SRZD


14/02/2009 11h01

Fitinha da Esquina: Os maiores sucessos do Jota Quest
Luiz Felipe Carneiro

Fitinha da Esquina: Os maiores sucessos do Jota Quest | Foto: Reprodução/Site Oficial

Quando, em 1996, o Jota Quest, ainda conhecido como "J Quest", colocou nas lojas o seu primeiro disco, um sopro de originalidade bateu no ouvido dos órfãos da geração 80, sedentos por mais uma grande banda de pop-rock. Com a sua sonoridade que misturava pop, soul e funk, a banda mineira explodiu nas paradas com sucessos como "Encontrar Alguém", "Vou Pra Aí" e a releitura de "As Dores do Mundo", sucesso de Hyldon, nos primórdios da black-music brasileira no início dos anos 70. No álbum seguinte, "De Volta ao Planeta dos Macacos", de 1998, mais uma vez, Rogério Flausino, Marco Túlio, PJ, Paulinho Fonseca e Márcio Buzelin mostravam as suas veias para escrever grandes sucessos populares, e com qualidade, como "Sempre Assim" e "De Volta ao Planeta". Por sua vez, as rádios não paravam de tocar as baladas "Fácil" e "O Vento". A partir do terceiro álbum, o Jota Quest não segurou a peteca. Com uma sonoridade bem mais puxada para o pop, a banda mineira lançou "Oxigênio" (2000), "Discotecagem Pop Variada" (2002) e "Até Onde Vai" (2005), todos bem abaixo da média dos dois primeiros. Nesse período, o grupo colocou nas lojas, o campeão de vendas "MTV Ao Vivo" (2003), que trazia o hit "Do Seu Lado", de autoria de Nando Reis. No ano passado, o Jota Quest lançou "La Plata", um álbum que relembra os bons momentos da banda, com canções com aquela velha mistura de pop, soul e funk. A Fitinha da Esquina dessa semana vai relembrar exatamente essa trajetória, com os maiores sucessos do Jota Quest.


Lado A :

1)    "As Dores do Mundo" - Quando Rogério Flausino, Marco Túlio, PJ, Paulinho Fonseca e Márcio Buzelin batizaram a banda com o nome de J Quest, inspirado na personagem do desenho animado de Hanna-Barbera, certamente não imaginavam o sucesso que iriam fazer. Até mesmo porque, se imaginassem, não teriam escolhido um nome que seria passível de algum futuro processo por violação de direitos autorais. Em 1995, a banda lançou um álbum independente, e, no ano seguinte, já sob a chancela da Sony Music, foi a vez do primeiro disco "oficial". A mistura de soul, pop e funk caiu no gosto do público (o disco vendeu respeitáveis 200 mil cópias), especialmente a faixa "As Dores do Mundo", composta por Hyldon, e que se tornou o maior sucesso do disco.

2)    "Vou Pra Aí" - Mas o Jota Quest não podia viver somente de regravação de terceiros. E tirando "As Dores do Mundo" e "Dance Enquanto É Tempo" (Tim Maia), todas as demais canções do álbum eram assinadas por componentes do grupo. "Vou Pra Aí" foi composta pelo guitarrista Marco Túlio e por Dudu Marote (produtor do álbum). Com uma guitarra esperta e uma ótima levada de baixo de PJ, a canção, apesar de não ter feito grande sucesso, é um exemplo de como o Jota Quest pode fazer música de qualidade.

3)    "Encontrar Alguém" - Composta por Marco Túlio e pelo vocalista Rogério Flausino, "Encontrar Alguém" foi o primeiro grande hit autoral do Jota Quest. Puxada para a disco-music com uma pitada de black-music, a canção pode ser um resumo do som que o Jota Quest fez nos seus dois primeiros álbuns. Um refrão fácil ("Encontrar alguém / Encontrar alguém / Encontrar alguém, que me dê amor") adornado sob uma melodia bem construída acabou se transformando na assinatura da banda mineira.

4)    "De Volta ao Planeta" - Em 1998, o Jota Quest já lançou o seu segundo álbum sob o status de "banda grande". E a Sony investiu pesado nos rapazes, ao lançar "De Volta ao Planeta", um disco extremamente bem produzido por Dudu Marote e Marcelo Sussekind. Com mais uma boa leva de canções, o Jota Quest mostrou que não era uma banda de um álbum só. E a primeira faixa do novo disco já colocava todo mundo para pular, com a sua letra bem-humorada. Nesse momento, mesmo quem não curtia teve que se curvar: o Jota Quest, de fato, foi a maior banda de pop-rock do Brasil em 1998.

5)    "Sempre Assim" - O álbum "De Volta ao Planeta" começava com tudo. Depois da faixa título, era a vez de "Sempre Assim", uma das melhores composições do Jota Quest. Cheia de sopros, com um balanço irresistível e uma letra que todo mundo sabia de cor em 1998: "7:15 eu acordo / E começo a me lembrar / Do que ainda não me esqueci / Do que tenho pra falar".

6)    "Fácil" - "De Volta ao Planeta" vendeu 800 mil cópias. E, sem dúvidas, muito desse sucesso veio da canção "Fácil". A música tocou de norte a sul até dizer chega. Ninguém aguentava mais ouvir o refrão "Fácil, extremamente fácil / Pra você, e eu e todo mundo cantar junto". Mas o Jota Quest, que chegava a fazer praticamente um show por dia, não se importava de cantá-lo toda noite com um coro de milhares de pessoas. O sucesso foi avassalador, sendo que "Fácil" foi uma das canções mais tocadas no país entre os anos de 1998 e 1999.


Lado B :

1)    "O Que Eu Também Não Entendo" - De acordo com aquela velha teoria dos ciclos de Kondratieff, depois da bonança, sempre vem a tempestade. Para o Jota Quest, foi mais ou menos o que aconteceu, embora a tempestade não tenha sido tão forte assim. Vindo de uma turnê extenuante do disco anterior, a banda mineira entrou em estúdio, e de lá saiu com "Oxigênio", um álbum que estava muito aquém dos dois trabalhos anteriores. O balanço funk e soul que caracterizou o som da banda foi jogada para escanteio, e o Jota Quest começou a privilegiar mais o rock, especialmente na faixa-título. Entretanto, algumas canções se salvavam em "Oxigênio". E uma delas é "O Que Eu Também Não Entendo", uma típica balada pop com uma das melhores letras do Jota Quest: "Essa não é mais uma carta de amor / São pensamentos soltos / Traduzidos em palavras / Pra que você possa entender / O que eu também não entendo".

2)    "Na Moral" - Apesar de não ser tão bom quanto os álbuns anteriores, "Oxigênio" vendeu bem (400 mil cópias) e rendeu uma grande turnê para Rogério Flausino e companhia. Já no ano seguinte, o grupo lançou "Discotecagem Pop Variada", que, musicalmente, seguia um caminho parecido com o seu antecessor, embora, como já denunciava o título, o disco fosse um pouco mais dançante. Boas canções foram gestadas no álbum, como "Pra Seguir Em Frente", "Daqui Pra Sempre" e "Tanto Faz". Mas o grande sucesso foi mesmo "Na Moral", que trazia um pouco daquela velha sonoridade funkeada da banda, bem como a participação especial de Seu Jorge.

3)    "Do Seu Lado" - "Discotecagem Pop Variada" gerou mais uma grande turnê que lotava todas as casas de show por onde passava. A banda sentiu que era um bom momento para lançar o tão aguardado disco ao vivo. Em parceria com a MTV, o Jota Quest pisou no grande palco montado na Praça do Papa, em Belo Horizonte, em maio de 2003, para cantar os seus maiores sucessos. O projeto rendeu CD e DVD, com direito a três faixas inéditas. Uma delas é "Do Seu Lado", uma ótima composição dada por Nando Reis para a banda. Os mineiros se apropriaram dela com maestria, transformando-a em um de seus maiores sucessos.

4)    "Amor Maior" - Outra canção inédita do projeto "MTV Ao Vivo" foi "Amor Maior". A balada, no melhor estilo "Fácil", foi composta por Rogério Flausino, e tocou insistentemente na novela "Mulheres Apaixonadas", de Manoel Carlos, e que fez imenso sucesso na época. Com um refrão mais fácil do que... "Fácil", "Amor Maior" ("Quero um amor maior / Um amor maior que eu") caiu nas graças do público, e alavancou o CD a expressivas 800 mil cópias vendidas. Nesse momento, o Jota Quest conheceu o seu auge. Os shows eram extremamente concorridos, o que acabou gerando um desnecessário CD e DVD ao vivo ("Rio de Janeiro, 28/01/2005").

5)    "Além do Horizonte" - Depois da ressaca de mais uma estafante turnê, o Jota Quest voltou ao estúdio para gravar o seu quinto álbum de estúdio. "Até Onde Vai" (2005) é o trabalho mais fraco da discografia do Jota Quest. A impressão que deu foi que a banda não teve inspiração para compor boas canções. O álbum soa mediano do início ao fim, e o seu melhor momento é a versão para a canção "Além do Horizonte", de Roberto e Erasmo Carlos. Nem a produção do competente Liminha conseguiu colocar o trem do Jota Quest nos trilhos. O trabalho vendeu 150 mil cópias. Um número significativo, mas abaixo da média para os padrões do Jota Quest.

6)    "Seis e Trinta" - Com a cabeça mais fresca, em meados de 2008, o Jota Quest retornou aos estúdios. Contando novamente com a produção de Liminha, os mineiros surpreenderam com "La Plata", um álbum que tem o mesmo padrão artístico de "De Volta ao Planeta". A banda se reencontrou com o som que sabia fazer de melhor, deixou maiores experimentações de lado, e gravou "Seis e Trinta", puxado para a eletrônica, e que já pode ser considerada uma de suas melhores canções.


Abaixo segue o videoclipe de "As Dores do Mundo", sucesso do primeiro disco do Jota Quest, lançado em 1996.



Comentários
  • Avatar
    18/02/2009 16:15:17andreAnônimo

    putz/acompanhei toda a carreira da banda-começou com um popinho dançante nojento e depois foi crescendo nas letras e nos ritmos. a voz do faustino nao ajuda mas os instrumentistas sao otimos. abraços.andré.

Comentar