º §), a palavra destacada apresenta valor morfológico idêntico ao encontrado em:

a) As meninas riram-se a valer.

b) eu dou um troco a eles.

c) Os alunos temos que sair cedo da escola.

d) Paulo trabalha tal qual o médico.

 

8) A análise sintática do trecho "Todos nos olhando como traficantes de cocaína." (1º §) permite inferir que ocorre:

a) predicado verbal.

b) predicado nominal.

c) predicado verbo-nominal.

d) predicativo do sujeito.

 

 

9) Assinale a opção em que se aponta ERRONEAMENTE a análise sintática do termo indicado:

a) "Tem muito brasileiro que (...) bota o rabo entre as pernas" - adjunto adnominal.

b) "todos nos olhando como traficantes de cocaína" - objeto direto.

c) "e mais uma vasta coleção de outras coisas" - adjunto adverbial.

d) "bota o rabo entre as pernas, já vi muitos" - objeto direto.

 

10) No texto, aparece a palavra "gringalhada" (1º §) que apresenta sufixo; assinale a opção em que todos os verbos formam substantivos - designativos de ação ou do resultado dela - por meio de sufixos distintos entre si:

a) apreender - pressentir - converter.

b) descrever - crer - dedicar.

c) confessar - lembrar - transmitir.

d) suprimir - esquecer - tolerar.

 

Gabarito:

1)      B

2)      B

3)      A  

4)      D

5)      D

6)      D

7)      C

8)      C

9)      C

10)    D


Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.