SRZD



Ana Carolina Garcia

Ana Carolina Garcia

CINEMA. Jornalista formada pela Universidade Estácio de Sá, onde também concluiu sua pós-graduação em Jornalismo Cultural. Em 2011, lançou seu primeiro livro, "A Fantástica Fábrica de Filmes - Como Hollywood se Tornou a Capital Mundial do Cinema", da Editora Senac Rio.

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



25/10/2016 22h23

'Trolls': mensagem politicamente correta em trama de fácil compreensão
Ana Carolina Garcia

Na próxima quinta-feira, dia 27, entra em cartaz nos cinemas brasileiros a nova animação da DreamWorks: "Trolls" (Idem - 2016), de Mike Mitchell e Walt Dohrn, que colaboraram com a franquia "Shrek" (Idem), iniciada há 15 anos e que teve seu quinto longa-metragem confirmado há alguns dias.

Foto: Divulgação

Maior rival do estúdio de Mickey Mouse, a DreamWorks Animation é conhecida pelo sarcasmo de suas produções, muitas delas voltadas para o público adulto, conquistando a criançada através de suas imagens magníficas. Em "Trolls" esta fórmula de sucesso instituída com o ogro Shrek não se aplica (apesar de utilizar outros elementos da franquia), pois a história é prioritariamente voltada ao público infantil, apostando na mensagem bonitinha e incentivadora de que a "felicidade está dentro de cada um de nós".

Entretanto, a diversão dos adultos está garantida pela trilha sonora impecável assinada por Justin Timberlake, inserida com precisão cirúrgica pela montagem competente. As canções selecionadas pelo músico e ator, que despontou para o sucesso na segunda metade dos anos de 1990 com a boy-band N'Sync, passeiam por sucessos da atualidade, como "Only Girl (In The World)" (Rihanna), "Safe and Sound" (Capital Cities) e "Firework" (Kary Perry), que integra a trilha de outro sucesso do estúdio, "Madagascar 3: Os Procurados" (Madagascar 3: Europe's Most Wanted - 2012), até clássicos como "Walk This Way" (Aerosmith), "Break On Through" (The Doors), "Back In Black" (AC/DC), "September" (Earth Wind & Fire), entre outros.

Misturando elementos do já citado "Shrek" com "Smurfs" (Idem - 1981) e "Cinderela" (Cinderella - 1950), clássico da animação tradicional da Disney, o longa conta a história de terror imposta pelos Bergens aos Trolls, criaturas felizes por natureza e que cultivam os pequenos prazeres da vida. Numa dinâmica que em muito nos remete à de Smurfs versus Gargamel, os Bergens acreditam que os Trolls equivalem à pílula da felicidade, mesmo que momentânea, amenizando a mesmice em que vivem. Assim, aprisionam a árvore habitada pelas criaturinhas coloridas para, uma vez ao ano, realizarem o "trollstício", dia de alegria garantida em que os pequeninos são servidos como prato principal. Com medo, o Rei Peppy (voz de Jeffrey Tambor) planeja uma fuga e consegue manter a todos em segurança por 20 anos, quando, durante uma festa de arromba, são descobertos e levados de volta à cozinha da temida cidade Bergen.

Foto: Divulgação

"Trolls" trabalha muito bem as cores de acordo com a emoção e personalidade de cada personagem, como o Troll Tronco (voz de Justin Timberlake), o único em tons sóbrios que transmitem sua tristeza e temor, escondidos em suas rugas e expressões carrancudas, com uma sensibilidade impressionante, contrastando com a alegria ilimitada da Princesa Poppy (voz de Anna Kendrick), representada não apenas por diálogos positivos, mas também num cor de rosa vibrante.

Com um 3D dispensável e incondizente com a qualidade técnica da DreamWorks Animation, "Trolls" encanta pela simplicidade com a qual transmite a sua mensagem, mostrando às crianças, especialmente as que sofrem com baixa auto-estima, que nada é impossível.

Assista ao trailer oficial:


Veja mais sobre:Justin TimberlakeCinema

Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.