SRZD

Você Sabia? - O piloto japonês que virou o "rei" das pistas

Redação Pit Stop | Esportes | 02/02/2009 09h38

Neto do fundador da multinacional Panasonic, o japonês Hiro Matsushita foi o primeiro japonês a fazer uma carreira prolongada no automobilismo norte-americano e também o primeiro a disputar as lendárias 500 Milhas de Indianapolis. Um ídolo em seu país, Matsushita era visto de maneira bem menos respeitosa nos Estados Unidos e também em outras nações, como o Brasil, que acompanhavam a Fórmula Indy com muito interesse em meados dos anos 90.

Membro regular do grid entre 1990 e 1998, o japonês disputou um total de 117 corridas e conquistou como melhor resultado um 23º no campeonato de 1991. Em corridas, o máximo a que chegou foi um sexto lugar numa prova no oval de Michigan. Conhecido por ser um retardatário que costumava atrapalhar a vida dos líderes e por carregar sempre consigo o valioso patrocínio da Panasonic, Matsushita tinha uma apelido no mínimo curioso fora das pistas.

Entre todos nos boxes, ele era conhecido como "King Hiro". Na tradução literal, o "Rei Hiro". Mas como? De que maneira aquele piloto que nunca ganhava nada poderia ser alçado ao posto de majestade? Na verdade, tudo teve origem num episódio insólito que envolveu Matsushita e o brasileiro Emerson Fittipaldi. Certa vez, o bicampeão da F-1 disputava a liderança de uma corrida quando se deparou com o retardatário japonês, muito lento, logo à sua frente.

Sem hesitar, Emerson mergulha por fora na curva do oval e vai para a ultrapassagem. Nesse momento, sem motivo aparente, Matsushita realiza a mesma manobra e espreme o brasileiro contra o muro. Para não bater, Emerson é obrigado a aliviar no acelerador e, com grande habilidade, consegue evitar o choque por um triz. Pelo rádio, desabafa com o engenheiro e o áudio vaza para quem está assistindo a prova pela televisão.

"Fucking Hiro, fucking Hiro, God damn'it! Fucking Hiro", grita Emerson. Numa tradução "light", as palavras do brasileiro seriam algo como "Hiro miserável, maldito seja!". Para a ESPN, que mostrava a prova ao vivo, a solução é editar o áudio no replay para que a gafe dos palavrões não seja repetida. "Beeep... king Hiro, beeep... king Hiro, God damn'it! Beeep... king Hiro", é o que os espectadores ouvem na segunda vez.

E assim, totalmente sem querer, Emerson acabou batizando o japonês. A partir daí, pilotos, jornalistas e mecânicos começaram a se referir a Matsushita como "King Hiro". Apesar de nunca ter conseguido grandes resultados na F-Indy, o japonês encerrou a carreira como o "rei" das pistas.

*A seção "Você Sabia?" é publicada todas as segundas no Pit Stop