SRZD


31/03/2009 15h16

O que é um carnavalesco?
Luiz Fernando Reis

Com o troca-troca de profissionais quase terminando já podemos conversar um pouco sobre o próximo carnaval, mas antes vou dar algumas colocações muito pessoais sobre algumas funções profissionais de nosso carnaval.

Começo por uma das funções mais importantes em nossa festa maior, tão importante que dá nome a esse site, o Carnavalesco. O que é um carnavalesco? Vou tentar desmistificar esse conceito de carnavalesco. Ele não precisa ser obrigatoriamente homossexual, afinal, talento nunca teve sexualidade. Um carnavalesco não precisa, obrigatoriamente, saber desenhar, mas, com certeza, ele precisa ter criatividade, bom gosto e um bom conhecimento geral de arte. Max Lopes e João Jorge Trinta nunca desenharam, mas cada fantasia e cada elemento alegórico que desfilou em cada um de seus carnavais foi por eles criado, desenvolvido e aprovado. 

Um carnavalesco não precisa ser aderecista, pintor, estilista ou escultor, mas ele precisa de ter a visão geral de todo o processo de confecção de um carnaval. Um carnavalesco não precisa ser letrado e formado nisso ou naquilo, mas ele precisa para que seu trabalho tenha êxito de uma visão cultural abrangente. Não basta apenas uma pesquisa no Google da vida e nas enciclopédias escolares para se desenvolver um carnaval. É preciso bem mais que isso. É necessário muito embasamento cultural, que sabemos nem sempre se aprende nas salas de aula. Além disso, é importante gostar muito de carnaval. 

Nem coloco a questão da cultura pensando na confecção das sinopses, já que muitas escolas contam com profissionais para essa função. Penso na cultura geral como desenvolvedora de um enredo, do que dele se aproveitar plasticamente, o que será ala e fantasia, o que será escultura, adereço e alegoria, o que do enredo podemos projetar para um samba-enredo que seja abrangente, melódico, poético e que possa acrescentar a uma bela obra musical.

E falo essas coisas, pois tenho percebido em alguns de nossos dirigentes muito pouco conhecimento do que é a figura do carnavalesco. Não basta dar pinta para ser carnavalesco. Não basta apenas saber desenhar para ser um carnavalesco. Não basta ser um aderecista e conhecer tudo de barracão e já se considerar apto a ocupar a função de carnavalesco. A Mocidade errou ao considerar o excelente aderecista Cláudio Cebola apto a tocar um projeto para uma escola do tamanho da Mocidade Independente. Tenho receio se dois homens de barracão, excelentes profissionais em suas áreas, não se assustem com a responsabilidade de colocar a Unidos do Viradouro em 2010 na Sapucaí. O mesmo receio sinto ao ver meu amigo e Rei Momo eterno, mas ainda inexperiente Alex de Oliveira e o talentoso projetista Amauri Santos com a missão de conduzir os destinos plásticos da gigantesca Portela para o desfile de 2010.  

O aprendizado de um carnavalesco acontece quase sempre nos grupos de acesso. É por lá que o profissional-carnavalesco conhece as dificuldades de se colocar um carnaval na avenida e nesse processo ele vai aprendendo e crescendo profissionalmente e um dia, numa processo quase natural, os dirigentes das escolas do Grupo Especial percebem talento e qualidade naquele artista e o convocam para fazer parte do seleto quadro de carnavalesco Especial. Assim foi como o Alex de Souza que começou como desenhista do Renato Lage e procurou nas escolas de baixo seu espaço e ralou muito até ser um carnavalesco especial. 

Paulo Barros e Paulo Menezes seguiram esse mesmo caminho de dificuldades e aprendizado até chegarem ao reconhecimento especial. Vou citar um nome que já desponta como uma grata revelação e vem seguindo o mesmo caminho. Fábio Ricardo, carnavalesco da Rocinha, e por muitos anos assistente do Max Lopes está batalhando numa escola do Acesso e já tem o seu talento lembrado por escolas do Especial. 

Mas o carnavalesco, apesar de sua fundamental participação não é o único profissional de um carnaval. Ele precisa estar bem assessorado, com assistentes e compreender que um projeto de carnaval tem em sua figura o grande responsável plástico, mas não é apenas ele o grande nome de um desfile. Um carnaval não é, nunca foi e nunca será um projeto pessoal de um artista. Em torno dele existem vários outros profissionais com o mesma intenção de fazer um grande carnaval.

Na próxima matéria falo do profissional diretor de carnaval, que é tão importante como o carnavalesco numa escola de samba.

Um abraço
Luiz Fernando Reis


Comentários
  • Avatar
    17/04/2009 23:51:11LUIZINHO DA CUICAMembro SRZD desde 07/04/2009

    Prof. Luiz Fernando contamos com sua presença em nossa confraternização ====== ATENÃ?Ã?O RAPAZIADA DO RITMO: DIA 21.04.2009, acontecerá o 5o. Encontro das Cuícas do Rio de Janeiro, a partir das 13 hs. na quadra do G.R.E.S. UNIÃ?O DE JACAREPAGUA. Venha participar de mais um encontro maneiro, com Cuiqueiros responsa, da Vila, Salgueiro, Império, Portela, Mangueira, Imperatriz, P.Pedra, U. Jacarepagua, Mocidade, Jacarézinho, Caprichosos, enfim todas as co-irmãs, e relembrar sambas da antiga, com uma cerva gelada, e um bom papo. Todos serão bem recebidos. O endereço é : Estrada Intendente Magalhães, no. 445 - Campinho - Jacarepagua.

  • Avatar
    12/04/2009 13:30:08Francisco AlvesMembro SRZD desde 12/04/2009

    Caro Luiz Fernando Antes de retornar à minha cidade, Uruguaiana-passei o carnaval no Rio. Essa distância do público e, consequentemente,a falta de interatividade entre público e os "desfilantes" realmente são irremediaveis. A menos que aquelas escolas que desfilam na Sapucay, retornem no dia seguinte na Rio Branco. Dois esfiles.Pronto. Ã? utópico? Pode ser,mas seria um dia para o turista e o dia seguinte para o povão.Em Uruguaiana são dois desfiles e ninguém morre por causa disso. Outra coisa: muitos intérpretes bem que poderiam no desfile, cantar um tom ou meio tom abaixo em relação ao que cantam nos ensaios.Tem neguinho que depois da metade do desfile vem pedindo água. Começam num tom alto e depois se rasgam para menter a afinação. Poderiam também mixar melhor, principalmente os violões 7 cordas. Quando vem num volume legal são show, outros desaparecem. E não é culpa do instrumentista.O problema estána sensibilidade de quem opera os botões. Um grande abraço e te aguardamos para um churrasco bem gaúcho. Afinal, tu e o Eugênio Leal são indispensáveis no carnaval temporão de Uruguaiana. Chico Alves

  • Avatar
    03/04/2009 14:04:56JONAS L. ALBUQUERQUEAnônimo

    EM PRIMEIRO LUGAR QUERO AQUI DEFENDER OS CARNAVALESCOS QUE COMEÃ?AM, E UM MONTE DE GENTE POE A CULPA NOS COITADOS , EM RELAÃ?AO AO CEBOLA; PERAI A CULPA NÃ?O Ã? POR QUE ELE ERA NOVATO AFINAL NINGUEM NASCE CARNAVALESCO , MÃ?DICO ,PINTOR , JORNALISTA. TUDO E TODOS TEM QUE TER SUA PRIMEIRA VEZ, E NÃ?O Ã? JUSTO CULPA-LO SÃ? POR QUE ELE ERA NOVATA. E SE ELE GANHA O CARNAVAL?? COMO Ã? QUE FICA? PODEMOS SIM DIZER QUE ELE COMETEU ERROS , MAIS ISSO QUALQUER UM PODE COMETER. ELE INFELIZMENTE COMETEU O ERRO DE NÃ?O SABER COORDENAR AS CORES , FICOU MUITO CINZA A MOCIDADE, MAIS ISSO NÃ?O O DESMERECE. CEBOLA VALEU! VOCE DEU A CARA PRA BATER E ISSO LHE TORNA UM VENCEDOR DE CORAGEM. BOA SORTE NA PROXIMA.

  • Avatar
    02/04/2009 22:29:10marcyo de olliveiraAnônimo

    Parabens pelo artigo, gostei de varios comentarios , porem teve um que me chamou atenção e da sra Mônica | 31/03/2009 22:21:20. Concordo com ela plenamente quando ela comenta que os verdadeiros carnavalescos são so que fazem carnaval nos grupo 2,3,4( antigo c,d,e) pois os carnavalescos que trabalham nesses grupos sao super herois pra enfrente varias dificuldades desde financeiras ate extrutura de trabalho ( barracão) fazem grandes carnavais mesmo com muito ou pouco dinheiros em grupos que minguem quer. Quando fala que e pra ser carnavalesco na sapucai todo mundo quer ate se oferce de graça. Foras as celibridades do mundo do samba e estudante dessas faculdades de carnaval que se oferecem de graça tudo pra aparecer nas fotos e festas esquecendo dos trabalhos ou melhor nem sabendo direito qual e a função do carnavalesco. Eu achava que os presidentes e diretores de carnaval das escolas do grupo 1 deveriam dar uma olhada nos bons carnavalescos que trabalham nas escolas de samba que desfilam em campinho, invez de colocarem carnavalescos do grupo especial e celebridades do mundo do samba que poucas vezes estao no barracão de alegoria.

  • Avatar
    02/04/2009 17:12:53Alsan MatosMembro SRZD desde 08/04/2009

    Prezado LFR, considerei este seu post como o melhor que vc já redigiu pra esta coluna. Concordo com vc plenamente. Parabéns pela visão e argumentação. Cadê o papel... assino embaixo!

  • Avatar
    02/04/2009 16:06:49Willian TadeuMembro SRZD desde 11/11/2011

    Paulo Cesar Jr, concordo com suas palavras e, nesse sentido, me preocupa a obsessão de escolas do Grupo de Acesso pela contratação de carnavalescos do Grupo Especial e a aceitação da dupla jornada por estes.

  • Avatar
    02/04/2009 14:31:57Paulo Cesar Jr.Anônimo

    Há quem diga que o talento nasce junto com o ser humano, mas não é assim que funciona a coisa!!! Para quem não lembra o carnavalesco e também autor desta matéria teve em sua trajetória como pontapé inicial, sua primeira assinatura como carnavalesco foi na Unidos do Cabuçu (grupo de acesso) em 1981 e não estava sozinho, era acompanhado de mais dois carnavalescos. Eram eles: Therezinha Monte e Ricardo Luiz. Outro carnavalesco que também suou muito a camisa nos grupos de acesso para depois brilhar no grupo espacial foi o Carnavalesco Paulo Barros, que iniciou sua carreira como carnavalesco na escola Vizinha Faladeira (grupo de acesso) em 1994 e também não estava sozinho tinha como companheiro Henrique Celibe. Os dois carnavalescos citados não caíram de pára-quedas no grande e sonhado grupo especial do carnaval carioca, antes adquiriram muita experiência como carnavalescos nos grupos de acesso, para então chegar ao sonhado grupo especial!!! O carnavalesco é como qualquer um outro profissional talentoso, precisa que seu talento seja lapidado. E onde vai ser lapidado este talento?! Com experiências adquiridas em escolas dos grupos de acesso. Talentos esses que se tornarão visíveis pelas escolas do grupo especial. E assim, o carnavalesco chegará preparado para assumir a grande responsabilidade de fazer um grande carnaval em uma das grandiosas escolas do grupo especial do carnaval carioca. Para quem tenta distorcer as palavras do autor, ele não quis desmerecer ninguém ele só quis dizer que o carnaval é uma escola e para passar de ano no final do "desfile" é preciso estudar muito!!!! Um grande abraço Luiz Fernando Reis.

  • Avatar
    01/04/2009 20:14:12marcioMembro SRZD desde 23/06/2009

    adorei sua materia e confirmo suas palavras, pois carnavalesco cresce com o tempo...dificuldades encontradas em escolas sem condições de fazer um carnaval caro, mas sim de elementos reciclados...ae sim nasce um gnde artísta, do novo é fácil, criar do lixo, ñ é pra tdos....e é isso q fazemos no carnaval de poucas posses em uruguaiana-rs, onde temos q colocar pra fora verdadeiras expressões de arte tiradas do lixo...e assim na verdade fazer carnaval.

  • Avatar
    01/04/2009 19:36:43LUIZINHO DA CUÍCAMembro SRZD desde 07/04/2009

    Professor Luiz F.Reis, mais uma vez lhe dou os parabens pala bela matéria. Nunca deves esquecer que sempre serás vidraça, pelo título da matéria, mas para alguns como eu, serás eterno, serás sempre o Carnavalesco da irreverência, da alegria, enfim da verdade nua e crua, contada através de seus enredos. Volte logo, se assim desejas, abraços de seu eterno fã.

  • Avatar
    01/04/2009 18:01:01JANDAIAAnônimo

    Eu acho meu querido, que as suas colocações estão corretas, mais desejo resaltar que um dos homem que você diz ser de barracão e hoje tem a responsabilidade de dividir o carnaval da Viradouro é o excelente carnavalesco. Ele veio de baixo também, uma escola que ele pegou no grupo c; e que se não fosse por motivos alheios aos nossos pequenos conhecimentos referênte à jurados, a escola que ele fez o carnaval, estaria no grupo A desde o ano passado. Eu conheço o Edson Pereira a algum tempo, acompanho o seu trabalho e tenho certeza que a Viradouro apostou e vai se dar muito bem.

  • Avatar
    01/04/2009 13:18:44Luiz Fernando ReisMembro SRZD desde 11/04/2009

    Cadu a sua mensagem não será apagada......SRZD sabe respeitar a opinião de seus comentaristas............So não entendi a minha presença em seu comentário...........Eu não fiz parte da matéria....................Só não sou ex-carnavalesco e ainda estou fazendo besteiras pelas Escolas de Samba da vida............Fiz coisas boas e coisas ruins como todos nós carnavalescos fazemos............Para alguns fiz mais coisas boas que ruins e para vc so fiz bobagens..................Mas te confesso que as minhas bobagens estão em falta no carnaval carioca e tá dando uma vontade muito grande de voltar a fazê-las...............Pelo menos vc lembrou de meu carnaval na Inocentes da Baixada, até eu me esqueço dele rsrsrs.........So não foi o meu último carnaval que acontecerá quando me levarem embora.......Apesar de não concordar com a sua opinião a respeito......Sem abraço Luiz Fernando

  • Avatar
    01/04/2009 12:23:07DanielAnônimo

    Prezado Luiz Fernando Reis, Concordo plenamente com as suas colocações acerca do que é ser carnavalesco. Parabéns pela lucidez dos comentários que sempre posta aqui no SRZD-Carnavalesco. Aproveito o ensejo para dizer que gostaria muito de poder revê-lo à frente do carnaval da Caprichosos de Pilares. Grande parte da responsabilidade pelo amor que sinto por essa escola se deve a você, que, enquanto esteve por lá, apresentou os enredos mais originais que já pude ver em toda a história dos desfiles de escola de samba. Um grande abraço, Daniel.

  • Avatar
    01/04/2009 11:57:14Caio FonsecaMembro SRZD desde 17/07/2009

    Em alguns comentários, é perceptível que o ensino da leitura e da escrita vai de mal a pior, talvez por ficar restrito aos professores de Língua Portuguesa e as outras áreas não se empenharem para dar sentido e visão crítica do processo. Ã? impressionante como muitas pessoas leram mas não entenderam bulhufas do que foi escrito!

  • Avatar
    01/04/2009 10:00:24JOICE HURTADOMembro SRZD desde 08/04/2009

    Certo, certíssimo.... mas também devemos nos perguntar: não é necessário saber desenhar para ser carnavalesco, não é necessário ser aderecista, figurinista, e tudo o mais que foi comentado. Mas, e se as pessoas que estiverem ocupando este cargo souberem fazer tudo isso? Não merecem uma chance? Que seja na Viradouro, na Portela ou em qualquer outra escola de samba. Quem idealiza e, ao mesmo tempo pode e sabe fazer todas as outras coisas, gerenciar todo o processo e comandar um barracão como SABEMOS que a dupla da Viradouro sabe fazer, não é capaz de assumir um carnaval? Ã? capaz de desenhar para o carnavalesco, é capaz de organizar um cronograma, executá-lo dentro das maiores dificuldades financeiras, levar um carnaval para a avenida mesmo diante das críticas , mas não podem assiná-lo porque não têm nome? Experiência, caros amigos, não é só no acesso que se ganha. E para quem vive dentro dos barracões há mais de dez anos, como Junior e Edson, sempre nos bastidores, isso é SIM muita bagagem. Por que não apostar, em acreditar em profissionais que há muito batalham por essa chance? Concordo com nosso comentarista quando ele diz que a EQUIPE é tudo. Lembremos que eles já foram a equipe de Mario Borrielo, de Paulo Barros, de Alexandre Louzada e Milton Cunha. Agora é a vez de que outros tracem o caminho que eles um dia traçaram. Atitude corajosa a deles. Enfrentarão a desconfiança dos críticos, a inveja e, principalmente seus medos internos. Bravos homens esses : Alex, Amauri, Junior e Edson...estão dando a cara a tapa, mas com certeza esse será o início de muitas glórias e críticas pois elas fazem parte do sucesso.

  • Avatar
    01/04/2009 09:27:32Carlos Eduardo ZarurAnônimo

    Lamentável ter que ler um artigo de um homem falido que acabou para o carnaval jogando toda sua tristeza sobre os novos artistas que surgem. Certas figuras deveriam ser removidas para o museu, assim como Maria Augusta, que hoje vive de manobras e picuinhas, esse " articulista " que até criou temas interessantes, deve se render ao final tragico de sua carreira na Inocentes da Baixada , onde fez um péssimo carnaval . Lamento lhe informar, caro ex-carnavalesco, que nenhum dos novos artistas iria criar um carnaval tão ruim quanto seu ultimo trabalho. Então, por favor, se recolha a mediocridade que é a sua eterna companheira. Espero que respeitem minha opinião e não apaguem minha msg. Cadu.

Comentar