SRZD



Marcio Coelho

Marcio Coelho

LÍNGUA PORTUGUESA. Consultor lexicográfico da Academia Brasileira de Letras· Cursou Letras Português/Latim e Português/Literaturas. É corretor das redações do Vestibular da Cesgranrio e das provas discursivas da UFRJ. Palestrante sobre Novo Acordo Ortográfico, na Bienal do Livro do RJ. Escreveu dois capítulos na "Gramática Escolar da Língua Portuguesa, do Professor Evanildo Bechara: interpretação de textos e grafia das palavras" e também capítulos sobre questões de concursos públicos no livro "Língua Afiada" (no Jornal Extra), do Professor Sérgio Nogueira. Ministrou curso de capacitação, no Ministério Público Federal. Lecionou nos cursos e colégios Miguel Couto, Bahiense, Martins, Princesa Isabel, Escola Naval etc. Foi professor da rede estadual de ensino. Elaborou prova de Língua Portuguesa para o concurso do magistério da Rede Pública Municipal (1° e 2° graus).

* Os textos desta seção não representam necessariamente a opinião deste veículo e são de responsabilidade exclusiva de seu autor.



28/10/2016 12h07

Simulado II
Marcio Coelho

É o fim do mundo!

 

(Max Gehringer)

 

Eu sou uma daquelas pessoas que não jogam nada fora. Guardo tudo, de caneta sem carga a copo vazio de requeijão. Bom, guardar é modo de dizer. Na verdade, eu empilho. Ou, pior, espalho. O caos é tanto que às vezes levo um dia inteiro revirando a bagulhada para achar um jornal velho, e obviamente não acho. Mas o caos também tem seu lado positivo: na busca, sempre aparece alguma coisa interessante. Na semana passada, ao tentar localizar o primeiro número da Revista da Web!, dei de cara com um monte de fitas de vídeo. Estavam numa caixa de papelão com uma etiqueta (ou melhor, um esparadrapo), no qual um dia escrevi, para ter a certeza de que nunca mais as perderia: "Futuro".

Eram filmes que tentavam prever qual seria o nosso destino "enquanto terráqueos", como diriam os especialistas em ciências humanas. Na caixa, havia desde aqueles deliciosos filmes B (com orçamentos de 200 dólares, discos voadores de papelão e anõezinhos fantasiados de marcianos) até as obras, digamos, assim, mais sérias. O curioso é que, caros ou baratos, todos esses filmes partem de uma mesma hipótese básica: no futuro, o mundo vai piorar. E muito (...)

Por isso tudo é até sintomático que não haja um único filme otimista sobre a internet. Em todos eles, a rede é usada para prejudicar o próximo e para criar problemas insolúveis. Esse receio do futuro, que se manifesta toda vez que alguma novidade aparece, tem uma razão de ser. Desde que o mundo é mundo, todas as gerações que por ele passaram nunca deixaram de sofrer de uma suprema mania de grandeza: a de achar que são o produto mais bem-acabado que a natureza criou. Dali para a frente elas temem que não haverá mais futuro, porque os jovens se encarregarão de sucatear tudo o que existe de bom. Mas a história mostra que vai acontecer exatamente o contrário. Porque, desde que o mundo é mundo, as gerações dos filhos têm sido melhores que as gerações dos pais. Uma verdade simples e muito bem documentada através dos tempos, que entendemos claramente quando somos filhos. Mas da qual, por algum motivo incerto, começamos a duvidar quando nos tornamos pais.

(Revista da Web! - ed.21)

 

 

1) Pelo entendimento global do texto, é possível inferir que:

a) A verdade deixa de ser absoluta quando os filhos se tornam pais.

b) A internet é responsável por tudo de ruim que acontece com as gerações.

c) A palavra "Futuro" que aparece no 1º § faz referência aos acontecimentos da revista da web.

d) As pessoas ser tornam céticas, porque os filmes demonstram que o mundo vai piorar.

 

2) Assinale a alternativa que apresenta INCORRETA substituição do termo destacado do texto:

a) "revirando a bagulhada" (1º §) / revirando-a.

b) "para achar um jornal velho" (1º §) / para achá-lo.

c) "de que nunca mais as perderia" (1º §) / perdê-las-ia.

d) "como diriam os especialistas" (2º §) / consoante diriam.

 

3) A concordância empregada no primeiro período do texto "Eu sou uma daquelas pessoas que não jogam nada fora" apresenta característica idêntica à observada na seguinte opção:

a) Cada um dos alunos gritou em sala.

b) Mais de um carro entrechocaram-se.

c) As estrelas parece que brilham.

d) Aquilo não são homens de respeito.

 

4) O referente que está mal substituído, no texto, aparece na opção:

a) "O caos é tanto que às vezes leva o dia inteiro revirando a bagulhada" (1º §) / de vez em quando.

b) "no qual um dia escrevi" (1º §) / onde.

c) "Eram filmes que tentavam prever" (2º §) / os quais.

d) "que entendemos claramente quando somos filhos" (3º §) / a qual.

 

5) A análise sintática do trecho "quando nos tornamos pais" (3º §) permite inferir que ocorre:

a) predicado verbal.

b) predicado verbo-nominal.

c) predicado nominal.

d) predicativo do objeto.

 

6) Assinale a passagem do texto que apresenta caracterização própria da linguagem informal:

a) "Eu sou uma daquelas pessoas que não jogam nada fora." (1º §)

b) "Eram filmes que tentavam prever qual seria o nosso destino "enquanto terráqueos"." (2º §)

c) "Por isso tudo é até sintomático que não haja um único filme otimista sobre a internet." (3º §)

d) "Mas da qual, por algum motivo incerto, começamos a duvidar quando nos tornamos pais." (3º §)

 

7) Em "Na caixa, havia desde aqueles deliciosos filmes B (...) até as obras , digamos, assim, mais sérias." (2º §) pode-se reconhecer a seguinte figura de linguagem na expressão destacada:

a) sinédoque.

b) oxímoro.

c) sinestesia.

d) eufemismo.

 

8) A oração destacada em "Na semana passada, ao tentar localizar o primeiro número da Revista da web!, dei de cara com um monte de fitas de vídeo." (1º §) apresenta valor semântico idêntico ao da seguinte oração:

a) "Porque, desde que o mundo é mundo, as gerações dos filhos têm sido melhores que as gerações dos pais.." (3º §)

b) "Por isso tudo é até sintomático que não haja um único filme otimista sobre a internet." (3º §)

c) "O curioso é que, caros ou baratos, todos esses filmes partem de uma mesma hipótese básica: no futuro, o mundo vai piorar." (2º §)

d) "Eram filmes que tentavam prever qual seria o nosso destino "enquanto terráqueos"." (2º §)

 

9) Entre o primeiro e o segundo períodos do terceiro parágrafo existe uma ideia de:

a) consequência.

b) causa.

c) explicação.

d) conformidade.

 

10) Em "O caos é tanto que às vezes leva um dia inteiro revirando a bagulhada" (1º §), o acento grave é empregado por motivo idêntico ao encontrado na frase:

a) Isso se deve à cada vez mais educação brasileira.

b) Tua casa é superior à minha casa.

c) Refiro-me a esta moça e à que saiu.

d) Chorava à medida que apanhava.

 

 

 

Gabarito:

1-      A

2-      C

3-      D

4-      B

5-      C

6-      B

7-      C

8-      A

9-      C

10-     D


Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.