SRZD


28/10/2016 16h36

Perfil: cineasta brasileira faz sucesso nos Estados Unidos
Redação SRZD

O ano de 2016 foi uma temporada de altas conquistas para Lorena Lourenço, diretora brasileira em Los Angeles. Somente um ano após ter se formado de USC, as portas de Hollywood se abriram para a nossa cineasta e o seu futuro promete. Lorena presta serviços para Dreamworks (Gladiador, Beleza Americana), dando consultoria criativa para grandes filmes na California. Ela esta a um passo de desenvolver o seu primeira longa-metragem com planos para começar produção em 2017.

Foto: Acervo Pessoal/Divulgação

A diretora começou seus estudos de cinema na PUC-Rio, transferiu para a Escola de Cinema Da Universidade do Sul da Califórnia (USC, a mais prestigiosa escola de cinema do mundo segundo a revista The Hollywood Reporter). Antes de terminar a faculdade ela levou consigo para a França o seu curta "Pedagogia" (2015), que exibiu no Short Film Corner do Festival de Cinema de Cannes, com ótima resposta do público. Daí em diante ela trabalhou na consultoria de scripts tais como; "O Homem Nas Trevas" (2016), "A 5a Onda" (2015) e "Os Últimos na Terra" (2016). O seu último trabalho é a consultoria diretorial do filme "Obrigada Por Seu Serviço" produzido pela Dreamworks e estrelado por Miles Teller (Whiplash: Em Busca da Perfeição, Divergente) também como escrito e dirigido por Jason Hall (Sniper Americano).

Até então Lorena já dirigiu diversos curtas, documentários e videoclipes, terminando agora o seu primeiro comercial para a empresa anglicana Bead Relief. Porém, ela admite que sua paixão sempre foi e será dramas de longa metragem, "Apesar de adorar todos os projetos que faço, a minha paixão mesmo é longa-metragem e de drama, pesado. Eu descrevo os filmes que escrevo e faço como se Cidade de Deus encontrasse Beleza Americana. Por isso foco na produção do meu próximo longa"

Para o seu próximo projeto, o longa, ela está desenvolvendo um romance que se passa durante a ditadura Brasileira, com apoio da Warner. Pelo fato do filme ser situado no Brasil, você planeja filmar aqui? "Alguns produtores argumentariam que não precisaria ser filmado no Brasil, mas pelo valor histórico e pessoal do filme eu acredito que sim, precisa ser filmado na terra natal. E além do mais, ajuda concretizar o meu sonho de trabalhar entre lá e cá, entre o Rio e L.A."

Ao perguntar se produções brasileiras têm espaço no mercado internacional ela dá o que falar, "Se a gente tem espaço no mercado internacional? Claro! Se falar que é brasileiro a resposta mais comum é ?que máximo?. O Brasil é um espaço diferente, colorido mas turvo; muitos têm interesse, mas poucos conhecem. O que não falta é interesse pra conhecer e daí público. Graças as colaborações internacionais do Padilha, Meirelles e Salles, a gente começou a abrir mais espaço. A criação do 3% pela Netflix é a prova disso!". Ela admite que adora uma Netflix e que aguarda ansiosamente a estréia da série. E nós aguardamos o seu filme logo nos cinemas.

Foto: Acervo Pessoal/Divulgação


Veja mais sobre:Cinema

Comentários
Comentar