SRZD


04/06/2009 11h28

Polícia descarta hipótese de acidente no desaparecimento de engenheira
Redação SRZD

A Polícia Civil realizou, nesta quinta-feira, a reconstituição do desaparecimento da engenheira Patrícia Amieiro Branco de Franco, de 24 anos. Ela foi vista pela última vez em junho do ano passado.

O trabalho da polícia começou por volta das 4h30 e durou cerca de seis horas. A equipe percorreu o mesmo caminho feito pela jovem, desde a saída de uma festa no Morro da Urca, até o retorno para casa, se aproximando ao máximo da realidade.

Os policiais militares, bombeiros e testemunhas envolvidas no caso também participaram da ação, além de 30 policiais da Delegacia de Homicídios e dez peritos do Instituto de Criminalística Carlos Éboli (ICCE).

O trânsito ficou complicado na Barra da Tijuca, Zona Oeste do Rio, perto do Túnel do Joá.

A CET-Rio informou que a Rua Maria Luísa Pitanga, no sentido Barra, foi fechada. Houve retenções no sentido Lagoa, chegando até a Avenida Armando Lombardi, e no sentido Barra na altura do Shopping Fashion Mall.

O trânsito também ficou complicado nos dois sentidos do Túnel do Joá por causa de motoristas curiosos que reduziam a velocidade para ver o trabalho da polícia.

Para ajudar na reconstituição, a polícia conseguiu até um carro do mesmo modelo, um Palio, usado pela engenheira naquela noite.

No dia 14 deste mês completa um ano do desaparecimento de Patrícia. O carro da engenheira foi encontrado numa ribanceira no Canal de Marapendi, na saída do Túnel do Joá, na Barra. A perícia encontrou marcas de tiro no carro.

Até o momento, nenhum suspeito do caso foi preso ou indiciado.

Os laudos serão elaborados por peritos do ICCE que acompanharam a ação. O relatório deve ficar pronto em 10 ou 15 dias.

Segundo o delegado da Delegacia de Homicídios Ricardo Barbosa, a hipótese de acidente está descartada devido a existência de fragmentos de balas encontrados no carro.


Veja mais sobre:Polícia Militar

Comentários
Comentar

Isso evita spams e mensagens automáticas.